Adolfo Luxúria Canibal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adolfo Luxúria Canibal
Informação geral
Nome completo Adolfo Morais de Macedo
Nascimento 25 de dezembro de 1959
Origem Luanda
País  Portugal
Gênero(s) Rock
Instrumento(s) Vocal
Outras ocupações Músico, advogado, poeta
Afiliação(ões) Mão Morta, Mécanosphère

Adolfo Luxúria Canibal (Luanda, 25 de Dezembro de 1959), de nome de baptismo Adolfo Augusto Martins da Cruz Morais de Macedo, é um advogado, músico e poeta português.[1] [2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Adolfo Luxúria Canibal nasceu em Luanda, Província Ultramarina de Angola. Cresceu entre Vieira do Minho e Braga e em 1978 mudou-se para Lisboa, para estudar Direito. Viveu em Lisboa de 1978 até 1999, onde, após terminar o curso de Direito, exerceu a advocacia e a consultoria jurídica. Na qualidade de especialista em Direito do Ambiente foi orador convidado em diversos congressos e seminários, portugueses e estrangeiros, e professor em cursos de formação, de pós-graduação e de mestrado. Integrou de 1993 a 1999 um Grupo de Peritos Jurídicos da Convenção de Berna, junto ao Conselho da Europa, em Estrasburgo. No final de 1999 foi habitar para Paris, cidade onde praticou diversos misteres, como tradutor, actor de figuração, gerente comercial, jornalista, cronista, voz para telemóveis, estudos de mercado, crítico musical ou gestor liquidatário de sociedades cinematográficas. No final de 2004 regressou a Braga e à consultoria jurídica, cidade onde reside actualmente.

Entre 1979 e 1982 Adolfo Luxúria Canibal esteve casado com Eva Machado, bisneta do antigo Presidente da República Bernardino Machado, com quem teve uma filha, Isabel Sofia, nascida em Braga em Fevereiro de 1980. Isabel Sofia vive em Cork, na Irlanda, desde 2007, tendo feito o doutoramento em engenharia alimentar na Universidade local, mas de 2012 a 2014 habitou em Chicago, nos EUA, onde em Maio de 2014 nasceu o seu filho Leonardo, primeiro neto de Adolfo Luxúria Canibal. Este, entre 1993 e 2004, viveu maritalmente com a cineasta francesa Mariana Otero, com quem teve o segundo filho, Mateus, nascido em Lisboa em Julho de 1997 e que, desde 1999, habita em Paris, com a mãe. Actualmente Adolfo Luxúria Canibal vive com Marta Abreu, antiga baixista dos grupos Voodoo Dolls e Mão Morta e gestora hoteleira, proprietária do restaurante japonês Hocho.

Letrista e vocalista do grupo Mão Morta, desde 1984, depois de ter fundado e exercido igual função nos grupos Bang-Bang (1981), Auaufeiomau (1981-1984) e PVT Industrial (1984). De 2000 a 2009 integrou o grupo francês Mécanosphère, como vocalista. Participou ainda como vocalista ou letrista em diversos discos e espectáculos de mais de uma dezena de grupos e artistas portugueses e estrangeiros, como Pop Dell'Arte, Clã, Moonspell, WrayGunn, Houdini Blues, Jorge Palma, Pat Kay & The Gajos, Steve Mackay, Mark Stewart ou Hilmar Orn Hilmarsson.

Encenou e actuou em performances e espectáculos multimédia como Rococó, Faz o Galo (1983), Dos Gatos Brancos que Jazem Mortos na Berma do Caminho de Ferro (1983), Labiu e a Pulga Amestrada (1984) e Müller no Hotel Hessischer Hof (1997), ou foi apenas actor, como em Maldoror (2007), encenado por António Durães. Foi também actor em teatro, na peça Eis o Homem! da companhia Mundo Razoável, encenada por Marta Freitas (2013). Foi ainda autor de espectáculos de spoken word, a solo (1999) ou com António Rafael (desde 2004), sob a designação de Estilhaços. Concebeu, com João Martinho Moura e Miguel Pedro, a performance de arte digital Câmara Neuronal para a exposição FrameArt da Capital Europeia da Cultura - Guimarães 2012. Participou na concepção colectiva e actuou, com os Mão Morta, José Mário Branco, Fernando Lapa, Amélia Muge e Pacman, no musical Então Ficamos..., espectáculo de comunidade de encerramento da Capital Europeia da Cultura - Guimarães 2012 encenado por António Durães. Com António Rafael concebeu, gravou e interpretou ao vivo a banda sonora para a instalação The Wall of Pleasure do artista plástico Tiago Estrada na Rooster Gallery, em Nova Iorque (2013). Ainda com António Rafael e Miguel Pedro compôs e actuou no musical Chão, um espectáculo de comunidade, com a participação de 70 mulheres de Paredes de Coura, encenado por João Pedro Vaz para o décimo aniversário da companhia de teatro Comédias do Minho.

Concebeu a colectânea de bandas bracarenses À Sombra de Deus, tendo realizado, com Berto Borges, o seu primeiro volume À Sombra de Deus - Braga 88, editado pela Câmara Municipal de Braga, e, com Miguel Pedro, o quarto volume À Sombra de Deus IV - Braga 2012, editado pela Capital Europeia da Juventude - Braga 2012. Em 2002 criou, com António Rafael e Miguel Pedro, a editora independente Cobra, tendo editado vários discos de Mão Morta e de artistas como Anger, Erro!, Houdini Blues, Fat Freddy, Jazz Iguanas, Umpletrue, Mundo Cão ou At Freddy's House.

Participou como actor nos filmes Gel Fatal, de António Ferreira, e O Dragão de Fumo, de José Carlos de Oliveira, e concebeu, com João Onofre, o filme de videoarte S/título (мій голос), exibido no 19.º Festival Internacional de Cinema - Curtas de Vila do Conde. Em 2012 foi objecto do documentário Fado Canibal, realizado por Timóteo Azevedo.

Escreveu textos diversos para jornais e revistas, como a Vértice ou a 365, e foi, de 2000 a 2004, correspondente do jornal Blitz. Teve uma coluna de opinião no semanário O Independente (1999) e manteve, de 2001 a 2004, uma crónica semanal na rádio Antena 3 e, de 2008 a 2010, uma crónica quinzenal na revista Vidas do diário Correio da Manhã. Desde janeiro de 2011 tem uma rubrica mensal na revista Domingo do mesmo diário e desde janeiro de 2014 uma crónica quinzenal no semanário Sol.

Editou os livros Rock & Roll, Estilhaços, Estilhaços e Cesariny e Todas as Ruas do Mundo e escreveu o prefácio para uma edição de Os Cantos de Maldoror, do Conde de Lautrèamont. Foi autor de uma súmula sobre a história do Parque Nacional da Peneda-Gerês e de um ensaio ecocrítico sobre os romances de Valter Hugo Mãe. Criou com o fotógrafo e artista plástico Fernando Lemos o livro-objecto Desenho Diacrónico, editado no Brasil por ocasião da inauguração da sua exposição retrospectiva Lá e Cá, na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Traduziu Heiner Müller (1997) e Vladimir Maiakovski (2006).

Foi considerado, em 2003, pelo semanário Expresso, como uma das cinquenta personalidades vivas mais importantes da cultura portuguesa. Em 2011, nas Comemorações do Centenário da Universidade de Lisboa, foi um dos 100 ex-alunos convidados para proferir uma palestra no ciclo 100 Lições, a que deu o título Profissão: Diletante. Da Música à Conservação da Natureza..

Discografia[editar | editar código-fonte]

com Mão Morta[editar | editar código-fonte]

com Mécanosphère[editar | editar código-fonte]

com outros artistas[editar | editar código-fonte]

  • Pop Dell'Arte. Free Pop. Ama Romanta. Lisboa: 1987. (vocalista no tema "Juramento Sem Bandeira")
  • Vários. À Sombra de Deus - Braga 88. Câmara Municipal de Braga. Braga: 1989. (concepção e co-organização da colectânea)
  • Santa Maria, Gasolina Em Teu Ventre. Go West Céline. Autor. Lisboa: 1990. (vocalista no tema "Go West Céline")
  • Golpe de Estado. Golpe de Estado. Polygram. Lisboa: 1992. (letrista e vocalista no tema "Cyber Punk Generation")
  • Diva. O Verbo. Sony. Lisboa: 1996. (letrista na totalidade do álbum; letrista e vocalista no tema "E O Verbo Criou a Mulher")
  • WrayGunn. Soul Jam. NorteSul. Oeiras: 2001. (letrista e vocalista no tema "Não Vou Perder a Alma")
  • Moonspell. Darkness & Hope. Century Media. Dortmund: 2001. (vocalista no tema "Than The Serpents In My Arms")
  • Dan Inger. Atlânticoblues. M Label. Paris: 2002. (vocalista no tema "Palco da Vida I")
  • Wave Simulator. Europa 2084. Autor. Braga: 2003. (vocalista no tema "Europa 2084")
  • Clã. Rosa Carne. EMI. Lisboa: 2004. (letrista nos temas "Lágrima de Moça" e "Crime Passional")
  • Pat Kay & The Gajos. Montmartre. Accord'Art. Paris: 2005. (vocalista no tema "Pressure")
  • Kubik. Metamorphosia. Zounds. Cascais: 2005. (letrista e vocalista no tema "Era Chegado o Tempo")
  • The Ultimate Architects. Soma. Autor. Lisboa: 2005. (vocalista no tema "Nanorealidades")
  • Umbigu. Anatomia Electrónica. Skud & Smarty. Lisboa: 2005. (vocalista no tema "Cérebro Analógico")
  • Fado Morse. Gritar o Fado Revisitado. Divergências. Porto: 2005. (vocalista no tema "Deicídio")
  • Clã. Vivo. EMI. Lisboa: 2005. (vocalista no tema "Caubói Solidário")
  • Houdini Blues. F de Falso. Cobra. Braga: 2006. (vocalista no tema "Bailare")
  • Quinta do Bill. A Hora das Colmeias. Espacial. Odivelas: 2006. (letrista no tema "Lupanar")
  • Mundo Cão. Mundo Cão. Som Livre. Cascais: 2007. (letrista na totalidade do álbum)
  • Clã. Cintura. EMI. Lisboa: 2007. (letrista no tema "Fábrica de Amores")
  • Projecto Fuga. 01. Autor. Lisboa: 2008. (letrista e vocalista no tema "Rainy Trip")
  • Denário. Pelo Prazer Descuidado de Estar Vivo. Dirty Fork. Porto: 2008. (vocalista no tema "Carolina e Raquel")
  • Mundo Cão. A Geração da Matilha. Cobra. Braga: 2009. (letrista na quase totalidade do álbum)
  • Monstro Mau. Lixo. Compact. Maia: 2009. (letrista e vocalista no tema "E Eu Era...")
  • Jorge Ferraz Trio. Humanos Abençoados e Outros Contos. Presente. Lisboa: 2010. (vocalista no tema "Mediterrâneo Que Corta (Estação Solar do Drácula)")
  • Teratron. As Cobaias. Arthouse. Oeiras: 2010. (criador da história conceptual, letrista de vários temas, da introdução, dos prelúdios e do epílogo e vocalista nos temas "Professor M", "No Botequim das Virgens" e "Zeca Zarolho")
  • Amor Electro. Cai o Carmo e a Trindade. Arthouse. Oeiras: 2011. (vocalista no tema "Estrela da Tarde")
  • Smix Smox Smux. Os Gloriosos Smix Smox Smux Derrotarão os Exércitos Capitalistas. PAD. Braga: 2011. (vocalista no tema "Sangue")
  • Thee Orakle. Smooth Comforts False. Ethereal Sound. Lisboa: 2012. (vocalista no tema "Faraway Embrace")
  • Vários. À Sombra de Deus IV - Braga 2012. Capital Europeia da Juventude - Braga 2012. Braga: 2012 (concepção e co-organização da colectânea)
  • Black Bombaim. Titans. Lovers & Lollypops. Porto: 2012. (letrista e vocalista no tema "A - Noel V. Harmonson, Adolfo Luxúria Canibal, Jorge Coelho, Shela")
  • Regina Guimarães e Ana Deus. Roupa Anterior. Autor. Porto: 2012. (vocalista no tema "Mau Dia")
  • Stereoboy. OPO. Pad. Braga: 2013. (vocalista no tema "Loa ao Porto")
  • Mundo Cão. O Jogo do Mundo. Cobra. Braga: 2013. (letrista nos temas "Turbilhão", "Adivinhação Arcana" e "Pó-de-Arroz")

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • Gel Fatal - António Ferreira (Actor, Ficção, 1996)
  • Müller no Hotel Hessischer Hof - Nuno Tudela (Performer e Vocalista, Registo de Espectáculo, VHS, NorteSul, 1998 / DVD, Cobra, 2005)
  • O Dragão de Fumo - José Carlos de Oliveira (Actor, Ficção, 1999)
  • Rockumentário - Sandra Castiço (Entrevistado, Documentário sobre BunnyRanch, 2006)
  • Lucy - Nuno Costa e Cristiano Van Zeller (Narração, Ficção, 2008)
  • Maldoror por Mão Morta - Manuel Leite (Performer e Vocalista, Registo de Espectáculo, DVD, Cobra, 2008)
  • Quem é o Pai do Menino Jesus? - José Alberto Pinheiro (Actor, Ficção, 2010)
  • S/título (мій голос) - João Onofre (Argumento e Voz, Vídeo-Arte, 2011)
  • Meio Metro de Pedra - Eduardo Morais (Entrevistado, Documentário sobre Rock em Portugal, 2011)
  • Escama de Peixe - David Ferreira (Actor, Ficção, 2011)
  • Fado Canibal - Timóteo Azevedo (Documentário sobre Adolfo Luxúria Canibal, 2012)
  • Estranha Forma de Vida - Uma História da Música Popular Portuguesa - Jaime Fernandes (Entrevistado, Série Documental sobre Música Portuguesa, 2012)
  • O Coveiro - André Gil Mata (Narração, Animação, 2012)
  • Ao Lobo da Madragoa - Pedro Bastos (Voz, Experimental, 2012)
  • Um Documentário Bestial - Nuno Costa (Narração, documentário sobre as touradas, 2013)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Rock & Roll (Poesia). Edições Auaufeiomau. Braga: 1984 (com capa e gravura de Pedro Maia)
  • Estilhaços (Letras, Poesia e Crónicas). Quasi Edições. Vila Nova de Famalicão: 2003 (com desenho de capa de José Carlos Costa)
  • Prefácio (Ensaio). In Os Cantos de Maldoror. Quasi Edições. Vila Nova de Famalicão: 2004 (poema em prosa do Conde de Lautréamont com tradução de Pedro Tamen)
  • 33 Poesias (Selecção, Tradução e Prefácio). Quasi Edições. Vila Nova de Famalicão: 2008 (poesia de Vladimir Maiakovski)
  • De Estrelas Nada Sei (Poema). In Diga Trinta e Três - Os Poetas das 'Quintas de Leitura'. Fundação Ciência e Desenvolvimento. Porto: 2008 (antologia poética com organização de João Gesta e fotografias de Pat)
  • Breve Nota Sobre a História do Parque Nacional da Peneda-Gerês (Resenha histórica). In Parque Nacional da Peneda-Gerês - 40 Anos. Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade. Lisboa: 2011 (livro de arte, com fotografias de Jorge Barros e texto enquadrador de Henrique Regalo)
  • A Natureza na Prosa de Valter Hugo Mãe (Ensaio). In Falas da Terra no Século XXI - What Do We See Green?. Esfera do Caos. Lisboa: 2011 (ensaios de ecocriticismo, com coordenação de Ana Isabel Queiroz e Inês de Ornellas e Castro)
  • Desenho Diacrónico (Poesia). Perve Global. Lisboa: 2011 (livro-objecto artístico com a reprodução de 38 desenhos e 15 serigrafias de Fernando Lemos)
  • Estilhaços e Cesariny (Poesia). Assírio & Alvim. Lisboa: 2011 (com poemas de Mário Cesariny e fotografias de Eduardo Tomé, Nuno Moreira e Graziela Costa)
  • Todas as Ruas do Mundo (Poesia). Do Lado Esquerdo. Coimbra: 2013


Referências

  1. Pedro Lourenço Ferreira. "There is always a new challenge", 'Correio da manha', August 1, 2010. Página visitada em 2010-12-30. “translated from Portuguese by Google: When we played in an auditorium, play for those who know us, are there to see us. ...”
  2. Correio da manha. "Adolfo Luxúria Canibal: "Há sempre um desafio novo"", 'Correio da manha', August 1, 2010. Página visitada em 2010-12-30. “This is the same reference in Portuguese: Adolfo Luxúria Canibal – É muito diferente. Quando tocamos num auditório, tocamos para quem nos conhece, está lá para nos ver. Num festival somos uma banda no meio de meia dúzia. Há uma parcela de público que não está habituado a nosso som e que temos que conquistar. Tem que haver esse cuidado.”

Ligações externas[editar | editar código-fonte]