Adomnán

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santo Adomnán de Iona
Nascimento 627/8 em provavelmente condado de Donegal, Irlanda
Morte 704 em Iona, Escócia
Veneração por Igreja Católica
Festa litúrgica 23 de setembro
Gloriole.svg Portal dos Santos

Santo Adomnán de Iona (Condado de Donegal, Irlanda, 627/8 — Iona, 704), foi um abade de Iona (679–704), hagiógrafo, estadista e advogado clerical; é autor da mais importante Vita de São Columba e promulgador da "Lei dos Inocentes", lex innocentium, também chamada de Cáin Adomnáin, "Lei de Adomnán". Na Irlanda, especialmente em Derry e no condado de Donegal, uma forma popular anglicizada de seu nome é Santo Eunan, do gaélico Naomh Adhamhnán.

Vida[editar | editar código-fonte]

Adomnán era descendente de Colmán mac Sétna, um primo de São Columba e ancestral, através de seu filho Ainmire, dos reis de Cenél Conaill. Era filho de Rónán mac Tinne com Ronat, uma mulher da linhagem (norte) dos Uí Néill, conhecida como a Cenél nÉnda. O local de nascimento de Adomnán é desconhecido, mas presume-se que nasceu no território do grupo de seus parentes, o Cenél Conaill, cujo território fica atualmente no condado de Donegal. Algumas das lendas sobre a infância de Adomnán parecem confirmar, pelo menos, uma educação nesta área.

Pensa-se que Adomnán pode ter começado sua carreira monástica em um mosteiro columbano chamado Druim Tuamma, mas é também possível ela ter-se iniciado em qualquer mosteiro columbano no norte da Irlanda ou em Dál Riata, embora Durrow seja a probabilidade mais forte. Ele provavelmente juntou-se à "família" columbana (ou seja, à federação de mosteiros sob a liderança da Abadia de Iona) por volta de 640. Alguns comentaristas modernos acreditam que ele não poderia ter chegado em Iona, antes de 669, ano da administração da abadia por Failbe, o primeiro abade de quem Adomnán dá alguma informação. No entanto, Richard Sharpe, alega que ele provavelmente chegou a Iona durante a administração de Ségéne (m. 652). Independentemente de quando ou onde Adomnán tenha recebido sua educação, o fato é que Adomnán atingiu um nível de aprendizagem raro para o norte da Europa, na Alta Idade Média. Tem sido sugerido por Alfred Smyth, que Adomnán passou alguns anos ensinando e estudando em Durrow, e apesar disto não ser aceito por todos os estudiosos, continua a ser uma forte possibilidade. Antes de se tornar abade em Iona, Santo Adomnán pode ter sido abade no mosteiro de Skreen no condado de Sligo.

Em 679, Adomnán tornou-se o nono abade de Iona após Columba. O abade Adomnán desfrutou de uma amizade com o rei Aldfrith da Nortúmbria. Em 684, Aldfrith era hóspede de Adomnán em Iona. Em 686, após a morte do irmão de Aldfrith, o rei Ecgfrith da Nortúmbria e a sucessão de Aldfrith ao trono, Adomnán esteve na Nortúmbria a pedido do rei Fínsnechta Fledach de Brega, a fim de obter a liberdade de sessenta gaels que tinham sido capturados em uma operação na Nortúmbria dois anos antes. Adomnán obteve sucesso nas negociações e conseguiu libertá-los. Adomnán, em consonância com a tradição de Iona, fez várias viagens para as terras dos ingleses durante seu período de abade. Às vezes considera-se, em decorrência do relato feito por Beda, que foi durante suas visitas a Nortúmbria, sob a gerência do abade Ceolfrith de Jarrow, que Adomnán decidiu adotar a datação romana da Páscoa, que havia sido acordado há alguns anos antes no Sínodo de Whitby (veja Controvérsia da Páscoa). Beda relata que isto levou a um cisma em Iona, onde Adomnán tornou-se segregado pelos demais irmãos em Iona, e viajou para a Irlanda a fim de convencer os irlandeses a aceitarem a nova datação romana. O relato de Beda, no entanto, é raramente considerado pelos historiadores da região, embora fique claro que Adomnán adotou a datação romana, e, além disso, provavelmente discutiu o caso na Irlanda.

Em 697, é geralmente aceito que Adomnán promulgou a Cáin Adomnáin, significando literalmente os "cânones" ou "Lei de Adomnán". A Cáin Adomnáin foi promulgada num encontro de notáveis irlandeses, dalriadanos e pictos durante o Sínodo de Birr. É um conjunto de leis destinadas, entre outras coisas, a garantir a segurança e a imunidade de vários tipos de não-combatentes na guerra. Por este motivo, também é conhecida como a "Lei dos Inocentes". É a primeira iniciativa deste tipo registrado na Europa, e como tal, é muitas vezes considerada, embora duvidosa, um protótipo para a Convenção de Genebra e a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

O trabalho mais importante de Adomnán, e aquele que o tornou mais conhecido, é o Vita Columbae (ou seja, a "Vida de São Columba"), uma hagiografia do fundador de Iona. A fonte é de longe o trabalho mais importante escrito no início da Idade Média na Escócia, e é uma fonte vital para o nosso conhecimento sobre os pictos, bem como uma grande visão da vida em Iona e dos monges medievais irlandeses. Contudo, a Vita não foi o seu único trabalho. Adomnán também escreveu o tratado De Locis Sanctis (ou seja, "Em Lugares Sagrados"), um relato dos grandes lugares sagrados cristãos e centros de peregrinação. Adomnán recebeu grande parte desta informação de um bispo franco chamado Arculf, que visitou pessoalmente o Egito, Roma, Constantinopla e a Terra Santa, e depois visitou Iona. Adomnán considerou o trabalho tão importante que deu uma cópia deste para o rei Aldfrith da Nortúmbria (685-704). Também é atribuído a ele um grande número de poesias gaélicas, incluindo a celebração da vitória do rei picto Bridei (671-93) da Nortúmbria na Batalha de Dunnichen (685).

Adomnán morreu em 704, e tornou-se um santo da tradição escocesa e irlandesa, bem como uma das figuras mais importantes de toda a história escocesa ou irlandesa. Sua morte e festa litúrgica são comemoradas em 23 de setembro. Juntamente com São Columba, é padroeiro da Diocese de Raphoe, que abrange a maior parte do condado de Donegal, no noroeste da Irlanda.

Legado[editar | editar código-fonte]

Em sua nativa Donegal, o santo emprestou seu nome a várias instituições e edifícios, incluindo:

  • A Catedral de Santo Eunan em Letterkenny, condado de Donegal; a atual sede do Bispado de Raphoe,
  • O Colégio Santo Eunan, uma prestigiada escola secundária em Letterkenny,
  • A Escola Nacional Santo Eunan, na pequena vila de Laghey, bem ao sul de Donegal Town,
  • O Clube Santo Eunan, em Letterkenny, condado de Donegal

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]

  • William Reeves e James Henthorn Todd (eds.). Vita Sancta Columbae: The life of St Columba founder of Hy, escrita por Adomnán, nono abade de Iona. Dublin: Dublin University Press for the Irish Archaeological and Celtic Association, 1857. Disponível em CELT
  • Sharpe, Richard (tr.). Adomnán of Iona: Life of St. Columba. Londres, 1995. (43-65)
  • Smyth, Alfred. Warlords and Holy Men. Scotland AD 80–1000. Londres, 1984.

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

  • Adomnán, Vita Columbae:
    • Anderson, A.O. and M.O. Anderson (eds. and trs.). Adomnán's Life of Columba. 2nd ed. Oxford, 1991. First edition: Edinburgh, 1961.
    • Sharpe, Richard (tr.). Adomnán of Iona: Life of St. Columba. London, 1995. (43-65)
    • Reeves, William, and James Henthorn Todd (eds.). Vita Sancta Columbae: The life of St Columba founder of Hy, written by Adamnan, ninth Abbot of Iona. Dublin: Dublin University Press for the Irish Archaeological and Celtic Association, 1857. Available from CELT
  • Cáin Adamnáin ("The Law of Adomnán") or Lex Innocentium ("Law of the Innocents")
    • Márkus, Gilbert (tr.), Adomnán's Law of the Innocents - Cáin Adomnáin: A seventh-century law for the protection of non-combatants. Kilmartin, Argyll: Kilmartin House Museum, 2008. ISBN 978 0 9533674 3 6
    • Meyer, Kuno (ed.). Cain Adamnain: An Old Irish Treatise on the Law of Adamnan. Oxford: Clarendon Press, 1905.
    • Ni Dhonnchadha, Mairin (tr.). "The Law of Adomnán: A Translation." Adomnan at Birr, AD 697: Essays in Commemoration of the Law of the Innocents, ed. Thomas O’Louglin. Dublin: Four Courts Press, 2001. 53-68. Translation of §§ 28-53.
  • Adomnán, De Locis Sanctis
    • Meehan, D. (ed.). Adomnan's 'De Locis Sanctis'. Scriptores Latini Hiberniae 3. Dublin, 1958. 1–34.
  • Anonymous, Betha Adamnáin ("The Life of Adomnán")
    • Herbert, Maire and Padraig Ó Riain (eds. and trs.). Betha Adamnáin: The Irish Life of Adamnán. Irish Texts Society 54. 1988. 1-44.
  • Anonymous, Fís Adomnáin ("The Vision of Adomnán"), 10-11th century.
    • Windisch, Ernst (ed.). "Fís Adamnáin." Irische Texte 1 (1880). 165-96.
    • Stokes, W. (ed. and tr.). Fis Adomnáin. Simla, 1870.
    • Carey, John (tr.). King of Mysteries: Early Irish Religious Writings. Dublin: Four Courts Press, 1998. 263-74.

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]

  • Herbert, M. Iona, Kells, and Derry: the history and hagiography of the monastic familia of Columba. 1988.
  • O'Loughlin, T. "The Exegetical Purpose of Adomnán’s De Locis Sanctis", Cambridge Medieval Celtic Studies 24(1992)37-53.
  • O'Loughlin, T. "The Earliest World Maps Known in Ireland", History Ireland 1:1(1993)7-10.
  • O'Loughlin, T. "The Latin Versions of the Scriptures in Use on Iona in the Late Seventh Century", Peritia 8(1994)18-26.
  • O'Loughlin, T. "The Library of Iona in the Late Seventh Century: The Evidence from Adomnán’s De locis sanctis", Ériu 45(1994)33-52
  • O'Loughlin, T. "Adomnán the Illustrious", The Innes Review 46(1995)1-14.
  • O'Loughlin, T. "“The Gates of Hell”: From Metaphor to Fact," Milltown Studies 38(1996)98-114.
  • O'Loughlin, T."The View from Iona: Adomnán’s mental maps", Peritia 10(1996)98-122
  • O'Loughlin, T. "Adomnán and mira rotunditas", Ériu 47(1996)95-99.
  • O'Loughlin, T. "Living in the Ocean: the significance of the patristic understanding of oceanus for writings from Iona" in C. Bourke ed., Studies in the Cult of Saint Columba (Four Courts Press, Dublin 1997), pp. 11-23.
  • O'Loughlin, T. "‘Res, tempus, locus, persona: Adomnán’s Exegetical Method,’ Innes Review 48(1997)95-111; re-printed in: D. Broun and T.O. Clancy eds, Spes Scotorum Hope of the Scots: Saint Columba, Iona and Scotland (T. and T. Clark, Edinburgh 1999), pp. 139-158.
  • O'Loughlin, T. "Adomnán and Arculf: The Case of an Expert Witness", Journal of Medieval Latin 7(1997)127-146
  • O'Loughlin, T. "The Salzburg Fragment of Adomnán’s De locis sanctis", Manuscripta 41(1997)32-37.
  • O'Loughlin, T. "Adomnán’s De locis sanctis: a textual emendation and an additional source identification," Ériu 48(1997)37-40
  • O'Loughlin, T. "Celtic Theology: Humanity, World and God in Early Irish Writings" (Continuum [Cassell], London 2000).
  • O'Loughlin, T. "Palestine in the Aftermath of the Arab Conquest: The Earliest Latin Account," in R.N. Swanson ed., Studies in Church History 36: The Holy Land, Holy Lands, and Christian History (Boydell and Brewer, Woodbridge 2000), pp. 78-89.
  • O'Loughlin, T. "The Diffusion of Adomnán’s De locis sanctis in the Medieval Period," Ériu 51(2000)93-106
  • O'Loughlin, T. "Adomnán: A Man of Many Parts" in T. O’Loughlin ed., Adomnán at Birr, AD 697: Essays in Commemoration of the Law of the Innocents (Four Courts Press, Dublin 2001), pp. 41-51.
  • O'Loughlin, T. "The Tombs of the Saints: their significance for Adomnán", in J. Carey, M. Herbert and P. Ó Riain eds, Studies in Irish Hagiography: Saints and Scholars (Four Courts Press, Dublin 2001), pp. 1-14.
  • O'Loughlin, T.‘Perceiving Palestine in Early Christian Ireland: Martyrium, Exegetical Key, Relic, and Liturgical Space,’ Ériu 54(2004)125-137.
  • O'Loughlin, T. "Adomnán and the Holy Places: The Perceptions of an Insular Monk on the Location of the Biblical Drama" (T. & T. Clark, London 2007).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]