Adriano de Nicomédia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santo Adriano
Mártir
Morte 4 de março de 306 em Nicomédia[1]
Veneração por Igreja Católica
Igreja Ortodoxa
Principal templo Argirópolis próxima a Constantinopla;
Geraardsbergen, Bélgica;[1]
Igreja de Sant'Adriano al Foro, Roma[2]
Festa litúrgica 8 de setembro(calendário romano)
26 de agosto (calendário grego)[1]
1 de dezembro[3]
Atribuições representado armado, com uma bigorna em sua mão ou pés
Padroeiro praga, epilepsia, comerciante de armas, açougueiros, guardas, soldados
Gloriole.svg Portal dos Santos

Santo Adriano ou Adriano de Nicomédia foi um guarda herculiano do imperador romano Galério Maximiano. Após converter-se ao Cristianismo, juntamente com sua esposa Natália, foi martirizado em Nicomédia, em 4 de março de 306.[2]

Martírio[editar | editar código-fonte]

Ícone ortodoxo russo dos mártires Adriano e sua esposa Natália.

Diz-se que ao presidir a tortura de um grupo de cristãos, Adriano perguntou-lhes qual a recompensa que esperavam receber de Deus. Eles responderam: «nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam» (1 Coríntios 2:9)[4] . Ele ficou tão impressionado com a coragem deles que confessou publicamente sua fé, embora ele próprio não fosse ainda batizado.

Adriano foi imediatamente preso e proibido de receber visitas, mas relatos afirmam que sua esposa Natália veio visitá-lo vestida como um menino para pedir suas orações quando ele entrasse no Céu[5]

No dia seguinte, seus braços e pernas foram quebrados com martelo sobre uma bigorna e sua cabeça decapitada, morrendo nos braços de Natália. Depois de morto, Adriano e vários outros mártires foram levados para serem queimados. Quando os carrascos começaram a queimar seus corpos, uma tempestade formou-se e o fogo na fornalha apagou-se; raios mataram vários dos carrascos.

Natália teve que ser contida para não atirar-se sobre o fogo quando o corpo de Adriano estava sendo queimado. Mais tarde, os cristãos levaram o corpo de Adriano e o sepultaram na periferia de Bizâncio, em Argirópolis.

Natália foi viver sozinha, levando consigo uma das mãos de Adriano, que havia recolhido. Quando morreu, foi sepultada com os mártires.

Historicidade[editar | editar código-fonte]

A precisão da história registrada tem sido questionada. Algumas fontes afirmam que houve na verdade dois Adriano martirizados na Nicomédia, um nos tempos de Diocleciano, e outro no de Licínio.

Festa litúrgica e patronagem[editar | editar código-fonte]

Na Igreja Ortodoxa, Santo Adriano divide o dia da festa litúrgica com sua esposa em 8 de setembro; é também sozinho comemorados nos dias 4 de março e 26 de agosto. Na Igreja Católica, Adriano é venerado por si só, sem sua esposa, em 8 de setembro.[6] Contudo, por causa do pouco que se sabe deste mártir oriental, cuja inserção no calendário romano foi devido à dedicação a ele da igreja na qual o Papa Honório I converteu a Cúria Júlia, a sua celebração litúrgica não está incluída entre aqueles a serem comemorados universalmente, onde o rito romano é celebrado.[7]

Santo Adriano é protetor contra a peste, e padroeiro dos velhos soldados, comerciantes de armas, açougueiros e os fenômenos de comunicação. Foi um dos principais santos militares do norte da Europa durante muitos séculos, perdendo apenas para São Jorge, e é muito reverenciado em Flandres, Alemanha e no norte da França. É normalmente representado armado, com uma bigorna em suas mãos ou nos pés.

Notas

  1. a b c Terry Jones. Adrian of Nicomedia Patron Saints Index. Visitado em 30-12-2010.
  2. a b Kirsch, J.P. (1910). "Hadrian". The Catholic Encyclopedia 7. Robert Appleton Company. Consultado em 30-12-2010. 
  3. Frederick George Holweck. A Biographical Dictionary of the Saints. St. Louis: B. Herder Book Co., 1924.
  4. Segundo a Bíblia Aberta
  5. St. Adrian Catholic Online Saints & Angels. Visitado em 30-12-2010.
  6. Martyrologium Romanum (Libreria Editrice Vaticana, 2001 ISBN 88-209-7210-7)
  7. Calendarium Romanum (Libreria Editrice Vaticana, 1969), p. 131

Referências

Wikisource  "Adrian, Saint". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Ed. Chisholm, Hugh. Cambridge University Press. 

  • Attwater, Donald and Catherine Rachel John. The Penguin Dictionary of Saints. 3 ed. Nova Iorque: Penguin Books, 1993. ISBN 0-140-51312-4

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Adriano de Nicomédia