Afonso, Duque de Galliera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Afonso
Duque de Galliera
Príncipe de Orleães
Infante de Espanha
Cônjuge Beatriz de Saxe-Coburgo-Gota
Descendência
Álvaro
Afonso
Ataulfo
Nome completo
Afonso Maria Francisco António Diog
Casa Orleães
Pai António de Orleães e Bourbon
Mãe Eulália de Espanha
Nascimento 12 de Novembro de 1886
Madrid, Espanha
Morte 6 de Agosto de 1975 (88 anos)
Sanlúcar de Barrameda, Espanha


Afonso de Orleães e Bourbon (Afonso Maria Francisco António Diogo), (12 de novembro de 1886 - 6 de agosto de 1975) foi infante de Espanha, quinto duque de Galliera e aviador militar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Afonso com a sua esposa, Beatriz.

Afonso foi o filho mais velho da infanta Eulália de Espanha (filha mais nova da rainha Isabel II de Espanha) e do príncipe António de Orleães e Bourbon (filho do príncipe António de Orleães, duque de Montpensier e neto do rei Luís Filipe I de França). O seu baptismo teve lugar no Palácio Real de Madrid, momento no qual lhe foi conferida a Grande Cruz da Ordem de Carlos III. Na família, Afonso era chamado de "Tio Alli".

Em 1906 começou a sua formação militar na Academia Militar de Toledo e, em 1910, formou-se como piloto em França. De regresso a Espanha conseguiu tornar-se um dos primeiros e mais destacados aviadores militares espanhóis.

Ocupou diversos postos na aviação militar espanhol até à queda da monarquia em 1931, chegando a participar, como chefe, nas primeiras operações aéreas do Desembarque de Alhucemas que aconteceu em 1925.

Ao proclamar-se a Segunda República Espanhola, no dia 14 de Abril de 1931, o infante foi para o exílio em Londres, cidade em que viveu até ao seu regresso a Espanha em 1937, quando começou a Guerra Civil Espanhola, para se juntar à força aérea do lado nacional. Quando acabou a guerra, foi elevado a general de divisão e foi chefe da Segunda Região Aérea em 1940. Três anos depois foi nomeado general de brigada.

Afonso de Orleães renunciou, em 1945, à liderança da Região Aérea do Estreito para mostrar o seu apoio ao Manifesto de Estoril, texto no qual dom Juan de Bourbon, chefe da casa real espanhola, pediu a restauração da monarquia. Com esta decisão, o infante Afonso teve de terminar a sua carreira militar, apesar de ter continuado a pilotar aviões.

Em 1909 casou-se com a princesa Beatriz de Saxe-Coburgo-Gota, filha mais nova do duque Alfredo de Saxe-Coburgo-Gota, duque de Edimburgo, filho da rainha Vitória do Reino Unido, e da grã-duquesa Maria Alexandrovna da Rússia, filha do czar Alexandre II. Do casamento nasceram três filhos:

Uma fundação que se dedica à conservação de aeronaves históricas tem o seu nome: Fundação Infante de Orleães.

Morreu em 1975, vítima de paragem cardíaca.

Referências

Este artigo baseia-se numa tradução do artigo na wikipedia espanhola.