Afonso II das Astúrias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Afonso II, rei das Astúrias
Estátua de Afonso II das Astúrias na Plaza de Oriente, em Madrid (J. Oñate, 1750-53).

Afonso II das Astúrias, o Casto (Oviedo, 759/760842) foi Rei das Astúrias de 791 a 842. Era filho de Fruela I e Munia, neto de Afonso.

Após a morte de seu pai, ficou aos encargos da sua tia Adosinda (esposa de Silo das Astúrias), embora exista uma lenda que indique que ele tenha sido levado para o mosteiro de Samos, na Galiza. Após a morte de Silo, que lhe confiara o governo do Palácio, é escolhido para rei devido ao apoio da tia e da corte. Porém, o seu tio Mauregato organizando uma forte oposição, consegue depôr Afonso, que se refugia em Álava com os seus parentes maternos.

Quando Bermudo I renuncia ao trono devido à derrota na Batalha de Burbia, Afonso regressa às Astúrias e é proclamado rei a 14 de Setembro de 791.

Sabe-se que mantinha contactos com o imperador Carlos Magno; existem registos de que três delegações asturianas viajaram até à corte dos Francos nos anos de 796, 797 e 798, embora se desconheçam a agenda. Entre as hipóteses para os reais motivos destas deslocações encontram-se a intenção de manter a integridade do seu reino frente aos ataques muçulmanos na fronteira oriental das Astúrias e possivelmente para discutir os efeitos do Adopcionismo, contra o qual Carlos Magno lutava activamente.

Tomou Lisboa em 798 e venceu os muçulmanos nas batalhas de Lutos, a do rio Nalón e em Anceo (825). Graças às vitórias sobre os muçulmanos, afirma a sua presença na Galiza, Leão e Castela, repovoando-os.

Fixou a corte em Oviedo, onde construiu várias igrejas e um palácio. Actualmente apenas restam ruínas da Igreja de Santo Tirso. Nas imediações de Oviedo erigiu a igreja de Santullano.

A crónica Sebastianense diz dele que morreu em 842 «após conduzir, por 52 anos, de forma casta, sóbria, imaculada, piedosa e gloriosamente o governo do reino».

Diz a lenda que foi durante o seu reinado que foi descoberto o túmulo do apóstolo São Tiago, por um ermita de Compostela no ano 814, convertendo assim a cidade num centro de peregrinação para toda a cristandade. Segundo a lenda, Afonso teria sido o primeiro peregrino da história.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Afonso II das Astúrias


Precedido por
Bermudo I
Rei das Astúrias
791 — 842
Sucedido por
Ramiro I
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.