Afrânio Coutinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Afrânio Coutinho Academia Brasileira de Letras
Nascimento 15 de março de 1911
Salvador
Morte 5 de agosto de 2000 (89 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Professor, crítico literário e ensaísta

Afrânio Coutinho (Salvador, 15 de março de 1911Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2000) foi um professor, crítico literário e ensaísta brasileiro. Ocupou a cadeira 33 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 17 de abril de 1962.

Vida[editar | editar código-fonte]

Foi filho do engenheiro Eurico da Costa Coutinho e de Adalgisa Pinheiro dos Santos Coutinho.

Formou-se em medicina, em 1931, porém preferiu seguir a carreira de professor de literatura e história no curso secundário. Foi bibliotecário da Faculdade de Medicina e professor da Faculdade de Filosofia da Bahia.

Em 1942, foi para os Estados Unidos e durante cinco anos, frequentou cursos na Universidade de Columbia e em outras universidades norte-americanas, aperfeiçoando-se em crítica e história literária. Regressou ao Brasil em 1947, e foi morar no Rio de Janeiro. No ano seguinte, inaugurou, no Suplemento Literário do Diário de Notícias, a seção "Correntes Cruzadas", que manteve até 1961, debatendo problemas de crítica e teoria literária. Na Faculdade de Filosofia do Instituto Lafayette, criou, em 1951, a cadeira de Teoria e Técnica Literária, primeira iniciativa do gênero no Brasil. Foi colaborador de vários jornais e revistas literárias de todo o país, bem como do estrangeiro.

Em 1965 criou a Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1968 foi nomeado diretor dessa faculdade, permanecendo no cargo até aposentar-se, em 1981. Foi ele quem criou a Biblioteca da Faculdade de Letras, reconhecida como uma das melhores do gênero no Rio de Janeiro.

Nas décadas de 1960 e 1970, realizou inúmeras viagens para o exterior, como professor visitante em universidades dos Estados Unidos, da Alemanha e da França.

Foi empossado em 20 de julho de 1962 na cadeira 33 da Academia Brasileira de Letras, pelas mãos do acadêmico Levi Carneiro.

Durante a sua vida construiu uma vasta biblioteca particular, que se tornou a base para a criação, em 1979, da Oficina Literária Afrânio Coutinho (OLAC), destinada a promover estudos na área da literatura, ministrar cursos e conferências, e receber escritores nacionais e estrangeiros. Hoje a Biblioteca pertence à Faculdade de Letras da UFRJ. Coordenou a elaboração da Enciclopédia de Literatura Brasileira (obra em dois volumes), publicada em 1990.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Daniel Rops e a ânsia do sentido novo da existência - ensaio (1935)
  • O humanismo, ideal de vida - ensaio (1938)
  • L'Exemple du métissage, in L'Homme de couleur - ensaio (1939)
  • A filosofia de Machado de Assis - crítica (1940)
  • Aspectos da literatura barroca - história literária (1951)
  • O ensino da literatura - discurso de posse na cátedra de Literatura do Colégio Pedro II (1952)
  • Correntes cruzadas - crítica (1953)
  • Da crítica e da nova crítica (1957)
  • Euclides, Capistrano e Araripe - crítica (1959)
  • Introdução à literatura no Brasil - história literária (1959)
  • A crítica (1959)
  • Machado de Assis na literatura brasileira - crítica (1960)
  • Conceito de literatura brasileira - ensaio (1960)
  • No hospital das letras - polêmica (1963)
  • A polêmica Alencar-Nabuco - história literária (1965)
  • Crítica e poética - ensaio (1968)
  • A tradição afortunada - história literária (1968)
  • Crítica e críticos (1969)
  • Caminhos do pensamento crítico - ensaios (1974)
  • Notas de teoria literária - didática (1976)
  • Universidade, instituição crítica - ensaio (1977)
  • Evolução da crítica literária brasileira - história literária (1977)
  • O erotismo na literatura: o caso Rubem Fonseca - crítica (1979)
  • Tristão de Athayde, o crítico - crítica (1980)
  • O processo da descolonização literária - história literária (1983)
  • As formas da literatura brasileira - ensaio (1984)
  • Reformulação do currículo de Letras - educação (1984)
  • Impertinências - artigos e ensaios (1990)
  • Do Barroco - ensaios (1994)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Luís Edmundo
Lorbeerkranz.png ABL - quarto acadêmico da cadeira 33
1962 — 2000
Sucedido por
Evanildo Bechara