Afro-europeus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Africanos na Europa
Frank Rijkaard (2007).jpgAlexandre Dumas.jpgNaomiCampbell.jpg
Chevalier de Saint Georges.jpgRama Yade 2007 05 23 n1.jpgEquianoExeterpainting.jpg
Yannick Noa POPB Octobre 2004 - 01.jpgDeluxe.jpgDavid Lammy with the Early Medieval Skillet.jpg
Frank Rijkaard · Alexandre Dumas · Naomi Campbell
Chevalier de Saint-Georges · Rama Yade · Olaudah Equiano
Yannick Noah · Samy Deluxe · David Lammy
População total

Estimada em 8 milhões

Regiões com população significativa
Reino Unido, França, Países Baixos, Alemanha, Portugal, outros
Línguas
Inglês, Francês, Holandês, Português, Espanhol, Alemão, Italiano, Crioulo, outras
Religiões
Cristianismo, Islão, outras

Africanos na Europa são as pessoas com ascendência da África Subsaariana, patrimônio cultural e social, que nasceram num país europeu, ou migrou para a Europa vindo da África.

Há uma estimativa de 8 milhões de negros residindo na Europa, cerca de 1.0% da população europeia.[carece de fontes?] Cerca de 3 milhões são afro-franceses, perto de 1,9 milhões são afro-britânicos e outro milhão está contabilizado na população de outros países da Europa Ocidental.

Um artigo no jornal The New York Times estimou a população francesa de origem africana em algo em torno de 3 a 5 milhões de pessoas. [1]

No Reino Unido, a população de origem africana teve um aumento de 40% no período de 2001 a 2009, sendo estimada em algo em torno de 1 a 1,5 milhão de pessoas..[2]

A população de origem africana nos Países Baixos gira em torno de 5%.[3]

Indivíduos notáveis[editar | editar código-fonte]

Celebridadess[editar | editar código-fonte]

Muitas figuras históricas europeias possuem ancestralidade africana entre elas o poeta russo Alexander Pushkin, o português Padre António Vieira, o poeta português Almada Negreiros, o militar português João Fernandes Vieira, o escritor francês Alexandre Dumas, o destacado violinista George Polgreen Bridgetower, o poeta inglês Samuel Coleridge-Taylor e o ativista inglês John Archer.[4]

No futebol[editar | editar código-fonte]

Jogadores de origem africana respondem por volta de 20% dos jogadores de futebol em vários campeonatos "europeus". Até recentemente, contudo, literalmente não havia pessoas de origem africana entre treinadores, ou ocupando posições administrativas relacionadas ao futebol. Frank Rijkaard se tornou o perimeiro treinador de um país europeu quando foi treinador da seleção holandesa de futebol em 2000, e desde então tem sido um treinador de sucesso na Espanha. Recentemente, Pape Diouf, natural do Senegal, se tornou chairman do Olympique de Marseille. Harry Roselmack se tornou o primeiro apresentador de notícias na televisão, na França. [5] [6] . Paul Ince se tornou o primeiro gerente de time da Premier league britânica (o Blackburn Rovers, tendo sido antes o primeiro capitão da seleção inglesa de futebol de origem africana.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Kimmelman, Michael. "For blacks in France, Obama's rise is reason to rejoice, and to hope", New York Times, 2008-06-17. Página visitada em 2009-10-27.
  2. Population estimates by ethnic group: 2009 Office for National Statistics (May 2011). Visitado em 19 May 2011.
  3. http://www.cbs.nl/NR/rdonlyers/2DAFB377-8622-4A6f-9700-8E9EB8EDD61/0/pb01e067.pdf
  4. Black Europeans British Library. Visitado em 1 December 2010.
  5. "Black TV Newsman is French First", BBC News, 2006-03-08. Página visitada em 2008-07-21.
  6. Bennhold, Katrin. "Black Anchor Fills Top Spot on French TV", International Herald Tribune, 2006-08-02. Página visitada em 2008-07-21.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]