Afropunk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde outubro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Afropunk (do inglês afro-punk) refere-se aos descendentes africanos, chamados de afro-brasileiros[carece de fontes?] no Brasil e afro-americanos[carece de fontes?] nos Estados Unidos, que fazem parte da cultura punk[1] . Embora afropunks formem uma minoria na cena punk norte-americana[carece de fontes?], eles representam a maioria nas regiões predominantemente negra do mundo[carece de fontes?] que têm crescentes comunidades punk, como na América Latina e na África[carece de fontes?]. Há muitas bandas de punk rock com integrantes, ou formadas somente por descendentes africanos.

Notáveis bandas que podem ser ligadas à comunidade afropunk incluem: Fishbone, Bad Brains, Inocentes, Todos tus Muertos, Noisettes, Suffrajett, Suicidal Tendencies, El Pus, Dead Kennedys, Reagan Youth, The Templars, Stiffed (punk-rock com Santigold nos vocais), Bloc Party, TV on the Radio e 24-7 Spyz.

O afropunk tornou-se um movimento comparável aos submovimentos do punk como o movimento da comunidade gay conhecido como queercore, e o das mulheres conhecido como Riot Grrrl[carece de fontes?].

Referências

  1. (Outubro 2005) "Fear of Punk Planet". Revista Vibe: 144. 1070-4701.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Música punk é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.