Aftertouch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde janeiro de 2010).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e dire(c)ta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Função de instrumento musical[editar | editar código-fonte]

Aftertouch é uma funções geralmente existente mais em teclados sintetizadores pois funcionam apenas em timbres montados/editados (ou de efeitos que vem prontos em muitos performance, programas, sinteses, etc). Nos timbres "crus", de fábrica, não os há. Muito raro.

Essa função, dependendo do porte do teclado e marca, pode fazer pouca ou muita coisa, dependendo das funções que lhe permita. Um exemplo é nos teclados tops da Korg (como os M3, PA2X ou mesmo "menores" como os M50, TR, PA800, etc) em que se pode fazer quase "tudo" nesse aftertouch (ou menos nos inferiores), que no inglês significa "depois do toque" ou "iniciado o toque" que é o mais correto.

Quando se mantem a tecla pressionada, nesses teclados (que poderiam também ser da Roland, Yamaha, etc) se pode programar inúmeros efeitos, funções, etc. Ate no tempo que se fica apertando ou mesmo na força/pressão que se tecla. Por exemplo num string ou metais, após um tempo pressionada, pode iniciar efeitos (como reverb, echo, sustains, os mais simples) de ate outros sons/timbres iniciados após um certo tempo. Ou mesmo efeitos que alteram pouco ou totalmente o timbre tocado. Imagine teclar no fim de uma música um trompete e após alguns segundos começam a se somar a ele outros metais, efeitos e ate uma orquestra inteira (ate 16 partes multitimbrais). Isso é possível num top de linha Korg ou outras marcas. Ou então nessa mesma tecla, durante uma melodia, tendo um timbre básico como um solo de sax, mas ao teclar com mais força, entra junto um grupo de pistões/brass e trompetes ou strings!! Seria o máximo para perfomance ao vivo. São funções como essas que acabam encarecendo teclados como o M3, Oasys e tops de outras marcas. Mas valem cada centavo gasto nele por causa de tais funções

Em teclados avançados é extremamente complicado editar/gravar tais funções, praticamente o usuário tem que ser um "verdadeiro sonoplasta" ou engenheiro de som pra tal domínio. Em alguns estúdios de gravação de multinacionais tem gente que faz isso com muita competência. Um manual avançado de um bom sintetizador (em funções/edições) ou em livros como do Sonar ou Encore (efeitos) se poderá encontrar referências a respeito.