Agente económico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Um agente económico é uma pessoa ou entidade que toma decisões económicas. O agente económico pode ser um indivíduo, uma família, uma empresa, um país, um banco central ou qualquer outro tipo de decisor económico. Normalmente, o problema que os agentes económicos têm que resolver consiste num problema de optimização: maximização da utilidade, no caso das famílias; maximização do lucro para as empresas; maximização do bem-estar para o Estado.

Na teoria dos jogos, o jogador é o equivalente de um agente; e na contabilidade nacional o seu equivalente é a unidade institucional.

Microeconomia[editar | editar código-fonte]

Na teoria neoclássica há dois tipos principais de agente económico: o consumidor e o produtor. O consumidor fornece a mão-de-obra, fonte do seu rendimento, que usa para consumir bens e serviços. O produtor compra a força de trabalho e de capital necessários para a produção, e depois vende no mercado os bens e serviços.

Desde a escola marginalista que os os agentes são denominados de homo economicus, o que significa que os agentes são perfeitamente racionais. Esta hipótese será mais tarde refinada por vários autores do neoclássicos.

Macroeconomia[editar | editar código-fonte]

Na macroeconomia os agentes podem assumir muitas formas, como famílias, empresas, banco central e governo. Estes podem ser definidos a partir de agregados económicos ou de um agente representativo, como a família média ou mediana.

Ver também[editar | editar código-fonte]