Agreste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sub-regiões do Nordeste: 1 Meio-Norte,
2 Sertão, 3 Agreste e 4 Zona da Mata

Agreste (do latim: relativo ao campo, campestre, campesiano, colono) designa uma área na Região Nordeste do Brasil de transição entre a Zona da Mata e o Sertão, que se estende por uma vasta área dos estados brasileiros da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. A área ocupada pelo Agreste situa-se numa estreita faixa, paralela à costa. Possui como características principais solos profundos (latossolos e argissolos), com relevo extremamente variável, associados a solos rasos (litossolos), solos relativamente férteis, vegetação variável com predominância de vegetação caducifólia (decídua). É uma área sujeita a secas, cuja precipitação pluviométrica varia entre 300 e 1200 mm/ano, oscilando predominantemente entre 700 e 800 mm/ano. Possui 4 pólos principais: Campina Grande (principal do Agreste Setentrional), Caruaru principal do Agreste Central), Arapiraca (principal do Agreste Centro-Meridional) e Feira de Santana (principal do Agreste Meridional).

Características Geográficas[editar | editar código-fonte]

Feira de Santana, na Bahia, é a cidade mais populosa do Agreste.
Campina Grande, na Paraíba, é a segunda maior cidade do Agreste.
Caruaru, em Pernambuco, é o terceiro município mais populoso do Agreste Brasileiro.

Possui solo essencialmente pedregoso, rios intermitentes (temporários), vegetação rala e tamanho pequeno (mirtáceas, combretáceas, leguminosas e cactáceas). Tecnicamente, o agreste junto ao sertão compõem o ecossistema denominado caatinga.

Possui, por ser marcadamente terreno de transição, áreas onde há maior umidade, os brejos. O principal acidente geográfico da região é o planalto da Borborema - que apresenta vegetação tropical e florestada, consorciada com o clima úmido nas áreas altas e região da encosta leste; e vegetação de caatinga, consorciada com o clima semi-árido e seco, nas áreas baixas ao centro e oeste do planalto.

Meio antrópico[editar | editar código-fonte]

A estrutura fundiária do Agreste é basicamente formada por pequenas e médias propriedades onde se pratica a policultura, frequentemente associada à pecuária extensiva e bacia leiteira. Por estar fora da região de influência litorânea, predominando no interior nordestino, está sujeita às estiagens cíclicas, de forma que boa parte da população aí existente depende essencialmente do regime de chuvas, que são irregulares e rios temporários.

A Associação Plantas do Nordeste (APNE), entidade não-governamental com parceria dos Jardins Botânicos Reais de Kew, da Inglaterra, e do CNPq, tem desenvolvido estudos visando um aproveitamento sustentável da flora local, bem como seu estudo e preservação.

Por causa da densidade demográfica e da estrutura fundiária com tendência ao minifúndio, o Agreste constitui uma área em que a pressão sobre a terra é bastante forte (pediplanação). Esse problema é grave e acaba acarretando migrações para o Sudeste.

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Agreste possui os maiores festivais de São João do Mundo, se destacando o de Campina Grande e Caruaru. Estes festivais se centram na figura do milho, que é o único dos grandes cereais nativo da América e base alimentar dos Incas (a maior das civilizações sul-americanas autóctones). Etno-culturalmente o agreste está mais próximo a cultura e etnografia sertaneja que a do litoral da zona da mata (principalmente o Agreste Setentrional, vizinho a zona da Mata Setentrional).

Centros urbanos[editar | editar código-fonte]

O Agreste é a única sub-região nordestina que não sedia nenhuma capital, porém abriga pólos importantes, sendo as principais cidades Feira de Santana na Bahia, Campina Grande na Paraíba, Caruaru em Pernambuco e Arapiraca em Alagoas. Sua densidade populacional é a segunda maior entre as zonas geográficas nordestinas, superada apenas pela Zona da Mata.

No agreste predominam pequenas e médias propriedades rurais onde se desenvolvem a policultura (cultivo de diversos tipos de plantas) e a pecuária leiteira. Seus produtos abastecem o maior mercado consumidor do nordeste - a Zona da Mata. O Agreste é uma área de transição entre a Zona da Mata, de clima tropical úmido, e o Sertão, de clima semiárido.

Ver também[editar | editar código-fonte]