Agualva (Sintra)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Agualva  
—  Freguesia  —
Brasão de armas de Agualva
Brasão de armas
Agualva está localizado em: Portugal Continental
Agualva
Localização de Agualva em Portugal
38° 46' 20" N 09° 17' 36" O
País  Portugal
Concelho SNT.png Sintra
Fundação 20 de abril de 2001 (12 anos)
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 8 km²
População (2011)
 - Total 35 824
    • Densidade 4 478/km2 
Código postal 2735 Agualva-Cacém
Orago Imaculado Coração de Maria e Nossa Senhora da Consolação
Correio electrónico geral@jf-agualva.pt
Sítio Junta de Freguesia de Agualva

Agualva é uma freguesia portuguesa do concelho de Sintra. População: 35 824 habitantes. Em 2001 foi desdobrada da antiga freguesia de Agualva-Cacém. Tem por orago o Imaculado Coração de Maria e Nossa Senhora da Consolação.

Em 2013, no âmbito da reforma administrativa foi anexada à freguesia de Mira-Sintra (igualmente pertencente à cidade de Agualva-Cacém), criando-se a União de Freguesias de Agualva e Mira-Sintra

Durante vários anos Agualva foi apenas uma freguesia que actuava como subúrbio de Lisboa, não possuindo quaisquer serviços ou equipamentos urbanos que garantissem a qualidade de vida.

Agualva-Mira Sintra é a terceira maior freguesia do concelho de Sintra logo após Algueirão-Mem Martins e Rio de Mouro, a sua dimensão e localização central conferem-lhe um papel fundamental para todo o concelho. A freguesia possui quatro jardins-de-infância, sete escolas do primeiro ciclo, uma escola do segundo e terceiro ciclo e duas escolas secundárias. Em Agualva, encontra-se ainda a sede dos Bombeiros de Agualva-Cacém, a esquadra da PSP de Agualva-Cacém, uma conservatória do registo predial, uma biblioteca municipal, um centro lúdico, entre outros serviços.

Durante várias décadas a zona central da freguesia era conhecida devido ao caos urbanístico reinante, no entanto, a partir de 2003, com o início das obras da Cacém Pólis, esta zona tem vindo a melhorar.

História[editar | editar código-fonte]

Criada pelo decreto-lei nº 39210, de 15 de Maio de 1953, na época com a designação de Agualva-Cacém, tem tido grande desenvolvimento populacional e urbano, que lhe valeu ser elevada à categoria de vila pela Lei nº 66/85 e à categoria de cidade pela Lei nº 34/2001, de 12 de Julho. A mesma freguesia foi dividida pela Lei nº 18-C/2001, de 3 de Julho, em 4 freguesias civis: Agualva, Mira-Sintra, Cacém e São Marcos. O orago da freguesia de Agualva é Nossa Senhora da Consolação.

O topónimo da Freguesia, Agualva, deriva de “Agua alba”, do latim “Aqua Alba”.

O povoamento do território da freguesia remonta à conquista Cristã de Lisboa e Sintra aos Mouros, em 1147, por D. Afonso Henriques. A primeira referência conhecida surge nas inquirições Afonsinas de 1220.

No século XII, “Água Alva ” e Cacém já eram povoadas. O curso da ribeira das Jardas ou da Água Alva demarcavam então os limites administrativos e paroquiais, pertencendo Agualva e outros lugares da margem esquerda ao termo de Lisboa, à freguesia de Belas, enquanto Cacém, São Marcos e demais lugares na margem direita estavam integrados no termo de Sintra e faziam parte da freguesia de Rio de Mouro. Note-se que Agualva, enquanto lugar da freguesia de Belas era lugar conhecido por Jardo, o que levou o célebre Bispo de Lisboa, D. Domingos, por ter nascido ali, de Jardo.

Nos séculos seguintes expandiu-se o povoamento e a ocupação do território com o aparecimento de várias quintas solarengas, novos casais agrícolas e a Feira de Agualva, uma das mais antigas da região saloia, que se realiza(va) desde 1713, e deixou de se realizar, quebrando assim, uma tradição com cerca de trezentos anos!

As actividades que empregam o maior número de pessoas nesta freguesia, e tendo em conta a sua transformação no século XX numa das áreas urbanas da grande Lisboa são a indústria e o comércio.

No que refere ao património cultural e edificado na freguesia, merecendo especial referência a Anta de Agualva e as grutas de Colaride.

Património[editar | editar código-fonte]

Também conhecida por Quinta da Fidalga é património de interesse municipal. Foi mandada construir em meados do século XVIII por José Ramos da Silva emigrante abastado regressado do Brasil em 1716 e pai de Matias de Aires, personalidade marcante na altura. Foram ambos sepultados nesta quinta, na capela anexa ao edifício principal.[1]

Personalidades[editar | editar código-fonte]

  • D. Domingos Enes Jardo Foi fundador das Escolas Gerais em Portugal e Bispo de Évora e Lisboa. Foi Chanceler Mor do rei D.Dinis. Faleceu em 1293 não sendo conhecida a data do nascimento. Fundou o convento de Santo Eloy, habitualmente chamado de Convento dos Lóis. Inicialmente funcionou como hospital e posteriormente foi entregue à congregação dos Lóis. Tem hoje em Agualva um agrupamento escolar com o seu nome.
  • Matias Aires Nasceu em São Paulo a 27 março de 1705. Faleceu em 1763 e foi sepultado na Quinta da Fidalga. Nasceu no seio de uma família abastada e veio para Portugal em 1716. Estudou na Faculdade de Direito de Coimbra e em Madrid, Baiona e Paris. Foi escritor, pensador e filósofo. Existe hoje em Agualva uma escola com o seu Nome.
  • Gilberto Grácio Mestre guitarreiro, nascido a 12 de Maio de 1936, é o herdeiro de uma arte tradicional passada por várias gerações da destacada família Grácio. A Família Grácio é a responsável pelas transformações feitas à Guitarra Portuguesa, em parceria com Artur Paredes, pai de Carlos Paredes, dando deste modo origem ao nascimento de um novo instrumento, a Guitarra Portuguesa de Coimbra. Mantém a sua oficina em Agualva, onde para além das guitarras portuguesas de Lisboa e Coimbra, também construiu outros instrumentos como bandolins e violas. Gilberto Grácio também concebeu e construiu o guitolão.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A freguesia de Agualva a níveis geográficos está limitada a sul pela freguesia do Cacém, a norte pela freguesia de Mira Sintra e pela freguesia de Belas. A este, está limitada pela freguesia de Massamá e a oeste por Rio de Mouro.

Parte da freguesia de Agualva (nomeadamente a zona norte) está inserida numa parte territotial pertencente à Serra da Carregueira, possui ainda uma referência geográfica importante o Monte da Tapada, mais conhecido por Alto do Colaride. A freguesia é banhada por uma ribeira a sul, denominada de ribeira das Jardas

Há cerca de trinta anos atrás a freguesia de Agualva, era apenas um pequeno povoado, rodeado por uma natureza única e que fora muitas vezes recomendada como terra para o tratamento de doenças respiratórias.

Junta de Freguesia[editar | editar código-fonte]

Desde as primeiras eleições autárquicas até ao ano de 1993, a Junta de Freguesia de Agualva-Cacém esteve sob a gestão do partido Comunista português, no ano de 1993 a presidência foi entrega a Sebastião Antunes do Partido Socialista. Após a divisão da Freguesia de Agualva-Cacém e a criação da freguesia de Agualva, esta manteve-se sob domínio do Partido Socialista através dos presidentes, Fernando Arrenega e Luís Roberto. Nas eleições autárquicas de 2005 o Partido Social Democrata tomou conta dos destinos da Freguesia pelo presidente Rui Castelhano, tenho sido reconduzido no cargo em 2009.

Nas eleições autárquicas de 2013 a presidência volta para o Partido Socialista, já com a aplicação da nova reforma administrativa de 2013, tendo sido eleito um executivo para a recém criada freguesia de Agualva-Mira SintraComposição da Junta de Fregusia de Agualva-Mira Sintra

  • Presidente: Carlos Miguel Casimiro
  • Secretário
  • Tesoureiro
  • Vogal
  • Vogal:
  • Vogal:
  • Vogal:

Educação[editar | editar código-fonte]

  • Escola Secundária Ferreira Dias
  • Escola Secundária Matias Aires
  • Escola Básica Dom Domingos Jardo
  • Escola EB 2+3 António Sérgio
  • Escola JI de Agualva Nº2 (antigo JI da EB1 Nº4 do Cacém):
  • Escola EB1/JI Agualva Nº2 (antiga EB1 Nº4 do Cacém):
  • Escola EB Nº1 de Agualva:
  • Escola EB1/JI Agualva Nº1 (antiga nº4 de Agualva):
  • Escola EB1 nº3 de Agualva:
  • Escola EB1/JI de Colaride:
  • Escola EB1/JI de Lopas:

Entidades desportivas[editar | editar código-fonte]

  • Ginásio Clube 1º Maio Agualva
  • Grupo Sócio-Cultural Novos Talentos
  • Super Radical
  • Lírios do Monte
  • Grupo de Teatro “O Acto”
  • Grupo Excursionista Recreativo e Continental das Lopas
  • Clube MoucaBTT

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

  • Centro Lúdico de Lopas
  • Biblioteca Municipal de Sintra - Pólo de Agualva - Cacém
  • Mercado Municipal de Agualva
  • Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Sintra (SMAS)
  • Conservatória de Registo Predial
  • Centro de Saúde de Agualva-Cacém
  • Estação dos Correios de Agualva
  • Segurança Social
  • PSP - Divisão Policial de Sintra / 66ª Esquadra (Agualva - Cacém)
  • Bombeiros Voluntários de Agualva - Cacém
  • Estação Ferroviária de Agualva - Cacém
  • Parque Linear da Ribeira das Jardas

Feiras e romarias[editar | editar código-fonte]

  • Feira de Agualva
  • Feira de Colaride
  • Feira de Maio

Referências

  1. Quinta de Nossa Senhora do Monte do Carmo. IGESPAR. Página visitada em 5 de Agosto de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Facebook