Eichhornia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aguapé)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEichhornia
Eichhornia crassipes

Eichhornia crassipes
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Commelinales
Família: Pontederiaceae
Género: Eichhornia
Kunth
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Eichhornia
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Eichhornia

Eichhornia[1] , vulgarmente conhecido em Portugal e Angola como jacinto-de-água e, no Brasil, como aguapé, mururé, orelha-de-veado, pavoá, rainha-do-lago, uape e uapê[2] , é um género botânico originário na Bacia Amazónica, na América do Sul. Pertence à família Pontederiaceae.[3] É considerada uma das piores espécies invasoras. Na Europa, ela está em Portugal, Itália e Espanha. Em Portugal, esta espécie prolifera no centro do país e, em Espanha, está presente na bacia do Guadiana.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Jacinto d'água" é uma referência ao jacinto, uma flor terrestre de aspecto semelhante. "Aguapé" provém do tupi awa'pé[2] . "Mururé" provém do tupi muru'ré[5] . "Orelha-de-veado" é uma referência ao formato da folha da planta. "Uape" e "uapé" são oriundos do tupi wa'pé[6] . Em muitos estados do Brasil, é também conhecida como "patinho".

Descrição[editar | editar código-fonte]

São plantas aquáticas flutuantes e rizomatosas que têm preferência por rios de fluxo lento ou lagoas de água doce. Reproduzem-se rapidamente por meios vegetativos, mas também produzem frutos e sementes em abundância. Possuem grande capacidade de tolerância e absorção de poluentes como, por exemplo, águas contaminadas por esgoto e rejeitos industriais, incluindo metais pesados. Atualmente estuda-se sua utilização na despoluição de lagos e rios com águas poluídas.

Disseminação[editar | editar código-fonte]

É uma planta infestante de sistemas fluviais e lagunares urbanos. É, por isso, considerada uma planta daninha e aparece frequentemente em canais de irrigação, represas, rios e lagoas.

Nos rios da Amazônia, é comida por peixes e mamíferos aquáticos herbívoros. Na ausência destes animais, e em corpos de água eutrofizados, reproduz-se com muita facilidade, entupindo-os rapidamente.

A sua introdução nos sistemas de água das cidades brasileiras deve-se justamente a sua característica de absorver e acumular poluentes, "filtrando" a água. Porém, quando em abundância, impede a proliferação de algas responsáveis pela oxigenação da água, causando a morte dos organismos aquáticos [falta referência].

Espécies[editar | editar código-fonte]

Existem sete espécies, sendo a mais conhecida a E. crassipes, o jacinto-de-água-comum, popularmente conhecida em alguns locais do Brasil por gigoga. Outras espécies conhecidas são as E. azurea (jacinto-de-água-ancorado), E. diversifolia (jacinto-de-água-de-folha-variável) e a E. paniculata (jacinto-de-água-brasileiro).

Usos[editar | editar código-fonte]

É cultivada como planta ornamental por apresentar repetidas florações exuberantes e coloridas o ano inteiro.

Referências

  1. Eichhornia ZipcodeZoo.com. Página visitada em 27 de março de 2011.
  2. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.67
  3. http://www1.ci.uc.pt/invasoras/files/29jacinto-de-agua.pdf
  4. http://publico.pt/Local/autoridades-espanholas-nao-conseguem-erradicar-o-jacintodeagua-do-rio-guadiana-1569083
  5. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 173
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 732
Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.