Agudás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Amarôs deverá ser fundido aqui. (desde setembro de 2013)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Agudás
População total
Regiões com população significativa
 Benim
Níger
Gana
Línguas
Francês, Português
Religiões
Cristianismo, Islamismo, Religiões tradicionais
Grupos étnicos relacionados
Afro-brasileiros

Agudás[1] são comunidades de escravos libertos no Brasil (afro-brasileiros) e retornados ao Benim, África. Numerosos, esses "brasileiros" estabeleceram-se na região da antiga costa dos Escravos - que abrangia todo o golfo de Benim, indo da atual cidade de Lagos, na Nigéria, até Acra, em Gana - entre os séculos XVIII e XIX.[2]

Milton Guran em seu livro Agudás – os “brasileiros” do Benin resume: "Os “brasileiros” do Benim, Togo e Nigéria, também conhecidos como agudás, nas línguas locais, são descendentes dos antigos escravos do Brasil que retornaram à África durante o século XIX e dos comerciantes baianos lá estabelecidos nos séculos XVIII e XIX. Possuem nomes de família como Souza, Silva, Almeida, entre outros, festejam Nosso Senhor do Bonfim, dançam a burrinha (uma forma arcaica do bumba-meu-boi), fazem desfiles de Carnaval e se reúnem frequentemente em torno de uma feijoadá ou de um kousidou. Ainda hoje é comum os agudás mais velhos se cumprimentarem com um sonoro “Bom dia, como passou?” “Bem, ‘brigado’” é a resposta."

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Eurídice Figueiredo, Os Brasileiros Retornados à África, Cadernos de Letras da UFF
  2. Brasil - África: como se o mar fosse mentira, de Rita Chaves, Carmen Secco e Tânia Macedo (Unesp).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.