Aidan de Lindisfarne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santo Aidan de Lindisfarne
Iluminura de Aidan de Lindisfarne, como nos Evangelhos de Lindisfarne.
Bispo e Apóstolo da Nortúmbria; Taumaturgo
Nascimento Connacht, Irlanda
Morte 31 de agosto de 651 em Parish Churchyard, Bamburgh, Northumberland
Veneração por Igreja Católica, Igreja Ortodoxa, Comunhão Anglicana, Igreja Luterana
Principal templo originalmente a Abadia de Lindisfarne, Northumberland; posteriormente disputado entre a Abadia de Iona e a Abadia de Glastonbury (todas destruídas).
Festa litúrgica 31 de agosto (Igreja Católica, Comunhão Anglicana), 9 de junho (Igreja Luterana)
Atribuições Monge segurando uma tocha flamejante; veado
Padroeiro Nortúmbria; Bombeiros
Gloriole.svg Portal dos Santos

Santo Aidan de Lisdisfarne, conhecido como o Apóstolo da Nortúmbria (Connacht, ? – Bamburgh, Northumberland, 31 de agosto de 651), foi o fundador e primeiro bispo do mosteiro na ilha de Lindisfarne, na Inglaterra. Como missionário cristão, é creditado a a ele a restauração da cristianismo naquela região. Em 2008, ele foi proposto como o provável santo padroeiro do Reino Unido.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Irlandês, possivelmente nascido em Connacht, Aidan foi um monge no mosteiro da ilha de Iona, na Escócia.

O Império Romano havia espalhado o cristianismo no território bretão, mas devido à invasão anglo-saxã das ilhas Britânicas, o paganismo anglo-saxão agora era a religião dominante. Osvaldo da Nortúmbria e seus irmãos, viveram entre os gaélicos de Dál Riata como príncipes exilados desde suas expulsões por uma casa real rival em 616. Provavelmente Osvaldo visitou o mosteiro da ilha de Iona, e certamente converteu-se ao cristianismo, e foi batizado. Em 634, recuperou o reino da Nortúmbria, e estava determinado a trazer o cristianismo para a maioria daquela população pagã.

Devido ao seu passado entre os gaélicos, ele solicitou missionários de Iona, o mosteiro pré-eminente dos irlandeses, onde atualmente fica a Escócia, em vez dos missionários da Inglaterra. Inicialmente o mosteiro enviou um bispo novo chamado Cormán, mas ele não obteve sucesso algum e logo retornou a Iona, relatando que os nortúmbrios eram por demais teimosos para serem convertidos. Aidan criticou os métodos de Cormán e foi enviado como substituto em 635.[2]

Aidan escolheu Lindisfarne, assim como Iona, uma ilha, e próxima à fortaleza real de Bamburgh, para ser a sede de sua diocese. O rei Osvaldo, que após seus anos de exílio, tinha um domínio perfeito do irlandês, muitas vezes tinha que servir de tradutor para Aidan e seus monges, que no começo não falavam inglês. Quando Osvaldo morreu em 642, Aidan continuou a receber apoio do rei Osvino de Deira e os dois tornaram-se amigos íntimos.

Um inspirado missionário, Aidan percorreu a pé uma aldeia após outra, educadamente conversando com as pessoas que ele encontrava, e aos poucos, dispertando-lhes o interesse pelo cristianismo. Segundo a lenda, o rei deu a Aidan um cavalo para que ele não precisasse mais andar durante sua missão evangelizadora, mas Aidan deu o cavalo para um mendigo. Com paciência, conversando com as pessoas em seu próprio nível, Aidan e seus monges lentamente trouxeram o cristianismo para as comunidades nortumbrianas. Aidan também acolheu doze meninos ingleses para treiná-los no mosteiro, a fim de assegurar que a futura liderança religiosa da região fosse inglesa.

Em 651, um exército pagão comandado por Penda atacou Bamburgh e tentou incendiar suas muralhas. Segundo a lenda, Aidan rezou pedindo a proteção divina para a cidade, após o que, a direção do vento mudou e a fumaça e o fogo sopraram na direção do inimigo, repelindo-os. Daí ele ser considero o protetor daqueles que combatem incêndios.

Aidan foi um membro do ramo irlandês do cristianismo, em oposião ao que poderíamos chamar de ramo romano, ou latino, mas seu caráter e sua energia no trabalho missionário granjeou a seu favor o respeito do Papa Honório I e de Félix de Dunwich.

Osvino de Deira, amigo de Aidan, foi assassinado em 651. Doze dias depois Aidan morreu, em 31 de agosto, no décimo sétimo ano de seu episcopado.[2] Adoeceu quando estava no castelo de Bamburgh, e morreu encostado ao contraforte de uma igreja em uma propriedade real perto de Bamburgh.

O mosteiro que fundou cresceu e ajudou a fundar igrejas e outros mosteiros em toda a região. Tornou-se também um típico centro de saber e guardião do conhecimento da época. São Beda, o Venerável viria a escrever mais tarde a biografia de Aidan e descrever os milagres atribuídos a ele. Sua festa é comemorada no dia 31 de agosto (Igreja Católica, Comunhão Anglicana), e em 9 de junho (Igreja Luterana).

Referências

  1. Cahal Milmo (23 de abril de 2008). Home-grown holy man: Cry God for Harry, Britain and... St Aidan. The Independent. Página visitada em 5 de março de 2010.
  2. a b Powicke Handbook of British Chronology p. 237
  • Attwater, Donald e Catherine Rachel John. The Penguin Dictionary of Saints. Terceira edição. Nova Iorque: Penguin Books, 1993. ISBN 0-140-51312-4.
  • Powicke, F. Maurice e E. B. Fryde Handbook of British Chronology. Segunda edição. Londres:Royal Historical Society 1961

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aidan de Lindisfarne