Aiko, Princesa Toshi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aiko
Princesa Toshi
Governo
Casa Real kōshitsu
Vida
Nascimento 1 de Dezembro de 2001 (12 anos)
Japão Tóquio, Japão
Pai Príncipe Naruhito
Mãe Princesa Masako

Aiko, Princesa Toshi (敬宮愛子内親王殿下 Toshi no miya Aiko naishinnō denka), nascida em 1 de dezembro de 2001, é a única filha de Naruhito, Príncipe Herdeiro do Japão e de Masako, Princesa Herdeira do Japão.

Nome e título[editar | editar código-fonte]

A princesa teve seu nome escolhido pelos próprios pais, ao invés do Imperador, quebrando assim uma tradição. Aiko, o nome pessoal da princesa, é escrito com o carácter Kanji para "amor" e "criança". Ele deriva de um ensinamento do filósofo chinês Mêncio, que escreveu: "aqueles que amam os outros serão amados constantemente por eles; aqueles que respeitam os outros serão constantemente respeitados por eles".

Ela também possui um título imperial, Princesa Toshi (敬宮 toshi no miya). Esse título formal será obrigatoriamente renunciado por ela caso Aiko se case com um plebeu, o que provavelmente acontecerá uma vez que a nobreza japonesa foi abolida e que a família imperial foi delimitada por descendentes do Imperador Taisho em 1947.

Casa Imperial do Japão
Dinastia Yamato
Imperial Seal of Japan.svg


SAI o Príncipe Mikasa
SAI a Princesa Mikasa

Educação[editar | editar código-fonte]

A Princesa Toshi iniciou sua educação formal no jardim de infância da Gakushuin, em Tóquio, em abril de 2006. Trata-se de uma instituição de ensino da elite japonesa.

Bullying[editar | editar código-fonte]

Em março de 2010, o jornal Sankei Shimbun revelou que a Princesa Toshi, então na segunda série do ensino primário, estava faltando há dias às aulas em Gakushuin porque era, junto com outros colegas, vítima de bullying causado pelo comportamento agressivo de um grupo de meninos de sua classe. Ansiosa, Aiko teria alegado dores de barriga como pretexto para não ir à escola.[1] O episódio fez com que a Agência da Casa Imperial exigisse providências da direção da escola. A princesa retornou à escola em 2 de maio daquele ano, tendo comparecido a algumas aulas acompanhada de sua mãe, a Princesa Masako. Hoje, ela frequenta todas as aulas com normalidade.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2011, a Princesa Aiko foi hospitalizada com pneumonia.[2]

Debate sobre sucessão imperial[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2005, um comitê governamental recomendou mudar a Lei de Sucessão Imperial de 1947 para garantir que o primogênito dos príncipes herdeiros, de qualquer sexo, se tornasse o herdeiro do Trono do Crisântemo. A opinião pública debatia uma reforma para possibilitar a ascensão da Princesa Aiko. O então primeiro-ministro, Junichiro Koizumi, comprometeu-se a levar a reforma ao Parlamento.

Entretanto, a gravidez da Princesa Kiko, esposa do Príncipe Akishino, anunciada oficialmente em fevereiro de 2006, mudou os planos. Em setembro daquele ano, nasceu um menino, o Príncipe Hisahito de Akishino, que é o terceiro na linha de sucessão sob a atual lei. O nascimento de Hisahito foi um alívio para membros partidários tradicionalistas e, de fato, desencorajou as propostas que sugeriam a sucessão feminina. Antes de seu nascimento, 84% da população mostrava-se favorável à mudança.

Acredita-se que o debate será continuado e finalizado em um momento apropriado no futuro.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Imperador Shōwa
 
 
 
 
 
 
 
Imperador Akihito
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Imperatriz Kōjun
 
 
 
 
 
 
 
Naruhito, Príncipe Herdeiro do Japão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Hidesaburo Shōda
 
 
 
 
 
 
 
Imperatriz Michiko
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fumiko Soejima
 
 
 
 
 
 
 
Aiko, Princesa Toshi
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Takeo Owada
 
 
 
 
 
 
 
Hisashi Owada
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Shizuka Tamura
 
 
 
 
 
 
 
Masako, Princesa Consorte do Japão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Yutaka Egashira
 
 
 
 
 
 
 
Yumiko Owada
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Suzuko Yamaya
 
 
 
 
 
 

Referências