Airbus A350

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marcador do evento atual
Este artigo ou seção contém informações sobre um evento futuro.
É possível que contenha informações de natureza especulativa e seu conteúdo pode mudar drasticamente.

Logo Airbus A350.svg
New Zealand PW-51.svg
Airbus A350-900 XWB no seu primeiro vôo.
Descrição
Tipo Avião comercial
Fabricante Airbus
País de Origem Multinacional[1]
Primeiro voo 14 de junho de 2013 às 10h de Toulouse (9h GMT) [2]
Produção 2010-presente
4 produzidos[1]
Tripulação/Equipa 2 - piloto e co-piloto[1]
Capacidade de
passageiros
270 a 350 passageiros
Capacidade de
carga
28 à 44 contêineres LD3 ou 90 t (198 000 lb)[1]
Custo unitário A350-800: 0 US$ 245.5 milhões
A350-900: 0 US$ 277.7 milhões
A350-1000:  US$ 320.6 milhões
Dimensões
Comprimento 60,54 à 73,88[1] metros
Envergadura 64,8[1] metros
Altura 17,05[1] metros
Área (asas) 443 à 460[1]
Pesos
Peso máx. decolagem 259 à 308[1] kg
Propulsão
Motorização 2x Rolls-Royce Trent XWB[1]
Força de empuxo 330-430[1] kN
Performance
Velocidade máxima 945[1] km/h
Velocidade de
cruzeiro
0.89 Ma[1]
Altitude máxima 13100[1] metros
Alcance (MTOW) 9250 à 14800[1] km
Notas
Fonte dos preços por aeronave[3]

Notas: Wikipédia anglófona[1]


Airbus A350 ou Airbus A350 XWB é uma aeronave comercial de grande alcance, wide-body, desenvolvida pelo fabricante europeu Airbus.[Nb 1]

O A350 será o primeiro Airbus[4] com ambas as estruturas, fuselagem e asas, feitas primariamente de polímeros reforçados com fibra de carbono.[5] Na combinação de assentos de três classes, terá uma capacidade de 270 a 350 passageiros, dependendo do modelo.

O A350 nasceu de uma derivação do A330 com poucas mudanças, para competir com o Boeing 787 e o seu irmão maior, o Boeing 777, mas foi unanimemente rejeitado pelos seus possíveis compradores. A Airbus foi forçada a redesenhar o projeto inicial, mas as companhias aéreas exprimiram desejos de uma reformulação completa. A proposta incorpora mudanças significativas: a Airbus afirma que será mais eficiente em termos de consumo de combustível e custo operacional, até 8% menor que o Boeing 787. [5] O A350 redesenhado foi comercializado pela fabricante como A350 XWB, XWB significando Extra Wide Body (cabine extra larga). O comprador inicial para o A350 é a Qatar Airways, que comprou um total de 80 aeronaves nos três modelos disponíveis. [6] Os custos de desenvolvimentos previstos ascendem a 12 bilhões (US$15 bilhões). Inicialmente prevista para entrar em serviço durante o primeiro semestre de 2014 (já com atraso)[7] , a aeronave deve estrear no fim de 2014.[8] Até 20 de Janeiro de 2012, 561 pedidos foram feitos para a nova aeronave.[9]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Projeto inicial[editar | editar código-fonte]

Quando a Boeing anunciou o projeto 787 Dreamliner, que apresentava custos operacionais mais baixos, este avião tornar-se-ia numa grave ameaça para o Airbus A330. A Airbus inicialmente rejeita esta alegação, afirmando que o 787 era, ele próprio, uma reação ao A330, e que não iria desenvolver nenhuma resposta para o 787.

As companhias aéreas pressionaram a Airbus para esta apresentar um competidor, pois a Boeing estava empenhada em que o 787 fosse 20% mais eficiente em nível de consumo de combustível do que os seus equivalentes. Inicialmente a Airbus propôs um simples derivado do A330, com melhorias ao nível da aerodinâmica e com turbinas similares às do 787. No entanto as companhias aéreas não ficaram satisfeitas com esta resposta da Airbus e esta desembolsou 4 bilhões de euros para a concepção de um novo modelo, o A350. A versão inicial do A350 era superficialmente semelhante ao A330 devido à comum fuselagem da seção transversal e montagem. Uma nova asa, turbinas e um estabilizador iriam aliar-se a novos materiais compostos e métodos de produção aplicados à fuselagem para fazer do A350 uma aeronave quase nova.

Em 16 de Setembro de 2004, o presidente e CEO da Airbus, Noël Forgeard confirmou que um novo projecto estava a ser considerado, mas não deu um nome a esse projeto nem indicou se este seria uma concepção inteiramente nova, ou se pelo contrário seria apenas uma modificação de um produto já existente. A Airbus indicou ainda que iria finalizar a sua concepção até ao final de 2004, iniciar consultas com as companhias aéreas em 2005 e lançar esse novo projecto no final desse ano.

A 10 de Dezembro de 2004, os órgãos da EADS e BAE Systems, acionistas da Airbus, deram autorização ao projeto e o nomearam de A350. Em 6 de Outubro de 2005, o lançamento industrial do programa, foi anunciado com um custo estimado de 3,5 bilhões de euros. Esta versão inicial do A350 foi planeada para ter entre 250/300 lugares, com 2 motores e wide-body derivados do design do já existente A330. Ao abrigo deste programa, o A350 teria novas asas e novos motores enquanto partilhava a mesma fuselagem de secção transversal do seu antecessor A330. A fuselagem era composta essencialmente em alumínio e lítio.

A sua entrada em serviço estava prevista para 2010 em duas versões: o A350-800 capaz de voar 8 800 milhas náuticas (16 000 km), com capacidade para 253 passageiros em 3 classes, e o A350-900 com 300 lugares em 3 classes e com alcance de 7 500 milhas náuticas (14 000 km). Foi concebido para ser concorrente direto do Boeing 787-9 e do Boeing 777-200ER.

Quase imediatamente a Airbus recebeu inúmeras críticas sobre o projecto A350, as quais partiram de alguns dos seu maiores clientes, que afirmavam que o projecto deveria ser alterado, pois poderia tornar-se um fracasso. A Airbus afirmou então que iria reformular o projecto A350.

XWB - Xtra Wide Body[editar | editar código-fonte]

Na sequência das críticas que o projecto inicial do A350 sofreu, em meados de 2006 a Airbus reviu todo o projecto. O novo A350 estava a tornar-se cada vez mais um concorrente ao Boeing 777 e às versões -8 e -9 do Boeing 787. Possui uma maior fuselagem da secção transversal, capaz de acomodar 10 passageiros por fila na classe económica. O A330 bem como os anteriores projectos do A350 apenas acomodariam 8 passageiros por fila em configuração normal. O Boeing 787 pode acomodar 8 a 10 passageiros por fila, enquanto o Boeing 777 pode acomodar 9 ou 10. Do ponto de vista do passageiro, a cabina do A350 é 12 cm mais ampla do que a do seu concorrente Boeing 787, e 25 cm mais restrita do que a do seu outro concorrente Boeing 777. Todos os modelos do A350 possuem um alcance de pelo menos 8 000 milhas náuticas (15 000 km).

Houve alguma especulação sobre como seria apelidada esta revisão do A350. Este chegou a ser apelidado de A370 e até mesmo A280, contudo a 17 de Julho de 2006 no Show Aéreo Internacional de Farnborough, realizado na cidade inglesa homónima, a Airbus apresentou um novo avião totalmente reformulado e anunciou que este seria apelidado de A350 XWB (Xtra-Wide-Body). A Airbus conseguiu a sua primeira encomenda, do redesenhado A350, quatro dias depois da sua apresentação. Esta encomenda partiu da Singapore Airlines que anunciou a compra de vinte A350 XWB, com opção de compra de mais vinte unidades. O CEO desta companhia aérea, Chew Choon Seng, afirmou que "é reconfortante a Airbus ter ouvido as companhias aéreas e ter apresentado o totalmente reformulado A350 XWB". Nos finais de 2006, a decisão do lançamento formal foi adiada na sequência de atrasos do Airbus A380.

A primeira entrega para o A350-900 XWB estava prevista para 2013, a versão -800 para 2014 e a versão -1000 para 2015. Estão ainda a ser projectadas as versões -900R com maior alcance e a versão cargueira -900F. Numa conferência de imprensa, a 4 de Dezembro de 2006, foram revelados alguns detalhes técnicos do A350 XWB, mas não foram identificados novos clientes. Foi ainda anunciado que devido a aumentos de preços, os contratos para o A350 original estavam agora a ser renegociados para o novo A350 XWB.

A 4 de Janeiro de 2007, a Airbus anunciou que a Pegasus Aviation Finance Company tinha feito a primeira encomenda firme para o A350 XWB, com uma encomenda de dois aviões. O conselho de administração da Airbus aprovou o lançamento industrial do A350-800, -900 e 1000, em Dezembro de 2006. O XWB iria trazer um adiamento de dois anos relativamente ao calendário original e quase duplicava os custos de desenvolvimento que inicialmente eram de $ 5,3 bilhões para $ 10 bilhões.

Operadores[editar | editar código-fonte]

Operadores brasileiros[editar | editar código-fonte]

No Brasil o A350 será operado na versão -900 pelas companhias TAM (27 unidades), Avianca Brasil (dez unidades) e Azul (cinco unidades). As primeiras entregas serão feitas à TAM em 2015, em 2016 chegam as aeronaves da Avianca e em 2017 é a vez da Azul receber suas aeronaves.


Companhia Encomendas Versão
TAM Airlines Logo.png 27 A350-900
Avianca Logo.svg 10 A350-900
Azul Brazilian Airlines logo.png 5 A350-900

Operadores portugueses[editar | editar código-fonte]

Em Portugal o A350 será operado apenas pela TAP Portugal, que receberá suas aeronaves a partir de 2017.

Companhia Encomendas Versão
TAP Portugal Logo.svg 12 A350-900

Primeiro voo[editar | editar código-fonte]

Em 14 de junho de 2013, o A350 realizou seu primeiro voo teste. O avião decolou do Aeroporto de Toulouse-Blagnac, no sudoeste da França, com seis tripulantes e toneladas de equipamentos de teste, permanecendo em voo durante quatro horas. Esse foi o primeiro passo de uma campanha de testes que tem o objetivo de colocar o A350 em operação até o fim de 2014.[10]

Especificações técnicas[editar | editar código-fonte]

A350-800 A350-900 A350-1000
Comprimento: 60.5 m 66.8 m 73.8 m
Altura: 17.0 m 16.7 m
Envergadura: 61 m 61 m 64 m
Secção: 5,94 m 5,94 m 5,94 m
Assentos: 270/312 - 3 classes / 2 classes 314/366 - 3 classes / 2 classes 350/412 - 3 classes / 2 classes
MTOW 259t 268t 308t
Carga: 26 LD3 36 LD3 44 LD3
Motores (x2): RR Trent XWB RR Trent XWB RR Trent XWB
Velocidade de cruzeiro: 903 km/h (mach 0.85) 903 km/h (mach 0.85) 903 km/h (mach 0.85)
Velocidade Máxima 945 km/h (mach 0.89) 945 km/h (mach 0.89) 945 km/h (mach 0.89)
Autonomia: 15,400 km 15,000 km 14,800 km
Combustivel: 129,000 l 138,000 l 156,000 l
Entrada em servico: 2014 2013 2015

Pedidos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p Especificações do A350 na Wikipédia anglófona
  2. Kaminski-Morrow, David. "Airbus begins mating A350 cockpit to forward fuselage". Flightglobal.com, 9 de Dezembro de 2011.
  3. New pricelist 2012 Airbus.com (19 de Janeiro de 2012). Visitado em 19 de Janeiro de 2012.
  4. First A350 XWB painting completed in Toulouse Pagina Web da Airbus, recuperado em 17 de janeiro 2014
  5. a b Taking the lead: A350XWB presentation EADS (Dezembro de 2006). Cópia arquivada em 27 de Março de 2009.
  6. Airbus Orders & Deliveries: Airbus A350 Airbus. Visitado em 01 de Julho de 2011.
  7. Airbus A350 Deliveries slip 6 Months, EADS Says. BBC
  8. Airbus orders slump in first quarter but profit rises. BBC
  9. Airbus orders and deliveries (pdf) Airbus S.A.S (20 de Janeiro de 2012). Visitado em 20 de Janeiro de 2012.
  10. Novo Airbus A350 realiza primeiro voo de teste Agence France-Presse, 14 de junho de 2013


Notas:

  1. Um consórcio formado em 1970, inicialmente abrangendo empresas aeroespaciais europeias da Alemanha, França, Reino Unido e Espanha (Airbus Industrie), passou a ser uma subsidiária do grupo EADS em 2001 (Airbus S.A.S). Em janeiro de 2014, com a extinção da EADS, algumas unidades se fundiram e o grupo se reestruturou em três divisões: Airbus (aviação civil), Airbus Defence and Space (aeroespacial e defesa) e Airbus Helicopters (helicópteros), formando o Grupo Airbus (em inglês).