Alargamento da Zona Euro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Alargamento da área do euro)
Ir para: navegação, pesquisa
Zona Euro (18)
  Países da União Europeia (UE) obrigados a aderir à zona euro (8)
  Países da UE com derrogação sobre a sua participação na zona euro (2)
  Países que não fazem parte da UE, mas que têm acordo estabelecido sobre a utilização do euro (3)
  Países fora da UE que utilizam o euro sem um acordo (3)

O alargamento da zona euro é um processo contínuo presente na União Europeia (UE), no qual novos países aderem à utilização do euro como moeda corrente[1] . Todos os Estados-membros da União Europeia, exceto a Dinamarca, o Reino Unido e de facto a Suécia, são obrigados a adotar o euro como a sua única moeda corrente assim que atingirem um critério vigente determinado pela própria UE. Entre os critérios estão dois anos de participação no Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio (MTC II) e a manutenção da taxa de inflação dentro dos padrões da UE[2] .

A introdução do euro ocorreu em 1999, quando 11 países-membros da UE adotaram o euro como a sua moeda corrente.[2] Depois, a Grécia juntou-se à zona euro em 2001, antes da troca completa e física das moedas correntes nacionais, quando as cédulas e moedas do euro foram introduzidas definitivamente. A Eslovénia juntou-se ao bloco em 1 de janeiro de 2007. Chipre e Malta aderiram em 1 de Janeiro de 2008, a Eslováquia também se uniu à zona euro no primeiro dia de 2009, a Estónia em 1 de janeiro de 2011 e, por último, a Letónia adotou a moeda única em 1 de janeiro de 2014.

Critério de adesão[editar | editar código-fonte]

Para aderir à zona euro (e portanto estar autorizado a cunhar o euro separadamente), o país deve primeiro ser membro da União Europeia, e então estar enquadrado dentro de um certo critério económico, incluindo a sua adesão ao MTC II, que vincula a taxa de câmbio da sua moeda corrente ao euro, dentro de uma faixa específica (normalmente ±15%).

Os microestados europeus que têm acordos monetários com países pertencentes à zona euro podem continuar tais acordos para cunhar as suas próprias moedas do euro separadamente. Contudo, não têm poder político dentro da zona euro. Este é o caso de Mônaco, de São Marino, Vaticano e Andorra.

Ampliações históricas[editar | editar código-fonte]

Grécia[editar | editar código-fonte]

A Grécia foi o primeiro país a juntar-se à zona euro, após a sua adesão à UE em 1999. A taxa de câmbio entre o dracma grego e o euro foi fixada em 19 de junho de 2000 em 340,75 GRD, e a Grécia aderiu formalmente à zona euro em 1 de janeiro de 2001. As moedas e cédulas do dracma grego foram substituídas pelo euro em 1 de janeiro de 2002, juntamente com todos os países fundadores da zona euro.

Eslovênia[editar | editar código-fonte]

A Eslovênia foi o primeiro país a juntar-se à zona euro após o lançamento das moedas e cédulas do euro. O euro substituiu o tolar esloveno em 1 de janeiro de 2007. A taxa de câmbio entre o euro e o tolar foi ajustada em 11 de julho de 2006 em 239,64 SIT. Mas ao contrário dos acontecimentos anteriores, as transações em dinheiro vivo e virtual foram introduzidas simultaneamente.

Chipre[editar | editar código-fonte]

O Chipre substituiu a libra cipriota pelo euro em 1 de janeiro de 2008.[3] A aplicação formal do euro no país iniciou-se em 13 de fevereiro de 2007.[4] Em 16 de maio daquele ano, a Comissão Europeia, controlada pelo Banco Central Europeu, permitiu a introdução do euro no Chipre em 2008.[5] A decisão final foi tomada pelos ministros das finanças da UE (Ecofin) em 10 de julho de 2007 e a taxa de conversão entre a libra cipriota e o euro foi estabelecida em 0,585274 CYP.[6] O euro só é usado em regiões controladas pela República Cipriota, nas Bases Britânicas Soberanas de Akrotiri e Dhekelia (sob a jurisdição do Reino Unido, fora da UE), e na Zona Livre das Nações Unidas no Chipre.[7] A de facto República Turca do Chipre do Norte continua ainda a usar a nova lira turca como a sua moeda corrente principal, apesar de adotar o euro como moeda secundária.

Malta[editar | editar código-fonte]

Malta substituiu a lira maltesa pelo euro em 1 de janeiro de 2008.[3] Isto foi confirmado oficialmente em 26 de fevereiro de 2007.[8] Em 16 de maio daquele ano, a Comissão Europeia permitiu a introdução do euro naquele país em janeiro de 2008.[5] Os ministros das finanças da UE também deram carta verde em 10 de julho de 2007, e a taxa de conversão ficou estabelecida em 0,4293 MTL.[6]

Eslováquia[editar | editar código-fonte]

A Eslováquia adotou o euro em 1 de janeiro de 2009. A coroa eslovaca foi parte do MTC II desde 28 de novembro de 2005, requerendo-se que a moeda ficasse dentro de uma taxa de 15% de variação para mais ou para menos em relação ao euro como parte de um acordo estabelecido entre a Eslováquia e a UE. A taxa de variação foi mudada em 17 de março de 2007 e novamente em 28 de maio de 2008. A taxa de conversão entre a coroa eslovaca e o euro foi estabelecida definitivamente a 8 de julho de 2008, e ficou em 30,126 SKK.[9]

Para auxiliar no processo da conversão para o euro, o Banco Nacional da Eslováquia anunciou em 1 de abril de 2008 o seu plano para retirar de circulação as cédulas e moedas de coroa eslovaca.[10] Alguns dias depois, em 5 de abril, a Eslováquia finalmente começou a trocar a sua moeda corrente pelo euro, a fim de aderir à zona euro.[11] Em 7 de maio de 2008, a Comissão Europeia aprovou a iniciativa e convocou os Estados-membros para endossar a solicitação durante a reunião dos ministros das finanças da UE em julho de 2008.[12] [13] [14]

A Eslováquia adequou-se aos critérios de convergência do euro. Em 2,2%, a inflação eslovaca de doze meses foi bem abaixo dos 3,6% exigidos. Porém, a inflação anual de março de 2008 ficou exatamente em 3,6%. O défice fiscal ficou em 2,2%, abaixo dos 3% exigidos. E finalmente, a taxa da dívida pública eslovaca ficou em 29,4% do PIB em 2007, bem abaixo dos 60% exigidos.[15] A opinião pública apoiou a mudança; 58% da população estavam a favor da mudança, mas 35% estavam contra. Mesmo assim, 65% estavam preocupados sobre os impactos inflacionários da adoção.[16]

Estônia[editar | editar código-fonte]

A coroa estoniana fazia, até 2011, parte do MTC II, estando vinculada ao euro com uma taxa de câmbio de 15,6466 coroas = 1 euro (a moeda esteve anteriormente ligada ao marco alemão, onde 8 coroas equivaliam a um marco).

A Estônia adotou a moeda única no 1 de Janeiro de 2011, substituindo a Coroa estoniana[17]

A coroa estoniana fazia, até 2011, parte do MTC II, estando vinculada ao euro a uma taxa de câmbio de 15,6466 coroas = 1 euro (a moeda esteve anteriormente ligada ao marco alemão onde 8 coroas equivaliam a um marco). Todas as lojas da Estônia mostravam desde 2008 os preços em euros.[18] A Estônia originalmente pretendia adotar o euro em 1 de janeiro de 2007, mas teve que adiar até 1 de janeiro de 2008 (devido à alta inflação do país, que estava fora dos parâmetros adotados pela UE)[19] [20] e mais tarde para 1 de janeiro de 2010,[21] mas uma vez mais a alta inflação do país adiaria a entrada da Estônia à zona euro.[22]

Em 1 de novembro de 2007, o primeiro-ministro da Estônia, Andrus Ansip, comprometeu-se a seguir uma política fiscal restritiva, para poder adotar o euro tão rápido quanto possível, apesar da elevada inflação. Em 14 de março de 2008, disse numa entrevista com a Reuters que a Estônia poderia juntar-se à zona euro em 2011.[23]

A Comissão Europeia adotou no dia 12 de maio de 2010, o seu informe periódico sobre a disposição de convergência do euro. Chegou-se à conclusão de que a Estônia cumpre os critérios para adotar o euro e fez uma proposta ao Conselho a respeito. Em 8 de junho de 2010, os ministros da economia da UE decidiram no Luxemburgo que a Estônia unir-se-ia à zona euro em 1 de janeiro de 2011.[24] Em 13 de julho de 2010, a Estônia recebeu a aprovação do Conselho de Ministros das Finanças da UE (ECOFIN) para a adoção do euro por parte deste país.

Letônia[editar | editar código-fonte]

A Letônia é um membro da União Europeia desde 1 de maio de 2004, e é também um membro da União Económica e Monetária da União Europeia. A sua moeda corrente, o lats letão, faz parte do MTC II, e a sua taxa de conversão flutua dentro de um limite de 15% para mais ou para menos do valor acordado de 0,702804 lats = 1 euro. A Letónia tinha originalmente planejado adotar o euro em 1 de janeiro de 2008, mas não será capaz de realizar a mudança antes de 2012,[25] embora o chefe do Banco Nacional da Letónia tivesse sugerido que o ano de 2013 seria uma data mais realista.[26] O ano de 2013 foi mais tarde praticamente descartado depois da declaração do banco central da Letónia sobre a impossibilidade de se adotar o euro antes de 2014.[27] Após o cumprimento dos critérios necessários para adotar o Euro, a Letônia recebeu o aval da UE para substituir sua moeda, o lats. No dia 1º de Janeiro a Letônia irá oficialmente usar o Euro como sua moeda, tornando-se assim o 18º membro da Zona do Euro.

Membros do MTC II[editar | editar código-fonte]

Adoção do euro pelos países-membros da UE
País Moeda corrente Código Taxa de
conversão
Data oficial
da adoção
Data esperada
da adoção
 Reino Unido Libra esterlina GBP * Derrogação Derrogação
 Bulgária Lev búlgaro BGN 1,95583 * *
 Croácia Kuna croata HRK * * 2019
 República Checa Coroa checa CZK * * 2018-2020
 Dinamarca Coroa dinamarquesa DKK 7,46038 Derrogação Derrogação
 Hungria Florim húngaro HUF * * *
 Lituânia Litas lituano LTL 3,4528 1 de Janeiro de 2015 2015
 Polónia Złoty polaco PLN * * *
 Roménia Leu romeno RON * * 2019
 Suécia Coroa sueca SEK * * *

Lituânia[editar | editar código-fonte]

O litas lituano faz parte do MTC II, e na prática, está vinculado ao euro a uma taxa de conversão de 3,4528 litai = 1 euro. A Lituânia originalmente queria a data de 1 de janeiro de 2007 como a data alvo para a mudança para o euro, mas o projeto lituano para a mudança foi rejeitado pela Comissão Europeia. O principal fator da rejeição foi o fato da inflação estar um pouco mais elevada do que a estabelecida pela UE.[28] Em dezembro de 2006, o governo lituano aprovou um novo plano de convergência, no qual reafirma que o governo da Lituânia deseja aderir à zona euro "o mais rápido possível". Porém, o governo também disse que o melhor período para a mudança só poderia ocorrer em 2010 ou depois, já que as previsões de inflação para 2007, 2008 e 2009 continuariam altas.[29] O primeiro-ministro lituano Gediminas Kirkilas disse em 4 de dezembro de 2007 que a Lituânia "será capaz de aderir à zona euro entre 2010 e 2011."[30]

Uma pesquisa de opinião publicada em janeiro de 2007 mostrou que são mais os lituanos opositores à adoção do euro do que os que são a favor.[28]

Contudo, de acordo com analistas do SEB bankas, da Lituânia, o país não será capaz de adotar o euro antes de 1 de janeiro de 2013, principalmente devido à alta inflação, que alcançou uma taxa anual de 11% em outubro de 2008, bem acima do critério estabelecido no Tratado de Maastricht, de 4,2%.[31]

A Lituânia será o próximo país da União Europeia a aderir a Zona do Euro, correspondendo ao 19º membro do grupo. As previsões governamentais indicam que no ano de 2015 a Lituânia adotará o Euro.

Dinamarca[editar | editar código-fonte]

A Dinamarca vinculou a coroa dinamarquesa ao euro a uma taxa de conversão de 7,46038 coroas = 1 euro (que varia 2,25% para mais ou para menos) e a coroa continua fazendo parte do MTC II. Em dezembro de 1992, a Dinamarca negociou várias cláusulas derrogativas do Tratado de Maastricht (Acordo de Edimburgo), que inclui a não adoção do euro como moeda corrente. Isto foi feito como resposta ao fato do Tratado de Maastricht ser rejeitado pelo povo dinamarquês, confirmado num referendo realizado mais cedo naquele ano. Como resultado das mudanças, o tratado foi finalmente ratificado num referendo realizado em 1993. Em 28 de setembro de 2000, outro referendo se realizou na Dinamarca sobre o euro, que teve como resultado a não adoção do euro, suportado por 53,2% dos votantes dinamarqueses.

Em 22 de novembro de 2007, o novo governo reeleito declarou a sua intenção de realizar um novo referendo sobre a abolição de quatro cláusulas derrogativas, incluindo o euro, em 2011.[32] Uma pesquisa de opinião aconteceu entre 31 de março e 2 de abril de 2008, tendo como resultado a adoção do euro sendo apoiada pela maioria dos dinamarqueses.[33]

Com as consequências da Crise económica de 2008, as Ilhas Faroe, dependência autónoma da Dinamarca, cogitaram a hipótese da adoção do euro de forma independente da Dinamarca. As Ilhas Faroe justificariam o uso do euro com base do acordo financeiro entre as ilhas e a Dinamarca, que seria semelhante aos acordos estabelecidos entre os microestados e os países que usam o euro. Com isso, as Ilhas Faroe estariam autorizados pela UE a usar o euro e a cunhar as suas próprias moedas, embora não tivesse poder político dentro da zona euro.[34]

Obrigados a aderir[editar | editar código-fonte]

Os seguintes membros devem primeiro aderir ao MTC II antes de adotarem o euro:

Bulgária[editar | editar código-fonte]

O lev búlgaro não faz parte do MTC II, mas está vinculado ao euro a uma taxa de conversão de 1,95583 levs = 1 euro desde o seu lançamento. Anteriormente, o lev búlgaro estava vinculado ao marco alemão. Portanto, a Bulgária já completou a grande maioria dos critérios dos membros da União Económica e Monetária da União Europeia (EMU) e deve completar, a partir de 2009, os critérios do Tratado de Maastricht para aderir à zona euro em 2012, ano alvo definido pelo ministro búlgaro das finanças Plamen Oresharski.[35]

Enquanto que a taxa de conversão fixa entre o lev e o euro tem sido benéfica ao país, completando boa parte dos critérios estabelecidos pela EMU bem antes do previsto,[36] a taxa de conversão fixa tem sido um incómodo para a economia búlgara. O primeiro-ministro disse que a Bulgária quer manter a taxa de conversão atrelada ao euro até a adoção do mesmo. Porém, fatores, tais como a alta inflação, uma taxa de conversão ao euro não realista e a baixa produtividade do país têm afetado negativamente o sistema económico nacional.[37]

A Bulgária completa três critérios para se juntar à zona euro, mas falha em dois. A tentativa da mudança para o euro não é completada devido à instabilidade dos preços. A inflação búlgara anual em março de 2008 alcançou 9,4%, bem acima dos 4,2% estabelecidos pelo Tratado de Maastricht.

Pelo outro lado, a Bulgária completa o critério do orçamento nacional, que prevê que o défice não deverá exceder 3% do PIB búlgaro.

A Bulgária também se enquadra dentro do critério da dívida pública, que se encontra abaixo dos 60% definidos pelo Tratado de Maastricht. A dívida governamental está caindo consistentemente, que caiu de 50% para apenas 18% em 2007. Espera-se que a dívida pública caia para apenas 11% do PIB em 2009.[38]

Algumas análises recentes indicam que a Bulgária não será capaz de se juntar à zona euro antes de 2015, principalmente devido à alta inflação e às repercussões da crise económica de 2008.[39] Porém, o governo búlgaro está considerando a introdução unilateral do euro, o que não é bem-vindo segundo a Comissão Europeia.[40]

No entanto, a Bulgária iria aderir ao MTC II, e assim adotar o euro futuramente, em novembro de 2009, mas a decisão foi adiada para janeiro de 2010.[41]

República Checa[editar | editar código-fonte]

A República Checa está de modo similar obrigada pelo Tratado de Adesão de 2003 a aderir à zona euro a um certo ponto, mas não se espera que isto venha a ocorrer de maneira rápida. A coroa checa não faz parte do MTC II. Desde que a República Checa aderiu à UE em 2004, tem adotado uma política fiscal e monetária que tem como objetivo o alinhamento do país com as condições macroeconómicas do restante da União Europeia. Atualmente, a questão mais difícil de ser resolvida é o grande défice fiscal checo. Originalmente, a República Checa queria aderir ao MTC II em 2008 ou em 2009, mas o governo atual disse que o ano de 2010 seria o ano alvo para a adesão, e disse que o país não se enquadraria dentro do critério económico antes disso. Foi sugerido que o ano de 2013 seria o ano marcado para a transição da moeda. Embora o país esteja economicamente mais bem posicionado do que outros membros da UE no que diz respeito à adesão à zona euro, não se espera que o país troque a sua moeda pelo euro antes de 2015 devido a relutâncias políticas nesta questão.[42]

Em 1 de janeiro de 2009, o primeiro-ministro checo Mirek Topolánek anunciou que 1 de novembro de 2009 será a data quando o governo irá determinar a data alvo para adesão à zona euro,[43] mas o ministro das finanças daquele país disse que a República Checa poderia adotar o euro já em 2013.[44]

Hungria[editar | editar código-fonte]

O governo húngaro, que anteriormente tinha marcado a adesão do país à zona euro em 2010, cancelou os seus planos. A maior parte dos estudos financeiros, tais como aqueles produzidos pela Standard & Poor's e pela Fitch Ratings, sugerem que a Hungria não será capaz de adotar o euro antes de 2011 ou 2012, devido ao alto défice, que em 2006 excedeu 10% do PIB. Por outro lado, o défice caiu para 5% no final de 2008, e poderá alcançar apenas 3,8%. De acordo com o Reuters, o diretor do Banco Central Húngaro, Andras Simor, espera se reunir com o governo húngaro durante a primeira metade de 2009 para discutir a adoção do euro. O ministro das finanças da Hungria disse que o país poderia começar a discutir sobre a sua adesão ao MTC II no fim de 2009, e à zona euro em 2013 ou 2014.[44]

Polónia[editar | editar código-fonte]

A Polónia está obrigada pelo Tratado de Adesão de 2003 a aderir à zona euro em algum ponto, mas indicações atuais dizem que isto não será possível por pelo menos alguns anos, até que a economia polonesa se enquadre com os critérios estabelecidos. O złoty polaco não faz parte do MTC II, sendo isto um requerimento obrigatório para que um país se junte à zona euro.

Em 10 de setembro de 2008, falando na abertura de um fórum económico no resort polaco de Krynica-Zdrój, o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, anunciou que o objetivo governamental dominante é a adesão à zona euro em 2012 através de um referendo a ser realizado em 2010, que poderá ser aprovado pelo Banco Central Europeu em 2011.[45] [46] [47] Porém, a constituição polonesa terá que ser mudada antes.[48] Além disso, para a Polónia aderir à zona euro em 2011, o país terá que aderir ao MTC II antes do segundo trimestre de 2009.[49] Devido a todos estes empecilhos, o ano de 2011, ano alvo estabelecido pelo governo polaco para a adesão ao euro, não é realista, segundo especialistas económicos.

Roménia[editar | editar código-fonte]

A Roménia planeja que a sua moeda corrente, o leu romeno, será substituído pelo euro quando o país atender todos os critérios de convergência do euro. Segundo o governo romeno, o euro estará em circulação no país a partir de 2014.[50]

Suécia[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Tratado de Adesão de 1994,[51] aprovado por referendo (com 52% dos votantes a favor do tratado), a Suécia terá que aderir à zona euro, em algum momento, quando os critérios de convergência forem cumpridos. Porém, em 14 de setembro de 2003, 56% dos suecos rejeitaram a adoção do euro num referendo.[52] O governo sueco tem argumentado que não adotar o euro é legal, já que um dos requerimentos para a adesão ao euro é ter aderido ao MTC II por pelo menos dois anos; ao simplesmente escolher a não adesão ao MTC II, o governo sueco está provendo um meio formal de evitar as obrigações de adotar o euro. Alguns grandes partidos políticos suecos continuam a acreditar que o interesse real dos suecos é o desejo da adesão ao euro, mas que mesmo aqueles que são a favor da adesão ao euro preferem acreditar no resultado geral do referendo, o que dificulta a entrada da questão em discussões futuras.

Antes das eleições parlamentares de setembro de 2006, todos os grandes partidos políticos concordaram não colocar a questão do euro antes das próximas eleições parlamentares (que deverá ocorrer em setembro de 2010). Os partidos políticos parecem concordar que a Suécia não irá adotar o euro antes que um segundo referendo. Porém, o primeiro-ministro sueco disse em dezembro de 2007 que não haverá outro referendo a menos que a opinião pública o suporte.[53] As pesquisas de opinião têm mostrado um suporte estável ao "não". Porém, nas últimas pesquisas, o resultado está incerto, com 48% continuando a apoiar o "não", mas 44% apoiam o "sim", tendo 6% indecisos.[54]

Croácia[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Banco Central Europeu, a Croácia deverá aderir ao MTC II em 2016, assim podendo adotar a moeda única em 2019. Atualmente, no ano de 2014, a Croácia completa dois dos cinco critérios de convergência ao Euro.

Não obrigados a aderir[editar | editar código-fonte]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Além da Dinamarca (ver mais acima), o Reino Unido também não é obrigado a aderir. A moeda corrente britânica é a libra esterlina e o país tem uma derrogação dos membros da UE. O governo do ex-primeiro-ministro britânico, Tony Blair, montou "cinco testes económicos" que devem ser superados antes de o Reino Unido ser recomendado a aderir ao euro; e sinalizou um possível referendo público para se verificar, juntamente com os membros decisórios, a possível aprovação dos cinco testes económicos. Além do critério nacional interno, o Reino Unido deverá atingir os critérios económicos de convergência da economia da UE (critérios estabelecidos pelo Tratado de Maastricht), antes de adotar o euro. Em 2008, o Reino Unido já atingiu todos os critérios da adesão ao euro, exceto a permanência do país no MTC II.

O Reino Unido redesenhou a maior parte das suas moedas em 2008. Segundo o jornal alemão Der Spiegel, isto é uma indicação que o Reino Unido não tem a intenção de adotar o euro tão brevemente.[55] Embora estivesse numa recente contradição, o comissário europeu, José Barroso, disse a uma rádio francesa que os políticos britânicos estavam considerando a mudança devido aos efeitos da crise global de crédito.[56] Em fevereiro de 2009, o Comissário dos Assuntos da Política Monetária, Joaquín Almunía, disse que "A hipótese da libra esterlina ser substituída pelo euro seria alta".[57] As Bases Britânicas Soberanas de Akrotiri e Dhekelia introduziram o euro ao mesmo tempo em que o Chipre, em 1 de janeiro de 2008, já que as bases soberanas usavam anteriormente a libra cipriota. Porém, as bases não cunham moedas separadamente.

Sumário do progresso de adoção[editar | editar código-fonte]

Os novos países-membros da UE devem adotar o euro o mais rapidamente possível, assim que se enquadrarem dentro dos critérios estabelecidos. Para estes novos Estados-membros, a moeda única é "parte do pacote" dos participantes da UE. Excetuando-se o Reino Unido e a Dinamarca, que têm derrogações, a escolha de não aderir certos requisitos, tais como a adesão ao euro, não são permitidos.

É esperado que os países remanescentes adiram ao terceiro estágio do EMU e que adiram ao euro de forma e em datas variadas: a Lituânia poderá adotar o euro em 2013, a Estónia em 2011, a Bulgária e a Polónia em 2012, e 2014 para a Roménia e Letónia. A República Checa originalmente iria adotar o euro em 1 de janeiro de 2010, mas isso ficou impraticável devido à situação económica do país. Uma nova data ainda não foi determinada, mas a adesão do país ao euro não deverá acontecer antes de 2015. A Hungria também abandonou o ano de 2010 como ano alvo para a entrada do país na zona euro, e uma nova data ainda não foi determinada.

Em 16 de maio de 2006, a Comissão Europeia recomendou que a Eslovénia poderia ser um novo membro da zona euro. Menos de um ano depois, a Eslovénia aderiu ao euro. Em maio de 2007, a Comissão Europeia também recomendou o mesmo para Chipre e Malta, e a adesão dos países ao euro aconteceu em 1 de janeiro de 2008. Em 7 de maio de 2008, a Comissão Europeia também recomendou o mesmo para a Eslováquia, que se juntou à zona euro em 1 de janeiro de 2009.

Mostrar a habilidade de se adequar aos requisitos da União Económica e Monetária da União Europeia é um dos requisitos exigidos pelos "membros estabelecidos da UE" para que um país que deseje aderir ao euro possa efetivamente realizar o seu desejo. O Banco Central Europeu e a Comissão Europeia produzem a cada dois anos relatórios de análise da economia e de outras condições dos membros da UE que não são membros da zona euro. Nos relatórios, são mencionados a capacidade económica dos países não-membros que desejam aderia à zona euro. A primeira publicação desta natureza, que mostrou a situação financeira de dez países candidatos foi publicada em outubro de 2004.[58]

Atualmente o mais próximo país a aderir a ao Euro é a Lituânia, que dos cinco critérios para a adoção, três já foram concluídos, tendo o governo a perspectiva de adotar a moeda única em 2015, sendo o último país báltico a fazer parte da Eurolândia.

 Lituânia  Polónia  Bulgária  Hungria
Entrada para o MTC II 28 de junho de 2004 Esperado para 2009 Esperado para 2009 Esperado para 2009 ou 2010[59]
Instituição coordenadora Comissão para a Coordenação da Adoção do euro na Lituânia, criado em 30 de maio de 2005 Não há Não há O trabalho preparatório está em andamento no Ministério das Finanças e no Banco Central da Hungria
Plano nacional de mudança aprovado A primeira versão aprovada pelo governo lituano em 27 de setembro de 2005 Ainda não aprovado
Tipo de cenário Big Bang Big Bang Big Bang com algumas características próprias
Período de dupla circulação 15 dias 1 mês
Troca da moeda nacional Não há posição governamental Não há posição governamental Banco Central da Letónia, período indefinido
Preços duplos 60 dias antes e depois da entrada do euro
Cunhagem e impressão próprias Sim Sim Sim Sim
Moedas com características nacionais Aprovado Consideração mediante consulta pública Ainda não decidido Ainda não decidido
Número de diferentes designers da moeda do euro 3 Não decido ainda Não decidido ainda Não decidido ainda
Quantidade necessária de cédulas e moedas Não decidido ainda Não decidido ainda Não decidido ainda 87 milhões de cédulas e 300 milhões de moedas
Adaptações legais Lei-esboço sobre a adoção do euro está preparada Não decidido ainda Não decidido ainda Não decidido ainda
Estratégia de comunicação Endossada pelo governo lituano em 27 de setembro de 2005 Não decidido ainda Não decidido ainda Não decidido ainda
 República Checa  Roménia  Suécia  Dinamarca  Reino Unido
Data alvo para a adoção do euro Não antes de 2015 1 de janeiro de 2014[60] Não está sob consideração Referendo sobre a adoção do euro a ser realizado Não está sob consideração
Entrada no MTC II Não definido Não antes de 2012 Não está sob consideração 1 de janeiro de 1999 Não está sob consideração
Instituição coordenadora Não definido Grupo de Trabalho Interinstitucional MoF-NBP Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Plano nacional de mudança aprovado Aprovado em 11 de abril de 2007 Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Tipo de cenário Big-Bang Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Período de dupla circulação Não definido Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Troca da moeda nacional Não definido Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Preços duplos 5 meses antes da adoção e
12 meses após
Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Cunhagem e impressão próprias Sim Sim Não está sob consideração Se aprovado em referendo, sim Não está sob consideração
Moedas com características nacionais Competição sob consideração Não definido Não está sob consideração Não definido Não está sob consideração
Número de diferentes designers da moeda do euro Não definido Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Quantidade necessária de cédulas e moedas 230 milhões de cédulas e 950 milhões de moedas Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Adaptações legais Não definido Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração
Estratégia de comunicação Não definido Não definido Não está sob consideração Não está sob consideração Não está sob consideração

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Comissão Europeia. Zona euro (em português). Página visitada em 17 de janeiro de 2011.
  2. a b Comissão Europeia. A adopção do euro (em português). Página visitada em 17 de janeiro de 2011.
  3. a b Commission hails approval of the adoption of the Euro in Cyprus and Malta (em inglês). Comissão Europeia (10/07/2007). Página visitada em 24/12/2007.
  4. Rettman, Andrew (13/02/2007). Small EU states rush to join single currency (em inglês). Página visitada em 25/01/2009.
  5. a b Cyprus and Malta set to join eurozone in 2008 (em inglês). Euractiv.com (16/05/2007). Página visitada em 25/01/2009.
  6. a b Cyprus and Malta to adopt euros (em inglês). BBC News (10/07/2007). Página visitada em 13/08/2007.
  7. Theodoulou, Michael (27/12/2007). Euro reaches field that is for ever England (em inglês). Times Online. Página visitada em 27/12/2007.
  8. Kubosova, Lucia (27/02/2007). Malta's Euro bid may test EU public debt criteria (em inglês). euobserver.com. Página visitada em 25/01/2009.
  9. Slovak Euro exchange rate is set (em inglês). BBC News (08/07/2008). Página visitada em 27/10/2008.
  10. NBS Preparing to Withdraw and Destroy Koruna Notes and Coins (em inglês).
  11. Most Danes want Euro, Slovakia bids for 2009 eurozone entry (em inglês).
  12. Slovakia gets green light to join Euro zone in 2009 (em inglês). Reuters (07/05/2008). Página visitada em 02/01/2009.
  13. Slovakia Secures Commission Approval for Euro Entry (em inglês).
  14. Slovakia won EU and ECB backing to adopt euro.
  15. ECB Press Release of May 7, 2008 (em inglês).
  16. Slovakia joins Euro family (em inglês). Xinhua.net (01/01/2009). Página visitada em 01/01/2009.
  17. Estonia set to switch to Euro on 1 January (em inglês).
  18. Estonian manor halls. Taagepera/361-16.08.06 (em inglês). Eesti Post. Página visitada em 12/09/2006.
  19. Government: We must be technically prepared for the adoption of euro on 1 January 2008 (em inglês). Eesti Pank. Bank of Estonia (27/04/2006). Página visitada em 12/09/2006.
  20. Estonia's National Changeover Plan (em inglês). Bank of Estonia. Página visitada em 02/01/2009.
  21. Non, nein, no: Europe turns negative on the euro, The Times, 31/12/2006, Acessado em 01/01/2007
  22. Estonia raises inflation forecast, further dimming euro entry. (em inglês). Budapest Business Journal. Página visitada em 30/04/2007.
  23. Estonia aims strongly to join the eurozone in 2011. (em inglês). Página visitada em 14/03/2008.
  24. Estonia to Join Euro 1 January 2011
  25. Don’t look for the Euro until after 2012 (em inglês). New Europe (18/08/2007). Página visitada em 227/12/2007.
  26. Bank targets 2013 as Latvia’s ‘E-day’ (em inglês). baltictimes.com (26/10/2007). Página visitada em 28/10/2007.
  27. Euro in 2014 "at the earliest", says Latvian central bank (em inglês). Monster Sand Critics (09/07/2009). Página visitada em 16/12/2009.
  28. a b Angus Reid Global Monitor (02/01/2007). Lithuanians Divided on Euro Adoption (em inglês). Página visitada em 09/01/2008.
  29. Adoption of the Euro in Lithuania (em inglês). Banco da Lituânia. Página visitada em 11/01/2007.
  30. Lithuanian PM says aiming for Euro by 2010-2011 (em inglês). Forbes (12/04/2007). Página visitada em 03/01/2008. Cópia arquivada em 2008-02-09.
  31. Pavilenene, Danuta (08/12/2008). SEB: no Euro for Lithuania before 2013 (em inglês). The Baltic Course. Página visitada em 21/12/2008.
  32. Danes to hold referendum on relationship with EU (em inglês). Guardian Unlimited (22/11/2007). Página visitada em 22/11/2007.
  33. Majority of Danes favour adopting euro (em inglês).
  34. Løgtingsmál nr. 11/2009: Uppskot til samtyktar um at taka upp samráðingar um treytir fyri evru sum føroyskt gjaldoyra (pdf) (em faroês). Long Time.fo. Página visitada em 16/12/2009.
  35. Bulgaria's budget of reform. The Sofia Echo (30/11/2007). Página visitada em 03/01/2008.
  36. Bulgaria could join Euro zone ahead of other eu countries (em inglês).
  37. said to pressure Bulgaria into discontinuing currency board. (em inglês).
  38. The Sofia Echo (em inglês). Página visitada em 17/05/2008.
  39. Bulgaria’s Eurozone accession drifts away (em inglês). Página visitada em 25/11/2008.
  40. ЕК: Не приемаме никакви едностранни решения за въвеждане на еврото (em Búlgaro). Evropa.dnevnik.bg (05/12/2008). Página visitada em 21/12/2008.
  41. Expert puts unilateral Euro adoption back on the table (em inglês). Sofia Echo.com. Página visitada em 16/12/2009.
  42. Euros in the wallets of the Slovaks, but who will be next?. Sparkasse.at (05/08/2008). Página visitada em 21/12/2008.
  43. Czech government to set Euro adoption date on November 1 - Summary (em inglês). Earth Times. Página visitada em 16/12/2009.
  44. a b FACTBOX-Where Eastern Europeans stand on Euro adoption (em inglês). Thomson Financial Times. Forbes.com (22/01/2009). Página visitada em 16/12/2009. Cópia arquivada em 2011-06-04.
  45. Poland may hold Euro referendum in 2010-Deputy PM (em inglês). Forbes. Página visitada em 19/09/2008. Cópia arquivada em 2010-06-03.
  46. Poland may push back Euro rollout to 2012 (em inglês). World of Coins. Página visitada em 19/09/2008.
  47. Poland may push back Euro rollout to 2012 (em inglês). BizPoland. Página visitada em 19/9/2008.
  48. Polish charter must change before ERM-2 (em inglês). www.fxstreet.com. Página visitada em 25/09/2008.
  49. Poland will have to join ERM-2 at latest in Q2 2009 (em inglês). Forbes. Página visitada em 26/09/2008. Cópia arquivada em 2011-05-24.
  50. Fifth Report on the Practical Preparations for the Future Enlargement of the Euro Area (em inglês). Commission of the European Communities (16/07/2007). Página visitada em 6 January 2009.
  51. European Union Agreement Details (em inglês). Council of the European Union. Página visitada em 26/12/2008.
  52. Folkomröstning 14 september 2003 om införande av euron (em sueco). Autoridade Eleitoral Sueca. Página visitada em 02/02/2008.
  53. Glöm euron, Reinfeldt (em inglês). Aftonbladet (02/12/2007). Página visitada em 03/02/2008.
  54. Swedish support for joining eurozone swells as krona shrivel (em inglês). Euro Information Website (03/12/2008). Página visitada em 26/12/2006.
  55. Make Way for Britain's New Coin Designs (em inglês). Página visitada em 17/05/2008.
  56. No 10 denies shift in Euro policy (em inglês). BBC. Página visitada em 1 December 2008.
  57. "UPDATE 1-EU's Almunia: high chance UK to join Euro in future" (em inglês). In.reuters.com (02/02/2009). Página visitada em 02/02/2009.
  58. Convergence Report (em inglês). European Central Bank (2006). Página visitada em 12/09/2006.
  59. Online Financial Journal (em inglês). Portfolio.hu. Página visitada em 27/10/2008.
  60. Romania Plans to Adopt Euro in 2014 (em inglês). Página visitada em 25/01/.


Símbolo do euro Moedas em circulação na União Europeia
Tópicos Zona Euro · Banco Central Europeu · Unidade Monetária Europeia · Moedas de euro
Euro Adotado UE: Alemanha · Áustria · Bélgica · Chipre · Eslováquia · Eslovénia · Espanha · Estónia · Finlândia · França · Grécia · Irlanda · Itália · Letónia · Luxemburgo · Malta · Países Baixos · Portugal    Não-UE: Mónaco · São Marino · Vaticano

Bulgária · Hungria · Lituânia · Polónia · Rep. Checa · Roménia

Não-UE: Andorra · Kosovo · Montenegro

Futuro
Outras
Denominação Moedas €0,01 · €0,02 · €0,05 · €0,10 · €0,20 · €0,50 · €1 · €2 · €2 (comemorativa)

€5 · €10 · €20 · €50 · €100 · €200 · €500

Cédulas
Moedas anteriores ao Euro Marco alemão (e antes também Marco alemão oriental) · Xelim austríaco · Franco belga · Libra cipriota · Coroa eslovaca · Tolar esloveno · Peseta espanhola (também circulava em Andorra) · Marco finlandês · Franco francês (também circulava em Andorra) · Dracma grego · Libra irlandesa · Lira italiana · Lats letão · Franco luxemburguês · Lira maltesa · Florim neerlandês · Escudo português · Coroa estoniana
Dentro da União Europeia, mas fora da Zona Euro Lev búlgaro · Florim húngaro · Litas lituano · Złoty polonês · Coroa checa · Leu romeno · Coroa dinamarquesa (em conjunto com a Coroa feroesa) · Libra esterlina · Coroa sueca · Kuna croata