Alauíta (estado)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estado Alauíta
دولة العلويين
État des Alaouites

Mandato da Liga das Nações
(França)

Flag of France.svg
1920 – 1936 Flag of Syria (1932-1958; 1961-1963).svg

Bandeira de Alauíta

Bandeira

Continente Ásia
Região Oriente Médio
País Síria
Capital Lataquia
Religião Alauíta
Governo Não especificado
Período histórico período entre-guerras
 • 1918 ocupação francesa
 • 2 de setembro de 1920 Fundação
 • 1923 declaração de estado
 • 1930 Nomeado "Governo de Lataquia"
 • 3 de dezembro de 1936 Dissolução

O Território Alauíta (em árabe: دولة جبل العلويين, Dawlat Ǧabal al-ʿAlawiyyīn), também conhecido em francês como Alaouites, conforme a seita xiita localmente dominante dos alauíta; foi um território francês após a Primeira Guerra Mundial, na área costeira da atual Síria.[1]

O Mandato francês, autorizado pela Liga das Nações, durou de 1920 até 1946.[2]

O uso do termo 'Alauíta', em vez de 'Nusayri', foi defendido pelos franceses no início do período de seu mandato, e se refere a um membro da seita religiosa Alauíta, e em 1920, tornou-se o nome da região que os franceses chamavam de "Território Alauíta", que abrigava uma grande população de muçulmanos desta seita.[3]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa geográfico da região alauíta

A região era costeira e montanhosa, e lar de uma população majoritariamente rural, altamente heterogênea. Durante o período de mandato francês, a sociedade foi dividida pela religião e pela geografia: as famílias de latifundiários da cidade portuária de Lataquia e 80% da população da cidade, eram sunitas muçulmanos. No entanto, mais de 90% da população da província era rural e os alauítas totalizavam 62% destes.[3]

História[editar | editar código-fonte]

1918-1920[editar | editar código-fonte]

O colapso do Império Otomano no final da Primeira Guerra Mundial (com o armistício de 11 de novembro de 1918) criou uma corrida para tomar o controle de várias províncias do império desintegrado. A partir de 1918, a França ocupou tanto o Líbano e a Síria, sob a liderança do Amir (Emir), Faisal I.[3] Em 1920, o crescente sentimento anti-francês dentro do regime levou à criação formal do Reino Árabe da Síria, sob o rei Faisal I, [4] em 7 de março de 1920. O Reino Árabe da Síria foi inicialmente apoiado pelos britânicos, apesar do protesto francês.[2] Os britânicos retiraram o apoio, no entanto, e em 5 de maio de 1920, o Conselho Supremo Aliado publicou um mandato em que a Síria e o Líbano passariam sob o controle da República Francesa.[4] e que o francês e o árabe seriam os idiomas oficiais. O General Gouraud foi nomeado Alto Comissário dos territórios e Comandante-em-chefe das forças francesas estacionadas lá.[4]

A população do Líbano era decididamente pró-francesa e a da Síria anti-francesa com uma inclinação nacionalista pan-árabe e preocupada que a minoria cristã no país fosse favorecida.[4] A França insistiu que o mandato não era "inconsistente" com o auto-governo sírio; e estes foram forçados a aceitar a inevitabilidade do mandato francês, e o rei Faisal deixou o país sob pressão francesa em julho de 1920[4] após a Grã-Bretanha retirar o apoio ao seu governo em face das reivindicações francesas.[2]

1920-1922[editar | editar código-fonte]

No início de setembro de 1920, a França dividiu os territórios sob seu mandato com base na população heterogênea, em um esforço pela "autonomia local" das diversas etnias.[4] No entanto, alguns argumentam que os franceses agiram em seus próprios interesses, com a intenção de dividir a população, e assim limitar a propagação do "contágio urbano de agitação nacionalista".[2] Em 2 de setembro de 1920 o "Território dos Alauítas" foi criado com a justificativa de ser religiosamente distinto da população sunita ao redor, sendo uma divisão destinada a proteger os alauítas de maiorias mais poderosas.[4]

Muitos jovens das comunidades rurais alauítas ingressaram nas tropas francesas, se alistando nas "trupes speciales", um subconjunto das forças francesas na Síria".[5] Essas tropas eram forças regionais, recrutadas de populações minoritárias, e muitas vezes usadas para acabar com distúrbios civis.[6]

1927-1936[editar | editar código-fonte]

O Estado Alauíta foi administrado por uma sucessão de governadores franceses de 1920 a 1936.[3] Os proprietários de terra, em sua maioria sunitas residentes nas áreas urbanas da província, eram partidários da unidade com a Síria, no entanto, os franceses eram apoiados pelas numerosas comunidades rurais alauítas.[3]

Em 1930, o Estado Alauíta foi rebatizado de "Governo de Lataquia", a única concessão feita pelos franceses aos nacionalistas árabes até 1936.[3] Em 3 de dezembro de 1936 (em vigor em 1937), o Estado Alauíta foi reincorporado a Síria, uma concessão pelos franceses para o Bloco Nacionalista, o partido no poder do governo semi-autônomo da Síria.[7]

Havia um forte sentimento separatista alauíta na região, mas estes pontos de vista políticos não foram coordenados, isto foi atribuído à maioria dos alauítas serem de camponeses "explorados" por uma classe latifundiária predominantemente sunita residente em Lataquia e Hama,[3] havendo também uma grande sectarismo entre as tribos alauítas.

1945 – presente[editar | editar código-fonte]

Atual distribuição dos Alauítas no Oriente Medio

População[editar | editar código-fonte]

Censo de 1923 no território Alauita[4]
Alauíta Sunita Ismaelita Cristão
População 101,000 94,000 5,000 34,000
População em 1943 no território de Lataquia[3]
Lataquia, capital urbana, total rural, total
População 36,687 41,687 410,820

Governadores Franceses[editar | editar código-fonte]

Um aeroplano (indicando airmail) com o nome "ALAOUITES" em selo de 10-piastre da Siria
  • 2 de Setembro de 1920 - 1922 Coronel Niéger
  • 1922 Gaston Henri Gustave Billotte (b. 1875 - d. 1940)
  • 1922 - 1925 Léon Henri Charles Cayla (b. 1881 - d. 1965)
  • 1925 - 5 de dezembro de 1936 H. Schoeffler

Selos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Alawite Territory (Sanjak of Latakia 1920-1936), From [1]
  2. a b c d Provence, Michael. "The Great Syrian Revolt and the Rise of Arab Nationalism." Austin: University of Texas Press, 2005.
  3. a b c d e f g h Khoury, Philip S. "Syria and the French Mandate: The Politics of Arab Nationalism, 1920-1945." Princeton: Princeton University Press, 1987.
  4. a b c d e f g h Longrigg, Stephen Hemsley. "Syria and Lebanon Under French Mandate." London: Oxford University Press, 1958.
  5. Rabinovich, Itamar. "The Compact Minorities and the Syrian State, 1918-45." Journal of Contemporary History, Vol.14, No.4: 693-712. Oct, 1979.
  6. Burke, Edmund, III. "A Comparative View of French Native Policy in Morocco and Syria, 1912-1925." Middle Eastern Studies, Vol. 9, No. 2: 175-186. Maio, 1973.
  7. Shambrook, Peter A. "French Imperialism in Syria, 1927-1936." Reading: Ithaca Press, 1998.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alauíta (estado)


  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Alawite State».