Alba Zaluar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde Março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alba Maria Zaluar
Alba em 2011
Nascimento 02 de junho de 1942
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasil
Ocupação Professora
Principais interesses Antropologia, sociologia

Alba Maria Zaluar (Rio de Janeiro) é uma antropóloga brasileira, com atuação na área de antropologia urbana e antropologia da violência.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha caçula de Achilles Emílio Zaluar e Biancolina Pinheiro Zaluar, Alba nasceu no Rio de Janeiro, onde estudou até completar a graduação em Ciências Sociais na Faculdade Nacional de Filosofia. Na FNFi a miltância política de seus estudantes fez fama, e neste período, Alba pertenceu ao Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes. Com o Golpe Militar de 1964 veio um período de perseguição política, marcado na FNFi pela instauração de um Inquérito Policial Militar. Com isto, Alba deixa o país em 1965 e vive no exterior até 1971, a maior parte do tempo na Inglaterra, onde estudou Antropologia e Sociologia Urbana. Ao retornar, dedicou-se participativamente à cultura popular, especialmente às escolas de samba e ao carnaval do Rio. Desta interação resultaram duas teses: a de mestrado no Museu Nacional e a de doutorado na Universidade de São Paulo. A primeira abordou as festas de santo no catolicismo popular - “Os Homens de Deus.” E a segunda versou sobre as organizações recreativas e políticas dos trabalhadores pobres da cidade do Rio de Janeiro - “A Máquina e a Revolta.”

Atualmente, Alba é professora aposentada da Universidade Estadual de Campinas e professora titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde coordena o Núcleo de Pesquisas das Violências (NUPEVI), localizado no Instituto de Medicina Social.

Citações[editar | editar código-fonte]

Eu diria que temos motivos para otimismo porque não somos um país de guerreiros. (...) Nossos heróis são jogadores de futebol, sambistas e artistas. Somos um país que valoriza muito o espetáculo e que reconhece que o talento pode aparecer em qualquer classe social. Entrevista à Folha de São Paulo, 2004.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Cidadãos Não Vão ao Paraíso (1994)
  • Condomínio do Diabo (1996)
  • Da Revolta ao Crime S.A. (1996)
  • Um Século de Favela (1998)
  • A Máquina e a Revolta (1999)
  • Violência, Cultura, Poder (2000)
  • Integração Perversa: Pobreza e Tráfico de Drogas (2004)

Prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

Referências