Alba Zaluar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Alba Maria Zaluar
Alba em 2011
Nascimento 02 de junho de 1942
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasil
Ocupação Professora
Principais interesses Antropologia, sociologia

Alba Maria Zaluar (Rio de Janeiro) é uma antropóloga brasileira, com atuação na área de antropologia urbana e antropologia da violência.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha caçula de Achilles Emílio Zaluar e Biancolina Pinheiro Zaluar, Alba nasceu no Rio de Janeiro, onde estudou até completar a graduação em Ciências Sociais na Faculdade Nacional de Filosofia. Na FNFi a miltância política de seus estudantes fez fama, e neste período, Alba pertenceu ao Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes. Com o Golpe Militar de 1964 veio um período de perseguição política, marcado na FNFi pela instauração de um Inquérito Policial Militar. Com isto, Alba deixa o país em 1965 e vive no exterior até 1971, a maior parte do tempo na Inglaterra, onde estudou Antropologia e Sociologia Urbana. Ao retornar, dedicou-se participativamente à cultura popular, especialmente às escolas de samba e ao carnaval do Rio. Desta interação resultaram duas teses: a de mestrado no Museu Nacional e a de doutorado na Universidade de São Paulo. A primeira abordou as festas de santo no catolicismo popular - “Os Homens de Deus.” E a segunda versou sobre as organizações recreativas e políticas dos trabalhadores pobres da cidade do Rio de Janeiro - “A Máquina e a Revolta.”

Atualmente, Alba é professora aposentada da Universidade Estadual de Campinas e professora titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde coordena o Núcleo de Pesquisas das Violências (NUPEVI), localizado no Instituto de Medicina Social.

Citações[editar | editar código-fonte]

Eu diria que temos motivos para otimismo porque não somos um país de guerreiros. (...) Nossos heróis são jogadores de futebol, sambistas e artistas. Somos um país que valoriza muito o espetáculo e que reconhece que o talento pode aparecer em qualquer classe social. Entrevista à Folha de São Paulo, 2004.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Cidadãos Não Vão ao Paraíso (1994)
  • Condomínio do Diabo (1996)
  • Da Revolta ao Crime S.A. (1996)
  • Um Século de Favela (1998)
  • A Máquina e a Revolta (1999)
  • Violência, Cultura, Poder (2000)
  • Integração Perversa: Pobreza e Tráfico de Drogas (2004)

Prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

Referências