Alberto I da Bélgica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alberto I
Rei dos Belgas
Rei da Bélgica
Reinado 23 de dezembro de 1909
a 17 de fevereiro de 1934
Predecessor Leopoldo II
Sucessor Leopoldo III
Esposa Isabel da Baviera
Descendência
Leopoldo III da Bélgica
Carlos de Flandres
Maria José da Bélgica
Nome completo
Alberto Leopoldo Clemente Maria Meinrad
Casa Saxe-Coburgo-Gota
Pai Filipe, Conde de Flandres
Mãe Maria Luísa de Hohenzollern-Sigmaringen
Nascimento 8 de abril de 1875
Bruxelas, Bélgica
Morte 17 de fevereiro de 1934 (58 anos)
Marche-les-Dames, Bélgica
Enterro Igreja de Nossa Senhora de Laeken

Alberto I GCBTO (Bruxelas, 8 de abril de 1875Marche-les-Dames, 17 de fevereiro de 1934) foi o terceiro rei dos belgas.

Nascido Albert Léopold Clément Marie Meinrad, ele era o filho mais jovem do conde de Flandres e sucedeu seu tio paterno, Leopoldo II, ao trono. Seu avô, Leopoldo I, tinha sido o primeiro rei dos belgas. Sua tia, a primeira princesa da Bélgica, foi também a imperatriz do México.

Apaixonado de alpinismo e autor de diversas ascensões importantes, morre num acidente de montanha em Marche-les-Dames.

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de outubro de 1900, o então príncipe Alberto desposou a duquesa Elizabeth da Baviera, filha de Carlos Teodoro, duque da Baviera e de sua segunda esposa, a infanta Maria José de Bragança. Elizabeth era sobrinha da imperatriz "Sissi" da Áustria e neta do deposto rei D. Miguel I de Portugal.

Eles tiveram três filhos:

Rei dos belgas[editar | editar código-fonte]

O rei e seu filho mais velho, o futuro Leopoldo III.

Com a morte de seu irmão mais velho, o príncipe Balduíno da Bélgica, em 1891, Alberto tornou-se o terceiro na linha de sucessão ao trono. Ele foi titulado conde de Flandres (e herdeiro presuntivo do trono belga) após a morte de seu pai, em 1905.

Em dezembro de 1909, o rei Leopoldo II faleceu, tornando Alberto, aos trinta e quatro anos de idade, o novo monarca.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Alberto I assumiu o comando do exército belga para defender seu país da invasão alemã, resistindo até o Reino Unido e a França se prepararem para a primeira batalha do Marne, em setembro de 1914.

"Eu governo uma nação, e não uma estrada", disse o rei em resposta aos alemães, que desejavam mover seus soldados através da Bélgica. Conduziu seu exército ao cerco da Antuérpia e à batalha de Yser.

Ao final da guerra, retornou ao seu território como comandante do Grupo Flandres, que consistia em divisões belgas, britânicas e francesas. Foi saudado em Bruxelas como um herói nacional.

Em 1920, Alberto I foi o primeiro chefe de estado a visitar o Brasil, fato este que levou as autoridades brasileiras da época a efetuar preparativo em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Esta visita levou à criação, 1 ano depois da companhia belgo-mineira.

Alpinista[editar | editar código-fonte]

Alberto I manifestou durante toda a sua vida uma viva paixão pelo alpinismo on de tinha um preferência marcada pelo maciço do Monte Branco, do Valais na suíça e pela Dolomitas em Itália.A 29 de Agosto de 1930 ele inaugurou um novo refúgio de montanha do do glacier du Tour, o Refúgio Alberto I uma oferta do Clube alpino belga ao Clube alpino francês. Albert Ier deixou o seu nome à agulha Torre Re Alberto que é uma passagem terminal extremamente difícil.

Ascensões[editar | editar código-fonte]

Morte[editar | editar código-fonte]

O rei Alberto I morreu em um acidente de escalada, em Marche-les-Dames, na região de Ardenas.

Seu corpo foi enterrado no jazigo real, dentro da Igreja de Nossa Senhora do cemitério de Laeken.

Em 1935, Émile Cammaerts escreveu uma biografia de Alberto I.

Referências

  • Laurence Van Ypersele, Le Roi Albert, Histoire d'un mythe, Mons, éditions Labor, 2006, 532 p. (ISBN 2-8040-2176-9)
  • Gérard Bordes, Grande Encyclopédie de la Montagne, t. 1, Paris, Atlas, 1976, 2400 p


Precedido por
Leopoldo II
Rei da Bélgica
19091934
Sucedido por
Leopoldo III