Alberto Vojtěch Frič

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alberto Vojtěch Frič
Nascimento 18 de setembro de 1882
Praga
Morte 4 de dezembro de 1944 (62 anos)
Praga
Nacionalidade  Tchecoslováquia
Cônjuge etnógrafo e botânico

Alberto Vojtěch Frič (Praga, 18 de setembro de 1882 – Praga, 4 de dezembro de 1944) foi etnógrafo e botânico tcheco.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de advogado, era apaixonada pela botânica e a biologia em sua infância, cursando, em sua cidade natal, a Escola Média de Praga. Logo em seguida entrou na Escola Técnica Superior, no curso de Engenharia Civil, porém, interrompeu os estudos para fazer a primeira viagem para América do Sul, aos dezenove anos de idade. Em maio de 1901 atravessou o estado de São Paulo, descendo o Rio Tietê, até o Mato Grosso. Nesta viagem, manteve contato com índios Xavantes e em agosto deste mesmo ano retornou para Praga, levando consigo objetos indígenas, besouros, borboletas, sementes diversas, ovos de tartarugas, fumo, ágatas e muitas fotografias, que expos na maior loja de sua cidade nesta época: a U. Nováka1 .

Em 1903 iniciou sua segunda viagem ao continente sul-americano e desta vez seguiu o Rio Paraná até Assunção e logo após percorreu o Rio Pilcomayo até território boliviano. Em suas andanças por estes territórios, manteve contato com várias tribos de índios, sobretudo com índios Toba-Pilaga, Karraima e Sittegraiky. Novamente em território brasileiro, encontrou tribos como os Angaité e Sanapaná ou os Kaduveo (no Mato Grosso) e também os Chamakoko-Tunhará. Nesta segunda viagem, recolheu uma rica coleção etnográfica, além de alargar seu conhecimento pelos indígenas sul-americanos e ao retornar ao velho continente, fez várias conferências e publicou trabalhos científicos em diversas revistas dos Estados Unidos e Europa2 .

Em setembro de 1906, Fric visitou o Paraná a convite de Dario Vellozo quando ambos conheceram-se em Buenos Aires no Congresso do Livre-Pensamento e Maçônico. Logo que chegou a Curitiba, seguiu para Antonina com a finalidade de estudar os sambaquis. Em seguida, percorreu o Rio Ivaí, entrando em terras catarinenses para conhecer os índios Kaingáng3 .

Ainda retornou ao continente americano em 1910 para explorar terras argentinas e paraguaias, em 1923 no território mexicano, em 1926 e 1933 no Paraguai, Argentina e Bolívia4

Seu vasto conhecimento proporcionou a confecção de inúmeros livros e contribuições para revistas científicas da Europa e da América. Entre suas obras, encontramos os livros: "O kaktech a jejich narkotických účincích", "Čerwuiš aneb Z Pacheka do Pacheka oklikou přes střední Evropu", "Indiáni Jižní Ameriky (Sud-Amérindiens)", "Eine Pilcomayo Reise in den Chaco Central", "Contributions to the Study of the Bororo Indians", "Notes on the Mask-dances of the Chamacoco, Communicated by Paul Radin", entre outros.

Alberto Vojtěch Frič foi membro da Academia de Ciências de São Petersburgo e morreu no hospital Bulovka, em 4 de dezembro de 1944, em decorrência de uma infecção de tétano5 .

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. TREVISAN, 2002 - pág.221
  2. TREVISAN, 2002 - pág.223
  3. TREVISAN, 2002 - pág.218
  4. TREVISAN, 2002 - pág.259
  5. TREVISAN, 2002 - pág.268

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • TREVISAN, Edilberto. Visitantes Estrangeiros no Paraná. Curitiba: Ed. Chain, 2002. 334p.
Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.