Alberto da Costa e Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alberto da Costa e Silva Academia Brasileira de Letras
Nascimento 12 de maio de 1931 (83 anos)
São Paulo
Nacionalidade  Brasil - brasileiro
Ocupação Diplomata, poeta, ensaísta, memorialista e historiador
Prémios Prémio Camões (2014)

Alberto Vasconcellos da Costa e Silva (São Paulo, 12 de maio de 1931) é um diplomata, poeta, ensaísta, memorialista e historiador brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras e atual orador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Foi distinguido com o Prémio Camões de 2014.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filho do poeta Antônio Francisco da Costa e Silva e de Creusa Fontenelle de Vasconcellos da Costa e Silva.[2]

Formado pelo Instituto Rio Branco em 1957, Alberto da Costa e Silva serviu como diplomata em Lisboa, Caracas, Washington, Madrid e Roma, antes de ser embaixador na Nigéria e no Benim, em Portugal, na Colômbia e no Paraguai. Foi embaixador em Lisboa de 1989 a 1992, em Bogotá de 1992 a 1994 e em Assunção até 1995. Foi eleito para a cadeira 9 da Academia Brasileira de Letras, em 27 de julho de 2000. Foi presidente de entidade nos anos de 2002 e 2003.

Em 2004 foi escolhido pela União Brasileira de Escritores (UBE) como o "Intelectual do Ano".

Alberto da Costa e Silva é, também, académico correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.

Casado com Vera Queiroz da Costa e Silva, tradutora premiada pela tradução de O Mundo se Despedaça de Chinua Achebe.

Em 2014 recebe o Prêmio Camões pelo conjunto de sua obra.

Obras do autor[editar | editar código-fonte]

Como poeta[editar | editar código-fonte]

  • O parque e outros poemas, 1953
  • O tecelão, 1962
  • Alberto da Costa e Silva carda, fia, doba e tece, 1962
  • Livro de linhagem, 1966
  • As linhas da mão, 1978 (Prêmio Luísa Cláudio de Souza, do Pen Club do Brasil)
  • A roupa no estendal, o muro, os pombos, 1981
  • Consoada, 1993
  • Ao lado de Vera, 1997 (Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro)

[editar | editar código-fonte]

  • A enxada e a lança: a África antes dos Portugueses. Edições 2110/82
  • As relações entre o Brasil e a África Negra, de 1822 a 1° Guerra Mundial. Ed.3577
  • A manilha e o Libambo: A África e a Escravidão, de 1500 a 1700. Ed.2002.
  • Um Rio Chamado Atlântico, 2012
  • Francisco Félix de Souza, Mercador de Escravos. Ed.2004

Como ensaísta[editar | editar código-fonte]

  • O vício da África e outros vícios, 1989
  • Guimarães Rosa, poeta, 1992
  • Mestre Dezinho de Valença do Piauí, 1999
  • Castro Alves: um poeta sempre jovem, 2006

Como memorialista[editar | editar código-fonte]

  • Espelho do Príncipe, 1994.

Como organizador de antologias[editar | editar código-fonte]

  • Lendas do índio brasileiro , 1957, 1969, 1980 e 1992
  • A nova poesia brasileira, Lisboa, 1960
  • Poesia concreta, Lisboa, 1962
  • Da Costa e Silva, 1997
  • Poemas de amor de Luís Vaz de Camões, 1998
  • Antologia da poesia portuguesa contemporânea, com Alexei Bueno,1999
  • dirigiu e foi o principal redator da parte brasileira da Enciclopédia Internacional Focus, Lisboa, 1963-1968

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Carlos Chagas Filho
Lorbeerkranz.png ABL - quarto acadêmico da cadeira 9
2000 - atualidade
Sucedido por
Precedido por
Mia Couto
Prémio Camões
2014
Sucedido por
Alberto da Costa e Silva