Alberto de Mainz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alberto de Mainz
Cardeal da Santa Igreja Romana
Administrador apostólico de Halberstadt (1513)
Arcebispo de Magdeburgo (1513)
Arcebispo de Mainz (1514)
Alberto de Mainz. Retrato de Lucas Cranach, o Velho, 1526.

Título

Cardeal-presbítero de São Crisógono
Cardeal-presbítero de San Pietro in Vincoli
Ordenação e nomeação
Nomeado arcebispo 31 de agosto de 1513
Cardinalato
Criação 24 de março de 1518 pelo Papa Leão X
Lema Domine, dilexi decorem domus tuae
Dados pessoais
Nascimento Cölln
28 de junho de 1490
Morte Aschafemburgo
24 de setembro de 1545 (55 anos)
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Cardeal Alberto de Mainz, conhecido também como Alberto de Brandemburgo (em alemão: Albrecht von Brandenburg) (Cölln, 28 de junho de 1490Aschafemburgo, 24 de setembro de 1545) foi um arcebispo de Mainz (1514-1545) e de Magdeburgo (1513-1545), príncipe-eleitor do Sacro Império Romano-Germânico e administrador apostólico da diocese de Halberstadt.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Cölln, Alberto era o filho mais novo de João Cícero de Brandemburgo e de Margarida da Turíngia.

Após a morte de seu pai, Alberto e seu irmão mais velho, Joaquim I Nestor, se tornaram marqueses de Brandemburgo, em 1499, mas apenas seu irmão mais velho tinha o título de eleitor de Brandemburgo. Tendo estudado na universidade de Frankfurt an der Oder, Alberto ingressou na carreira eclesiástica, e em 1513, com a idade de vinte e três anos, tornou-se arcebispo de Magdeburgo e administrador apostólico da diocese de Halberstadt.

Em 1514, obteve o Eleitorado de Mainz, e em 1518 foi proclamado cardeal com vinte e oito anos de idade. Para pagar o pálio da Sé de Mainz e para quitar outras despesas da sua elevação, Alberto pediu 21.000 ducados para Jakob Fugger e obteve permissão do Papa Leão X para realizar a venda de indulgências na sua diocese para obter fundos para pagar este empréstimo, desde que metade de tudo que fosse arrecadado fosse enviada ao Papado. Um funcionário dos Fuggers, mais tarde, viajou no séquito do cardeal encarregado do cofre. Ele procurou os serviços de Johann Tetzel para vender as indulgências.

Isto deixou Martinho Lutero tão indignado que o levou a escrever suas famosas 95 Teses desencadeando a Reforma. Lutero as enviou a Alberto em 31 de outubro de 1517 e, tradicionalmente, afixou-as na porta da igreja do castelo em Wittenberg. Alberto transmitiu as teses a Roma, suspeitando-as de heresia. Quando a eleição imperial de 1519 se aproximava, o voto do eleitor foi avidamente solicitado pelos partidários de Carlos (mais tarde, o imperador Carlos V) e pelos de Francisco I, Rei da França, e parece que Alberto recebeu uma grande quantia em dinheiro para votar em Carlos.

As grandes e liberais ideias de Alberto, sua amizade com Ulrich von Hutten, e suas ambições políticas, parecem ter aumentado as esperanças de que seria conquistado pelo protestantismo; porém, após a guerra dos camponeses alemães de 1525, posicionou-se definitivamente a favor dos apoiadores do catolicismo, e esteve entre os príncipes que se reuniram em Dessau para combinar medidas para a sua defesa, em julho de 1525.

Sua hostilidade contra os reformistas, porém, não foi tão extrema quanto a de seu irmão Joaquim I, Eleitor de Brandemburgo; e parece ter-se empenhado na busca pela paz, embora fosse membro da Liga de Nuremberga, formada em 1538, para contra-atacar a Liga de Schmalkalden.

As novas doutrinas, no entanto, fizeram progressos consideráveis em seus domínios, e Alberto foi obrigado a garantir a liberdade religiosa aos habitantes de Magdeburgo, em troca de quinhentos mil florins. Durante seus últimos anos mostrou-se menos tolerante para com os protestantes, e favoreceu o ensino dos jesuítas em seus domínios.

Alberto adornou a igreja colegiada (Stiftskirche) em Halle an der Saale, e a Catedral de Mainz de forma suntuosa, e teve como lema as palavras Domine, dilexi decorem domus tuae (do latim: "Senhor, eu admirei o adorno de tua casa."). Um generoso protetor das artes e do ensino, Alberto contou com Erasmo de Roterdã entre seus amigos.

Morreu em Aschafemburgo, em 1545.

Referências

Alberto de Mainz
Nascimento: 28 de junho de 1490 Morte: 24 de setembro de 1545
Precedido por:
Ernesto II
Arcebispo de Magdeburgo
1513–1545
Sucedido por:
João Alberto
(Administrador)
Bispo de Halberstadt
1513–1545
Precedido por:
Uriel
Arcebispo-Eleitor de Mainz
1514–1545
Sucedido por:
Sebastião


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alberto de Mainz