Alcaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Alcaria da Torre de Benicalap.
Alcaria da Fazenda da Torre de Dona Maria.
Alcaria da região de Valência.

Alcaria (do ár. al-gariya, «vila, povoado pequeno»; em castelhano alquería e em catalão alqueria), designava, no mundo muçulmano do al-Ândalus, as pequenas povoações rurais que se situavam nas imediações das grandes cidades (as medinas), apresentando-se, de alguma forma, com a continuada das antigas villae romanas. Uma alcaria podia ser um povoado único, fortificado ou não, ou podia agrupar algumas pequenas povoções, que possuíam, em conjunto, um perímetro fortificado onde podiam guardar o gado em caso de perigo.

O primeiro tipo de alcaria única existe sobretudo no Alto Alentejo. O segundo tipo de alcarias, com pequenos povoados associados, existe mais predominantemente no Baixo Alentejo e Algarve. O termo alcaria está na base de diversos topónimos, como uma freguesia desse nome do Fundão, uma outra em Porto de Mós, ou ainda nos compósitos Alcaria Ruiva, em Mértola, ou Alcaria da Serra, na Vidigueira. Alcaria dos Javazes, situada no concelho de Mértola no Baixo Alentejo, próximo da Ribeira do Vascão, fronteira Administrativa entre Alentejo e Algarve, terá sido "refúgio" de IBN QASI, emir de Mértola no Séc. XII.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da península Ibérica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.