Alcibíades

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
"Sócrates ao encontro de Alcibíades na Casa de Aspasia", 1861. Obra de Jean-Léon Gérôme (1824-1904)

Alcibíades ou Alcibíades Clinias Escambónidas (em grego: Ἀλκιβιάδης Κλεινίου Σκαμβωνίδης; Atenas, 450 a.C. — Melissa, Frígia, 404 a.C.) foi um general e político ateniense.

Alcibíades descendia de família ilustre (Nota: Seu avô também se chamava Alcibíades e era amigo de Clístenes). Tendo ficado órfão, foi educado por Péricles, de quem era sobrinho. Em vista disso, cresceu entre os dirigentes da democracia ateniense.

Alcibíades também era amigo e entusiata do filósofo Sócrates que lhe salvou a vida na campanha de Potidéia (em 432 a.C.) e a quem salvou em Delion. Plutarco escreveu que Alcibíades "temia e reverenciava unicamente a Sócrates, e desprezava o resto de seus amantes". Como decorrência dessa íntima amizade, Alcibíades aparece em dois diálogos de Platão: um que leva seu próprio nome e n'O Banquete. Também é citado por Aristófanes na peça As rãs.

A fama conquistada nas batalhas permitiu que em 420 a.C. Alcibíades fosse escolhido estratego. Em 414 a.C., comandou uma malfadada expedição contra Siracusa, na Sicília. Ao mesmo tempo, Alcibíades viu-se implicado (junto com Andócides), na profanação de estátuas do deus Hermes e dos mistérios de Elêusis. Acusado de sacrilégio e destituído em alto-mar, desertou e refugiou-se em Esparta, cujos costumes severos chegou a adoptar por algum tempo.

Durante anos instigou os espartanos numa guerra mais activa contra os atenienses levando ao fracasso em Siracusa.

Em 411 a.C., foi eleito comandante da esquadra ateniense em Samos e conquistou duas importantes vitórias sobre Esparta e que recolocou o domínio do Mar Egeu nas mãos de Atenas. Em 407 a.C., era recebido de volta na terra natal com o apoio do Partido Democrático. Pouco depois, foi responsabilizado pela derrota de seu preposto Antíoco em Notium e retirou-se para Queronéia. Nesse período, tentou evitar o desastre naval de Egospótamos, mas seu conselho não foi ouvido. Em 406 a.C. foi para a Trácia e depois para a Pérsia, onde inicialmente contou com o apoio do sátrapa local, Fernabazes. Este, contudo, instigado pelos espartanos, mandou assassinos ao encalço de Alcibíades, que acabou sendo morto em sua casa.

Tanto Plutarco quanto Cornélio Nepos escreveram biografias sobre a vida de Alcibíades, mas Tucídides é a melhor autoridade em tudo o que lhe diz respeito.

N'O banquete Alcibiades aparece bêbado, ovacionando Sócrates, concomitante dizendo que ele não 'o ama mais', e o mesmo [Sócrates] rejeitando-o.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Amor platônico

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outras mídias sobre Alcibíades