Alcione Mazzeo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Alcione Mazzeo
Nascimento 27 de maio de 1951 (63 anos)
Santos, SP
Ocupação Atriz
Página oficial
IMDb: (inglês)

Alcione Mazzeo (Santos, 27 de maio de 1951) é uma ex-modelo e atriz brasileira. Atuou principalmente nas décadas de 70 e 80.

Nascida em Santos, mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro com quinze anos. Após terminar seus estudos - enquanto trabalhava como secretária - fez curso de manequim-modelo e mais tarde de interpretação com os atores Jayme Barcellos, Rubens Correia e Cláudio Cavalcanti.

Em 1969 fez seu primeiro comercial e não parou mais: posou para editoriais de moda de revistas brasileiras como Desfile, Manchete, Pais e Filhos, inúmeros calendários, capas de disco, comerciais diversos, fotonovelas, além de desfilar nas passarelas não só do Brasil como também do México, Argentina e Canadá.

Em 1973, fez sua primeira aparição no cinema nacional em “Amante muito louca”, de Denoy de Oliveira. Depois dessa pequena participação vieram mais 12 filmes, alguns como protagonista.

Na TV, sua estréia foi no Fantástico, atuando em vídeo clipes. Nessa época, Alcione foi chamada às pressas para substituir uma atriz que faltou à gravação do programa Moacyr Franco Show, grande sucesso da Rede Globo nos anos 70. Essa participação fez com que o diretor Augusto César Vanucci a contratasse para atuar em Satiricom, humorístico estrelado por Jô Soares, Agildo Ribeiro e Berta Loran entre outros. Foi o início de seu contrato com a TV Globo, que durou 18 anos.

Em 1975, participou do especial “Azambuja & Cia”, quando conheceu Chico Anysio que, mais tarde criaria especialmente para ela a personagem “Maria Angélica”, namorada de Bozó, uma grande oportunidade para quebrar a imagem de “mulherão”. O personagem foi um grande sucesso, liderando as pesquisas do IBOPE de preferência do público. O personagem era uma febre, principalmente entre as crianças, que faziam “maria-chiquinha” no cabelo e se vestiam como ela, além de repetir o bordão “que nem eu”.

Em teatro, sua estréia foi em “Camas redondas para casais quadrados”, em 1977, onde atuava ao lado de grandes nomes como Vanda Lacerda, Felipe Carone, Anilza Leoni e Lúcio Mauro. Depois, vieram mais 12 espetáculos, dentre eles “Grande Motel”, ao lado de John Herbert, “Um caso de amor”, com Reginaldo Faria e “Alfredo virou a mão”, de João Bethencourt.

Posou nua para a revista Playboy, em janeiro de 1980, em fotos que quase foram proibidas por Chico Anysio. Já havia feito ensaios sensuais para a revista Ele Ela, sendo famosa a capa de novembro de 1975.

Paralelamente à carreira de atriz, Alcione estudou turismo, tendo se formado em 2000, pela UniverCidade. Ainda neste ramo, freqüentou curso profissionalizante de “guia de turismo”, obtendo registro da Embratur e chegando à trabalhar no receptivo do Rio de Janeiro.

Trabalha como voluntária na Audioteca Sal & Luz, gravando aulas para deficientes visuais.

Alcione é mãe do ator e humorista Bruno Mazzeo (fruto de sua união com Chico Anysio) e avó de João.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Televisão - telenovelas[editar | editar código-fonte]

Televisão - seriados[editar | editar código-fonte]

Televisão - humor[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.