Aldrina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A aldrina é um inseticida sintético[1] do grupo dos organoclorados. A aldrina transforma-se em dieldrina quando exposta no ambiente ou no organismo vivo[1] , acumulando-se na gordura à medida que se sobe na cadeia alimentar.[1]

Estas substâncias são um dos Poluentes Orgânicos Persistentes - POPs, listados na Convenção de Estocolmo.

Foi nos anos 50 do século XX que este inseticida começou a ser usado na agricultura e na veterinária. Seu uso é para o combate de vermes, escaravelhos e cupins que habitam o solo. Seu uso ainda é considerável no combate aos cupins. Já está proibido e restringido em vários países por meio da Convenção de Estocolmo.

A forma mais comum de exposição ocorre via consumo dos frutos do mar e produtos ricos em gordura, como o leite e a carne. São especialmente nocivas entre os animais aquáticos.

Ambas as formas são nocivas, aldrina ou dieldrina, animais expostos a estas substâncias apresentam alterações no fígado, no sistema nervoso, imunológico ou hormonal, também provocam anormalidade nos fetos e são prováveis substâncias cancerígenas.

Na agricultura podemos citar como exemplo de alternativa o emprego de técnicas de controle integrado e rotação de culturas que podem favorecer a proliferação de insetos benéficos que combatam estas pragas.

Referências

  1. a b c Escola Superior de Biotecnologia ESB - Universidade Católica Portuguesa. Poluentes Orgânicos Persistentes. Página visitada em 15/11/2013. Cópia arquivada em 22/08/2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]