Alexander Grothendieck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Alexander Grothendieck
Matemática
Alexander Grothendieck, em 1970
Nacionalidade França francês
Nascimento 28 de março de 1928
Local Berlim, Alemanha
Morte 13 de novembro de 2014 (86 anos)
Local Saint-Girons, França[1]
Atividade
Campo(s) Matemática
Instituições Institut des Hautes Études Scientifiques
Alma mater Universidade de Montpellier
Tese 1953: Produits tensoriels topologiques et espaces nucleaires
Orientador(es) Laurent Schwartz e Jean Dieudonné[2]
Orientado(s) Pierre Berthelot, Pierre Deligne, Michel Demazure, Pierre Gabriel, Jean Giraud, Luc Illusie, William Messing, Michel Raynaud, Jean-Louis Verdier
Prêmio(s) Medalha Fields (1966), Medalha Émile Picard (1977), Prêmio Crafoord (1988) (recusado)

Alexander Grothendieck (Berlim, 28 de março de 1928Saint-Girons, 13 de novembro de 2014)[3] foi um matemático nascido na Alemanha e naturalizado francês em 1971. Foi o fundador de uma escola própria sobre geometria algébrica, cujo desenvolvimento influenciou profundamente na década de 1960. Em 1966 recebeu a Medalha Fields, que recusou. Foi célebre por suas firmes posições pacifistas e ecologistas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Desconhecido para o grande público e considerado por muitos de seus colegas um dos matemáticos mais importantes do século XX, Grothendieck, era filho de uma jornalista socialista revolucionária e de um fotógrafo anarquista judeu russo, que emigrou para a Alemanha após ser condenado primeiro pelo regime czarista e depois pelos comunistas. Seus pais também tiveram que abandonar a Alemanha em 1933 após a ascensão dos nazistas ao poder e partiram para a França, antes de seguir para a Espanha para se somarem à causa republicana.

O pequeno Alexander ficou aos cuidados de um amigo da família em Hamburgo até que a família voltou a reunir-se em Nîmes ao término da guerra civil espanhola, em 1939, mas os Grothendieck passaram pouco tempo juntos. Meses depois, o pai foi enviado a Auschwitz, onde morreu em 1942. A mãe e ele terminaram no campo de concentração de Rieucros, nos Pirineus, onde Alexander começou a se interessar pela matemática. Se formou e foi estudar matemática em Montpellier, onde um professor detetou no jovem formado algumas aptidões extraordinárias.

Influenciado pelas ideias políticas do maio de 1968, afastou-se por volta de 1970 de sua posição central na vida matemática de Paris e, por exemplo, procurou auxiliar os matemáticos norte-vietnamistas que padeciam sob a Guerra do Vietnã, mediante manifestações pessoais, desaparecendo completamente do contato público em 1991. Residiu nos Pirenéus, em local conhecido apenas por poucos amigos.

Mas o mito sobre sua genialidade não surgiu até que os grandes matemáticos Laurent Schwartz e Jean Dieudonné entregaram a ele, quando tinha 20 anos, uma lista com 14 problemas sobre os quais trabalhar nos próximos anos e pediram que elegesse um. Meses mais tarde Alexander Grothendieck voltou a se encontrar com seus professores e entregou os 14 problemas resolvidos. Nos meses posteriores redigiu o equivalente a seis teses, trabalho que um aluno aplicado teria levado entre três e quatro anos. Nos anos seguintes, o jovem prodígio se dedicou à análise funcional, um trabalho revolucionário, mas menos transcendente que seus estudos posteriores, onde se destacou por sua capacidade para generalizar e criar novos pontos de vista.

Com o passaporte Nansen que a ONU dava aos refugiados sem pátria, já que se recusava a assumir a nacionalidade francesa, Grothendieck trabalhou a partir de 1953 durante dois anos como professor no Brasil e nos Estados Unidos antes de se alistar no Instituto de Altos Estudos Científicos (IHES), ao sul de Paris e financiado pelo empresário Léon Motchane. Foi nessa instituição que dirigiu um seminário de geometria algébrica que trouxe uma nova visão sobre a geometria inspirada em sua obsessão por repensar o espaço com noções sobre as quais os matemáticos ainda hoje trabalham.

Em 1966 recebeu a medalha Fields, considerada o Nobel da matemática, um prêmio que não foi receber por motivos políticos e que depois leiloou para financiar os norte-vietnamitas na guerra contra os Estados Unidos. Não foi a única distinção - e dotações econômicas - que Grothendieck recusou. Ele dizia que seus trabalhos deveriam ser julgados pelo tempo e não pelos homens. Paulatinamente foi se afastando da comunidade científica e se aproximando de movimentos ecologistas radicais. Nesses anos recusou também seu posto no prestigiado Colégio da França para se transformar em professor da Universidade de Montpellier e, entre 1984 e 1988, no Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França (CNRS).

Em 1990 retirou-se para os Pirenéus franceses, passando a viver discretamente num local que era conhecido somente por poucos amigos e exigiu que seus escritos não publicados fossem destruídos.

Obra[editar | editar código-fonte]

Suas publicações matemáticas abrangem as áreas da topologia, geometria algébrica e análise funcional. Posteriormente publicou nas áreas da ecologia, filosofia, religião e principalmente esoterismo.

Devido a ter passado a maior parte de sua vida na França, seu nome é habitualmente citado como Alexandre (e não Alexander) Grothendieck, enquanto ele mesmo afirmava ter mantido seu nome original.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Serre (Ed.): Grothendieck-Serre correspondence, AMS 2003
  • Cartier, Illusie, Katz (Ed.): Grothendieck Festschrift, 3 Bde., Birkhäuser 1998 (Bibliografia de seus escritos )
  • Pierre Cartier: A mad days work - from Grothendieck to Connes and Kontsevich, Bulletin AMS 2001, online: [4]
  • ders. Grothendieck et les motifs, IHES 2000 preprint, online[5]
  • Leila Schneps, Lochak (Ed.): Geometric Galois actions- around Grothendiecks Esquisse d'un programme, Londres Math.Society Lecture Notes, Cambridge 1997 (com Grothendiecks Esquisse)
  • Pragacz: The life and work of Alexander Grothendieck, American Mathematical Monthly, Novembro de 2006
  • Robin Hartshorne: Algebraic geometry, Springer 1997

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Lars Hörmander e John Milnor
Medalha Fields
1966
com Michael Atiyah, Paul Cohen e Stephen Smale
Sucedido por
Alan Baker, Heisuke Hironaka, Sergei Novikov e John Griggs Thompson


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexander Grothendieck