Alexandre II Karadjordjevitch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre II
Príncipe-herdeiro da Sérvia e Iugoslávia
Alexandre nas celebrações do casamento de Victoria, Princesa da Suécia e Daniel Westling, em 18 de junho de 2010
Chefe da Casa de Karadjordjevitch
Reinado 3 de novembro de 1970 -
presente
Predecessor Pedro II
Cônjuge Maria da Glória de Orléans e Bragança (1972-1985)
Caterina Batis (1985-presente)
Descendência
Pedro
Felipe
Alexandre
Nome completo
Alexandre Petrovitch Karadjordjevitch
Casa Karadjordjevitch
Pai Pedro II da Iugoslávia
Mãe Alexandra da Grécia e da Dinamarca
Nascimento 17 de julho de 1945 (69 anos)
Londres, Reino Unido
Religião Ortodoxo servo
Brasão

Alexandre Karadjordjevitch (em servo-croata, Aleksandar Karađorđević / Александар Карађорђевић (Londres, 17 de julho de 1945) é o príncipe herdeiro e atual pretendente aos tronos da Iugoslávia (extinta) e da Sérvia.[nota 1] [nota 2] Ele manteve o título cerimonial de Príncipe Herdeiro da Sérvia e da Iugoslávia.[nota 3]

Alexandre é o filho único do rei Pedro II, último rei da Iugoslávia, da dinastia Karadjordjevitch, e da princesa Alexandra da Grécia e da Dinamarca. Ele reivindica o título de Rei da Iugoslávia, o que não era reconhecido nem pelo Estado iugoslavo nem pelar repúblicas surgidas da fragmentação da Iugoslávia, nem por qualquer outro país, desde a proclamação da República Socialista Federativa da Iugoslávia em 1945. Ele prefere ser conhecido como Príncipe herdeiro Alexandre II, um título que combina seu título de nascimento com o nome de trono e a numeração romana que usaria se fosse coroado rei.[1]

Vida no Exílio[editar | editar código-fonte]

Nasceu no hotel Claridge's de Londres a 17 de julho de 1945, filho único do rei Pedro II da Jugoslávia último rei da Jugoslávia e da princesa Alexandra da Grécia e da Dinamarca. Alexandre é neto, por via paterna, do rei Alexandre II da Jugoslávia e da princesa Maria da Roménia, e por via materna, do rei Alexandre I da Grécia e de Aspasia Manos.

Desde a ocupação alemã da Jugoslávia, no ano de 1941, Londres tinha-se convertido no exílio de muitas das famílias reais europeias. Foi em Londres onde o rei Pedro II da Jugoslávia e a princesa Alexandra da Grécia se conheceram e se casaram. Também em Londres o casal teve seu único filho numa habitação do célebre hotel Claridge's que o primeiro-ministro Winston Churchill havia declarado território jugoslavo ad hoc.

Alexandre foi baptizado na catedral ortodoxa de Santa Sofia da capital inglesa, sendo os seus padrinhos o rei Jorge VI do Reino Unido e a então princesa Isabel II do Reino Unido.

As múltiplas tentativas de suicídio por parte da rainha Alexandra e a deterioração constante da saúde mental do rei Pedro II da Jugoslávia determinaram uma infância difícil para o príncipe Alexandre. Finalmente, o príncipe foi afastado do ambiente familiar e educado primeiro em casa dos barões de Robiland e posteriormente no prestigiado internato suíço do Instituto de Le Rosey e o internato inglês de Gordonstoun.

A 1 de julho de 1972 contraiu casamento na localidade sevilhana de Villamanrique de la Condesa com a princesa Maria da Glória de Orléans e Bragança, filha do príncipe Pedro de Alcântara Gastão de Orléans e Bragança e da princesa Maria de la Esperanza de Bourbon. Antes do divórcio no ano de 1985, o casal teve três filhos, todos na linha sucessória ao trono iguslavo, mas nenhum na linha do trono brasileiro devido a renúncia avô de Maria da Glória de Orleáns e Bragança, Dom Pedro de Alcântara, ao trono ao se casar com uma condessa checa de baixa nobresa:

Em 1985, casou-se em segundas núpcias com a cidadã inglesa de origem grega Caterina Batis.

Regresso à Jugoslávia[editar | editar código-fonte]

Em 1991, o príncipe Alexandre pisou pela primeira vez terras jugoslavas, mas não se instalou até depois da queda do governo de Slobodan Milosevic no ano 2000. Em março de 2001, lhe é concedida a nacionalidade jugoslava e lhe são devolvidas todas as propriedades da família real confiscadas em 1947.

Actualmente, Alexandre e a sua família vivem numa propriedade no bairro belgradino de Dedinje, composta por duas residências conhecidas como Kralevski Dvor (Palácio Real) e Beli Dvor (Palácio Branco).

Desde o seu regresso à Jugoslávia em 2001, as novas autoridades constitucionais incluíram o príncipe Alexandre em múltiplos actos oficiais e a maioria dos partidos parlamentares aceitaria uma eventual restauração da instituição.[carece de fontes?] Diversos partidos políticos manifestaram o seu apoio à monarquia, entre os quais se encontram: Movimento Renovador Sérvio, o Partido Democrático (actualmente no Governo) e o Partido Democrata-Cristão; além da Igreja Ortodoxa Sérvia.[carece de fontes?]

A necessidade de estabilidade e o prestígio crescente da monarquia permitiram falar de uma eventual restauração monárquica. Para além dos múltiplos compromissos nos quais o príncipe participa, existiram já várias missões diplomáticas encabeçadas pelo príncipe Alexandre.

A vocação europeísta e as ligações familiares que o príncipe possui (primo-irmão do rei Constantino II da Grécia, da rainha Sofia da Espanha, do duque Amadeu de Sabóia-Aosta e afilhado de Isabel II do Reino Unido) são os principais atrativos que a monarquia implica.

No ano de 2006, após o referendo da auto-determinação do Montenegro, o príncipe Alexandre fez público um manifesto no qual se oferecia para liderar o futuro desenvolvimento da Sérvia.

Notas

  1. O nome Reino da Iugoslávia foi adotado em 1929.
  2. Montenegro, um dos dois estados remanescentes da Federação Iugoslava, votou pela separação num plebiscito em maio de 2006.
  3. O título Príncipe Herdeiro é cerimonial, não um cargo constitucional, em uma ex-monarquia que se tornou uma república. O último ocupante de um título monárquico tradicionalmente continua a usá-lo cerimonialmente até o fim da vida. Isto morre com a pessoa e não pode ser herdado por sucessores a não ser que a monarquia seja restaurada. Alexandre nasceu enquanto seu pai ainda era Rei da Iugoslávia, o que faz dele o último príncipe herdeiro do país a não ser que a monarquia seja restaurada.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]