Alexandre II Karadjordjevitch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre II
Príncipe-Herdeiro Alexandre II
Chefe da Casa Real da Sérvia
Governo
Consorte Maria da Glória de Orléans e Bragança (1972-1985)
Caterina Batis (1985-atual)
Antecessor Pedro II
Casa Real Karađorđević
Vida
Nascimento 17 de julho de 1945 (69 anos)
Londres, Reino Unido
Filhos Pedro da Jugoslávia
Felipe da Jugoslávia
Alexandre da Jugoslávia
Pai Pedro II da Iugoslávia
Mãe Alexandra da Grécia e da Dinamarca

Alexandre Karadjordjevitch (em servo-croata, Aleksandar Karađorđević / Александар Карађорђевић (Londres, 17 de julho de 1945) é o príncipe herdeiro e atual pretendente aos tronos da Iugoslávia (extinta) e da Sérvia.[1] [2] . Ele manteve o título cerimonial de "Príncipe Herdeiro" da Sérvia e da Iugoslávia.[3]

Alexandre é o filho único do rei Pedro II, último rei da Iugoslávia, da dinastia Karadjordjevitch, e da Princesa Alexandra da Grécia e Dinamarca. Ele reivindica o título de Rei da Iugoslávia, o que não era reconhecido nem pelo Estado iugoslavo nrm pelar repúblicas surgidas da fragmentação da Iugoslávia, nem por qualquer outro país, desde a proclamação da República Socialista Federativa da Iugoslávia em 1945. Ele prefere ser conhecido como "Príncipe herdeiro Alexandre II", um título que combina seu título de nascimento com o nome de trono e a numeração romana que usaria se fosse coroado rei.[4]

Vida no Exílio[editar | editar código-fonte]

Nasceu no hotel Claridge's de Londres a 17 de julho de 1945, filho único do rei Pedro II da Jugoslávia último rei da Jugoslávia e da princesa Alexandra da Grécia e da Dinamarca. Alexandre é neto, por via paterna, do rei Alexandre II da Jugoslávia e da princesa Maria da Roménia, e por via materna, do rei Alexandre I da Grécia e de Aspasia Manos.

Desde a ocupação alemã da Jugoslávia, no ano de 1941, Londres tinha-se convertido no exílio de muitas das famílias reais europeias. Foi em Londres onde o rei Pedro II da Jugoslávia e a princesa Alexandra da Grécia se conheceram e se casaram. Também em Londres o casal teve seu único filho numa habitação do célebre hotel Claridge's que o primeiro-ministro Winston Churchill havia declarado território jugoslavo ad hoc.

Alexandre foi baptizado na catedral ortodoxa de Santa Sofia da capital inglesa, sendo os seus padrinhos o rei Jorge VI do Reino Unido e a então princesa Isabel II do Reino Unido.

As múltiplas tentativas de suicídio por parte da rainha Alexandra e a deterioração constante da saúde mental do rei Pedro II da Jugoslávia determinaram uma infância difícil para o príncipe Alexandre. Finalmente, o príncipe foi afastado do ambiente familiar e educado primeiro em casa dos barões de Robiland e posteriormente no prestigiado internato suíço do Instituto de Le Rosey e o internato inglês de Gordonstoun.

A 1 de julho de 1972 contraiu casamento na localidade sevilhana de Villamanrique de la Condesa com a princesa Maria da Glória de Orléans e Bragança, filha do príncipe Pedro de Alcântara Gastão de Orléans e Bragança e da princesa Maria de la Esperanza de Bourbon. Antes do divórcio no ano de 1985, o casal teve três filhos, todos na linha sucessória ao trono iguslavo, mas nenhum na linha do trono brasileiro devido a renúncia avô de Maria da Glória de Orleáns e Bragança, Dom Pedro de Alcântara, ao trono ao se casar com uma condessa checa de baixa nobresa:

Em 1985, casou-se em segundas núpcias com a cidadã inglesa de origem grega Caterina Batis.

Regresso à Jugoslávia[editar | editar código-fonte]

Em 1991, o príncipe Alexandre pisou pela primeira vez terras jugoslavas, mas não se instalou até depois da queda do governo de Slobodan Milosevic no ano 2000. Em março de 2001, lhe é concedida a nacionalidade jugoslava e lhe são devolvidas todas as propriedades da família real confiscadas em 1947.

Actualmente, Alexandre e a sua família vivem numa propriedade no bairro belgradino de Dedinje, composta por duas residências conhecidas como Kralevski Dvor (Palácio Real) e Beli Dvor (Palácio Branco).

Desde o seu regresso à Jugoslávia em 2001, as novas autoridades constitucionais incluíram o príncipe Alexandre em múltiplos actos oficiais e a maioria dos partidos parlamentares aceitaria uma eventual restauração da instituição.[carece de fontes?] Diversos partidos políticos manifestaram o seu apoio à monarquia, entre os quais se encontram: Movimento Renovador Sérvio, o Partido Democrático (actualmente no Governo) e o Partido Democrata-Cristão; além da Igreja Ortodoxa Sérvia.[carece de fontes?]

A necessidade de estabilidade e o prestígio crescente da monarquia permitiram falar de uma eventual restauração monárquica. Para além dos múltiplos compromissos nos quais o príncipe participa, existiram já várias missões diplomáticas encabeçadas pelo príncipe Alexandre.

A vocação europeísta e as ligações familiares que o príncipe possui (primo-irmão do rei Constantino II da Grécia, da rainha Sofia da Espanha, do duque Amadeu de Sabóia-Aosta e afilhado de Isabel II do Reino Unido) são os principais atrativos que a monarquia implica.

No ano de 2006, após o referendo da auto-determinação do Montenegro, o príncipe Alexandre fez público um manifesto no qual se oferecia para liderar o futuro desenvolvimento da Sérvia.

Notas

  1. O nome Reino da Iugoslávia foi adotado em 1929.
  2. Montenegro, um dos dois estados remanescentes da Federação Iugoslava, votou pela separação num plebiscito em maio de 2006.
  3. O título Príncipe Herdeiro é cerimonial, não um cargo constitucional, em uma ex-monarquia que se tornou uma república. O último ocupante de um título monárquico tradicionalmente continua a usá-lo cerimonialmente até o fim da vida. Isto morre com a pessoa e não pode ser herdado por sucessores a não ser que a monarquia seja restaurada. Alexandre nasceu enquanto seu pai ainda era Rei da Iugoslávia, o que faz dele o último príncipe herdeiro do país a não ser que a monarquia seja restaurada.
  4. Website do Príncipe Alexandre.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]