Alexandre de Hales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre
Conhecido(a) por Alexandre de Hales
Nascimento ca. 1185
Hales, Midlands Ocidentais
Morte 21 de agosto de 1245 (60 anos)
Paris
Nacionalidade Flag of England.svg inglesa
Ocupação filósofo, teólogo

Alexandre de Hales (Hales, Midlands Ocidentais, ca. 1185 — Paris, 21 de agosto de 1245) (também Halensis, Alensis, Halesius, Alesius) também chamado de Doctor Irrefragabilis (pelo Papa Alexandre IV na bula pontifícia De Fontibus Paradisi) e Theologorum Monarcha, foi um filósofo e teólogo inglês, notável pensador importante na história da escolástica e da Escola franciscana.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alexandre nasceu em Hales (atual Halesowen, Midlands Ocidentais), Shropshire, Inglaterra entre 1180 e 1186. Veio de uma família rural bastante rica. Alexandre foi a Paris para estudar artes. Depois de ter estudado em Paris, se tornou um mestre das artes em algum momento antes de 1210.1 Mais tarde tornou-se cônego da Catedral de São Paulo em Londres, e em 1231 arcediago de Coventry. Aos cinquenta anos de idade (ca. 1236-1237), fez a mudança mais significativa da sua vida e entrou para a Ordem dos Frades Menores. Tornou-se o primeiro franciscano a ocupar uma cadeira na universidade. Alexandre morreu em Paris, França em 21 de agosto de 1245, mas antes disso renunciou a sua cadeira em favor de Jean de La Rochelle.

Em sendo o primeiro franciscano a manter um coro na Universidade de Paris, foi o mestre de muitos discípulos importantes, sendo o mais notável Boaventura de Bagnoregio. Boaventura se referia a Alexandre como seu "pai e mestre" e desejou "seguir os seus passos"2 . Entre outros discípulos estão: Richard Rufus da Cornualha e Jean de La Rochelle.

Obras[editar | editar código-fonte]

Alexandre é conhecido por refletir as obras de vários outros pensadores da Idade Média, especialmente as de Santo Anselmo e Santo Agostinho. É também conhecido por citar pensadores como São Bernardo e Ricardo de São Vítor. Difere daqueles em seu gênero como é conhecido por refletir seus próprios interesses e os da sua geração3 . Ao usar as palavras de suas referências Alexandre não só revê o seu raciocínio, mas também dá conclusões, desenvolve o tema, e oferece suas concordâncias e discordância sobre elas4 . Citava com frequência obras de Anselmo de Cantuária e Bernardo de Claraval, o que não era feito por outros escolásticos do século XII5 . Aristóteles é também bastante citado nas obras de Alexandre. Alexandre era fascinado pela hierarquia dos anjos pseudo-dionisiana e em como sua natureza pode ser entendida, dada metafísica aristotélica6 .

Entre as doutrinas que foram especialmente desenvolvidas e, por assim dizer, fixadas por Alexandre de Hales, estão a thesaurus supererogationis perfectorum (tesouro dos méritos superabundantes) e a character indelibilis (caráter sacramental) do batismo, crisma e ordenação. Esta doutrina foi escrita anteriormente por Agostinho de Hipona e acabou por ser definida como um dogma pelo Concílio de Trento. Ele também fez uma importante pergunta sobre a causa da Encarnação: teria Cristo encarnado se a humanidade nunca pecasse? A questão se tornou o ponto focal para uma questão filosófica (a teoria dos mundos possíveis) e um tema teológico (a distinção entre o poder absoluto de Deus (potentia absoluta) e Seu poder ordenado (potentia ordinata). John Gerson escreve: "A doutrina de Alexandre é de uma riqueza que ultrapassa toda expressão. Diz-se que alguém perguntou a Santo Tomás qual era a melhor maneira de estudar teologia; ele respondeu que era ligar-se a um mestre. E a qual doutor? foi-lhe perguntado novamente. A Alexandre de Hales, o Doutor Angélico, respondeu."7

Summa Universae Theologiae[editar | editar código-fonte]

Alexandre escreveu o resumo/comentário de quatro livros das Sentenças de Pedro Lombardo. Expôs a teologia trinitária dos gregos.8 Este foi o mais importante escrito que Alexandre reivindicou, e que foi o mais antigo no gênero. Embora seja comum para os estudiosos afirmar que Alexandre foi o primeiro a escrever um comentário sobre as Sentenças, isto não é muito preciso. Houve uma série de "comentários" sobre as Sentenças, mas Alexandre parece ter sido o primeiro comentário magistral. Apesar de ter sido o escrito mais significativo de Alexandre, não foi concluído, portanto, deixando os historiadores com muitas dúvidas sobre a fiabilidade e qualidade do escrito. Isto foi levado em consideração quando a Summa foi examinada pelo padre Victorin Doucet em diferentes edições deles. As fontes já parecem ser o problema resultante da Summa, contou que havia 4.814 citações explícitas e 1.372 implícitas de Agostinho de Hipona, mais de um quarto dos textos foram citados no corpo da Summa.9

Outras obras históricas[editar | editar código-fonte]

Entre suas obras Alexandre também influenciou Jean de la Rochelle a compor a Summa of Theologica.10 .

Alexandre também influenciou e por vezes é confundido com Alexander Carpenter, latinizado como Fabricius (fl. 1429), que foi autor de Destructorium viciorum, uma obra popular religiosa dos séculos XV e XVI.11 Carpenter também foi autor de outras obras, como "Homiliae eruditae".12 13

Contribuição historiográfica[editar | editar código-fonte]

Foi dito ter sido Alexandre um dos primeiros escolásticos a se engajar nos recém-traduzidos escritos de Aristóteles (Metafísica)14 . Isto foi muito importante para os ideais do pensamento escolástico. Ele também conduziu a escolástica em uma direção mais sistemática com suas decisões momentâneas do uso das Sentenças como o livro básico para o tratamento de toda a teologia15 . Parece também parece ser o primeiro teólogo a utilizar mais do que por mero acaso conceitos extraídos da Metafísica de Aristóteles.16

Uma escolástica medieval[editar | editar código-fonte]

Ao fazer isso, elevou o trabalho de Pedro Lombardo de um importante recurso teológico para um texto oficial do qual os mestres podiam ensinar. O comentário (ou mais corretamente intitulado um verniz) sobreviveu em relatos dos alunos dos ensinamentos de Alexandre na sala de aula e por isso, oferece uma visão importante para os teólogos como ensinava a sua disciplina na década de 1220.

Para seus contemporâneos, porém, a fama de Alexandre foi o seu interesse inesgotável pelo debate. Seus debates, antes de tornar-se um franciscano, somam mais de 1.600 páginas em sua edição moderna. Suas perguntas realizadas após 1236 ainda permanecem inéditas. Alexandre foi também um dos primeiros escolásticos a participar do Quodlibetal, um evento universitário no qual um mestre tinha de responder a qualquer pergunta feita por qualquer aluno ou mestre durante um período de três dias. O Quodlibet de Alexandre também permanece inédito. É devido a este questionamento que se tornou conhecido como o 'Doctor irrefragabilis'.

[editar | editar código-fonte]

Quando se tornou franciscano e, assim, criou uma escola formal franciscana de teologia em Paris, ficou logo claro que seus alunos não tinham algumas das ferramentas básicas para a disciplina. Alexandre então deu início a uma Summa theologiae que agora é conhecida como a Summa fratris Alexandri. Alexandre utilizou como fonte, principalmente, os seus próprios debates, mas também selecionou ideias, argumentos e fontes de seus contemporâneos. Trata, na sua primeira parte, das doutrinas de Deus e seus atributos; na segunda, da criação e do pecado, na terceira, da redenção e da expiação, e, na quarta e última, dos sacramentos. Este enorme texto, que Roger Bacon viria mais tarde descrever sarcasticamente como tão pesado quanto um cavalo, ficou inacabado em decorrência de sua morte. Seus alunos, Guilherme de Middleton e João de Rupella, ficaram encarregados da sua conclusão. Certamente foi lido pelos franciscanos em Paris, incluindo Boaventura. Boaventura certa vez se referiu a Alexandre como "nosso pai e mestre" (noster pater et magister), mas é improvável que o Doutor Seráfico tenha sido aluno de Alexandre.

Alexandre foi um teólogo inovador. Fez parte da geração que primeiro debateu os escritos de Aristóteles. Embora houvesse uma proibição de utilização das obras de Aristóteles como textos de ensino, teólogos como Alexandre continuaram a explorar suas ideias em sua teologia. Duas outras fontes incomuns foram promovidos por Alexandre: Anselmo de Cantuária, cujas obras foram ignoradas por quase um século ganharam um importante defensor em Alexandre que utilizou as obras de Anselmo extensivamente em seu ensinamento sobre cristologia e soteriologia; e, o Pseudo-Dionísio, o Areopagita, que Alexandre usou no seu exame da teologia das Ordens e estruturas eclesiásticas.

Notas e referências

  1. Cullen,p.105
  2. Cullen,p.105
  3. Studies in Scoloasticism
  4. Studies in Scholasticism
  5. Studies in Scholasticism
  6. Studies in Scholasticism
  7. Gerson, Opera omnia. Epistola Lugdunum missa cuidam fratri Minori, vol. 1, p. 554.
  8. Backus,p.301
  9. "Backus,p. 303
  10. Backus,p.302
  11. Gerald Robert Owst: The Destructiorium viciorum of Alexander Carpenter, Church Historical Society, Society for Promoting Christian Knowledge, Londres, 1952, 40 pp.
  12. Sir Leslie Stephen e Sir Sidney Lee (eds.): The Dictionary of National Biography, Oxford: Oxford University Press, vol. III (Brown - Chaloner), pp. 1062-1063.
  13. George Watson (ed.): The New Cambridge Bibliography of English Literature, Volume 1, 600-1660. Cambridge: Cambridge University Press, 1974, p. 803.
  14. Cullen,p.104
  15. Cullen,p.104
  16. Principe,p.215
  • Este artigo incorpora texto da Encyclopædia Britannica (11ª edição), publicação em domínio público.
  • Wikisource-logo.svg  "Alexander of Hales". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). 
  • Backus,Irena The Reception of the Church of Fathers in the West.From the Carolingians to the Mauists(E.J Brill, Leiden, 1997) p. 301-303
  • Christophe M. Cullen."Alexander of Hales" em uma Companion to Philosophy in the Middle Ages, ed. Jorge J.E. Graciaand Timothy B. Noone (Blackwell Publishing,2006),p. 104-09
  • Colish, Marcia L., Studies in Scolasticism(Ashgate Publishing Limited, 2006) p. 132-33
  • David Burr.The Antiechrist and the Jews in Four Thirteenth-Century Apocalypse Commentaries ed. Steven J. McMichael e Susan E. Myers (Brill Academic Publishers, 2004) p. 23,41
  • Principe, Walter H.,"Alexander of Hales" Theology of the Hypostatic Union(Pontifical Institute for Medieval Studies, 1967) p. 13-255
  • Smith, Philip.The History of the Christian Church,During the Middle Ages with a Summary of the Reformation, centuries XI to XVI.(Harper e Brothers, 1885) p. 287-555