Alfabeto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Maio de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Six glyphs.svg
Sistemas de escrita
História
Grafema
Lista de sistemas de escrita
Tipos
Alfabeto característico
Alfabeto
Abjad
Abugida
Silabário
Logossilabário
Logograma
Taquigrafia
Relacionados
Pictograma
Ideograma
A Specimen de impresso de fontes e idiomas, de William Caslon, de 1728

Alfabeto ou Abecedário é uma forma de escrita classificada como "segmental", pois possui grafemas que representam fonemas (unidade básica de som) de uma língua, podendo ser classificada também como uma escrita fonética, pois procura representar os fonemas por um determinado signo.

A palavra é de origem grega (alphabetos), através do latim (alphabetum), constituída pelas duas primeiras letras do alfabeto grego (alfa e beta, correspondentes às nossas letras A e B, respectivamente), e significa um conjunto de letras usadas para escrever.

Apesar de ter se tornado comum o termo alfabeto por alfa e beta, o idioma fenício séculos antes já trazia Alef e Bet, as duas primeiras letras. O alfabeto tem uma ordem que se emprega por exemplo, para a ordenação em dicionários e enciclopédias em papel, ou em listas de coisas.[1]

O alfabeto em uso na língua portuguesa é o alfabeto latino, do qual se usam 26 letras:

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Em português, a etimologia da palavra "alfabeto" está muito clara, procedendo do grego "alfa+beta". Porém, o termo ab ou ib foi usado também pelos hebreus para denominar a divindade máxima da religião monoteísta, Deus. Segundo esta etimologia [2] ab são as duas primeiras letras do alfabeto hebraico e grego, respectivamente: a=aleph e alpha ou no hebraico pai; e b=bet e beta ou no hebraico útero ou casa e é uma palavra feminina. A união destas compõe a própria palavra alfabeto ou A Palavra, a Verdade, ou o Verbo, segundo a Bíblia, ou o próprio Deus ou, dentro desta concepção hebraica, pai e mãe.[2]

Segundo a religião egípcia, a parte mais importante da alma egípcia era o Ab ou Ib (jb) ou coração. O Ib,[3] ou coração metafísico, era concebido como uma gota do coração da mãe para a criança durante a concepção.[4] Achados arqueológicos retratam esta concepção com a imagem de uma pessoa que é encaminhada pela deusa Maat após a morte para a pesagem das almas. A deusa Maat é a deusa da Justiça e do Equilíbrio e maat significa Verdade.

História[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Alfabeto

É impossível determinar a verdadeira exatidão da data de surgimento do alfabeto.

Segundo Tácito, quem primeiro simbolizou as ideias foram os egípcios, utilizando figuras de animais; estes registros ainda podem ser vistos na pedra.[5] [Nota 1]

Os egípcios reivindicavam a invenção do alfabeto, que os fenícios haviam introduzido na Grécia.[5] Porém no começo de 900 a.C., os gregos adotaram o alfabeto fenício e que ainda é utilizado até hoje. Sendo mais que provável que todos os alfabetos europeus tenham se originado do alfabeto fenício. De acordo com a tradição, o alfabeto fenício foi introduzido na Grécia por Cadmo, quando visitou a Grécia com sua frota de fenícios, e ensinou esta arte a um povo que ainda era bárbaro.[5] Outras tradições atribuem o alfabeto grego a Cécrope de Atenas, Lino de Tebas, ou mesmo Palamedes de Argos, quando retornou da Guerra de Troia, que desenhou as formas de dezesseis letras.[5] Simonides, mais tarde, teria introduzido as outras letras.[5]

O alfabeto latino, que foi adotado em quase toda Europa, teve como origem o alfabeto grego.[6] Os etruscos aprenderam o alfabeto grego de Demarato de Corinto e os arborígenes do árcade Evandro.[5] Assim, as letras do alfabeto latino tem a mesma forma das letras do alfabeto grego mais antigo.[5]

As 21 consoantes do alfabeto latino usadas por grande parte das línguas foram criadas pelos antigos fenícios, e as vogais foram criadas posteriormente pelos gregos por volta do século IV a.C. para facilitar seu uso na escrita e composição de palavras novas.[6] O alfabeto latino, inicialmente, tinha menos letras, que foram sendo incluídas com o tempo.[5] O Imperador Cláudio, enquanto sua esposa Messalina estava tendo um caso com Caius Silius,[7] acrescentou mais três letras ao alfabeto; estas letras, porém, caíram em desuso, tendo como evidência apenas algumas placas de bronze.[5]

Principais Alfabetos[editar | editar código-fonte]

Alfabeto Latino[editar | editar código-fonte]

Também conhecido como alfabeto romano, é o sistema de escrita alfabética mais utilizado no mundo, e é também o mais utilizado para escrever a língua portuguesa e a maioria das línguas da Europa ocidental e central e das áreas colonizadas por europeus. Ao longo dos séculos XIX e XX, o alfabeto latino tornou-se também o alfabeto preferencialmente adotado por várias outras línguas, em especial pelas línguas indígenas de zonas colonizadas por europeus que não tinham sistemas de escrita próprios. O alfabeto latino, utilizado pelos romanos a partir do século VII a. C., derivou do alfabeto etrusco, que por sua vez evoluiu a partir do alfabeto grego. Das 26 letras etruscas, os romanos adotaram 20: A, B, C, D, E, Z, H, I, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, V, X. Depois de alguns séculos, foram inseridas gradualmente as demais letras.[1]

Alfabeto Grego[editar | editar código-fonte]

O alfabeto utilizado na Língua grega foi desenvolvido em torno do século IX a.C., sendo utilizado até os dias de hoje, tanto no grego moderno como também na matemática, física e astronomia. O alfabeto grego foi escrito mediante um silabário, utilizado em Creta e em zonas da Grécia continental entre os séculos XVI a.C. e XII a.C. é conhecido como linear B. O Grego que reproduz tem semelhanças com uma versão passada dos dialetos Arcado-cipriota e Jónico-ático, dos quais provavelmente é antepassado. É conhecido habitualmente como grego micênico. Acredita-se que o alfabeto grego deriva de uma variante do semítico, introduzido na Grécia pelos fenícios. Dado que o alfabeto semérico não necessita de notar as vogais, ao contrário da língua grega e outras da família indo-europeia, como o latim e em consequência o português, os gregos adaptaram alguns símbolos fenícios sem valor fonético em grego para representar as vogais. Este facto pode considerar-se fundamental e tornou possível a transcrição fonética satisfatória das línguas Europeias.[8]

Alfabeto Cirílico[editar | editar código-fonte]

O alfabeto glagolítico foi criado pelos missionários cristãos bizantinos Cirilo e Metódio, ou por seus discípulos, para fornecer uma base escrita para as línguas eslavas. Baseado principalmente nos alfabetos grego e, para os sons não-helênicos, no glagolítico, o cirílico é ainda hoje usado por boa parte das línguas eslavas, bem como por diversas línguas não-eslavas faladas no território correspondente à antiga União Soviética.

Alfabeto Glagolítico[editar | editar código-fonte]

O alfabeto glagolítico foi criado pelos missionários cristãos bizantinos Cirilo e Metódio para fornecer uma base escrita para as línguas eslavas.[9] Hoje em dia não é mais usado, tendo sido suplantado pelo alfabeto cirílico.

Escritas não-alfabéticas[editar | editar código-fonte]

Existem diversos outros sistemas de escrita que, por não representarem os fonemas das palavras, não são chamados de alfabetos. Dentre eles, podemos citar[10] :

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete alfabeto.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Os registros podiam ser vistos gravados na pedra nos tempos de Tácito, e ainda podem ser vistos hoje.

Referências

  1. a b Breve história do alfabeto latino BelaLetra.com. Página visitada em 18 de Janeiro de 2012.
  2. a b Greater Things, Father
  3. Britannica, Ib
  4. Slider, Ab, Egyptian heart and soul conception
  5. a b c d e f g h i Tácito, Anais, Livro XI, 14 [em linha]
  6. a b O alfabeto ocidental Visitado em 23 de abril de 2008.
  7. Tácito, Anais, Livro XI, 12
  8. A data dos objectos inscritos mais antigos; A.W. Johnston, "The alphabet", in N. Stampolidis and V. Karageorghis, eds, Sea Routes from Sidon to Huelva: Interconnections in the Mediterranean 2003:263-76
  9. Encyclopædia Britannica, Major alphabets of the world, Cyrillic and Glagolitic alphabets, 2008, O.Ed. "The two early Slavic alphabets, the Cyrillic and the Glagolitic, were invented by St. Cyril, or Constantine (c. 827–869), and St. Methodii (c. 825–884). These men from Thessaloniki who became apostles to the southern Slavs, whom they converted to Christianity."
  10. Types of Writing System (em inglês) Omniglot. Página visitada em 19 de Janeiro de 2012.
Linguística

Divisões
Fonética | Pragmática | Fonologia | Morfologia | Sintaxe | Semântica | Lexicologia | Estilística
Tipos de linguística
Antropológica | Cognitiva | Gerativa | Comparativa | Aplicada | Geolinguística | Computacional | Histórica | Neurolinguística | Política linguística | Psicolinguística | Sociolinguística
Artigos relacionados
Preconceito linguístico | Análise do discurso | Aquisição da linguagem | Línguas A e B | Sistema de escrita | Ciência cognitiva | Estruturalismo | Etimologia | Caso gramatical | Figura de linguagem
Família de línguas | Filologia | Internetês | Lista de linguistas | Gramática | Língua de Sinais | Alfabeto | Eurodicautom | Língua e cultura | Semiótica
Atos da fala | Análise do discurso