Alfoz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Torre de menagem do Castelo de Castrodouro, no município de Alfoz, cujo nome advém da designação da antiga divisão territorial

Alfoz era a designação dada ao termo de um concelho, ou seja os arredores de uma vila, ou mais especificamente aos povoados que aí se encontravam e eram habitados pelas classes mais baixas.[1] Pode também designar uma circunscrição administrativa autónoma.[2] Por vezes, o crescimento dessas localidades dava origem a revoltas contra a situaçao de inferioridade em relação à sede do concelho e reclamavam uma carta de foral, que em alguns casos conseguiam obter.[1] O termo deriva do árabe al-hús, que significa "arredores".

Em Espanha[editar | editar código-fonte]

Nos reinos que atualmente constituem Espanha, durante a Idade Média, o termo alfoz designava o espaço rural que estava sob a jurisdição de uma vila que era a sede do concelho. Num alfoz existiam várias aldeias ou lugares e o seu conjunto era denominado Comunidad de Villa y Tierra, do qual fazia também parte a sede do concelho, e que tinha autonomia dentro do reino. A sede dum alfoz era uma vila ou cidade, que era composta por um núcleo urbano e por vezes um castelo e muralha.

No início do século XII, os alfozes eram divisões administrativas com funções fiscais, judiciais e militares. Além disso, tiveram um papel importante nos usos comunais dos recursos florestais e pastorícios até que, em 1100, os reis começaram a entregar à Igreja e aos nobres jurisdições particulares de caráter perpétuo. Este facto ameaçou a razão de existir dos alfozes.

Os alfozes e a vila a que pertenciam formavam o que mais tarde se veio a chamar município, mas o seu nome permaneceu em alguns topónimos da geografia espanhola.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b "Alfoz". Nova Enciclopédia Larousse 1. (1997). Ed. Leonel Oliveira. Lisboa: Círculo de Leitores. 267. ISBN 972-42-1476-1 
  2. alfoz. Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. www.infopedia.pt.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lansing, C.; English, E. D., eds. (2009) (em inglês), A companion to the medieval world, Chichester: Wiley-Blackwell, p. 399 
  • Martínez Sopena, Pascual (2005) (em espanhol), Una historia de Valladolid. El Valladolid medieval, Ayuntamiento de Valladolid, ISBN 84-95389-80-0 
  • García Velasco, Miguel Ángel (2008) (em espanhol), Moraleja de las Panaderas. Refugio entre pinares, Diputación de Valladolid, p. 32, ISBN 978-84-7852-097-8