Alfred Harmsworth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alfred Harmsworth
Retrato de Alfred Harmsworth, 1º Visconde Northcliffe, por Gertrude Käsebier
Nacionalidade Reino Unido britânico
Data de nascimento 15 de julho de 1865
Local de nascimento Chapelizod, Condado de Dublin
Data de falecimento 14 de agosto de 1922 (57 anos)
Local de falecimento Londres, Inglaterra
Ocupação Editor
Alma mater Stamford Grammar School, Stamford, Lincolnshire, England
Parentes Cecil Harmsworth (irmão)
Harold Harmsworth (irmão)
Leicester Harmsworth (irmão)

Alfred Charles William Harmsworth, 1º Visconde Northcliffe (Chapelizod, 15 de julho de 1865 - Londres, 14 de agosto de 1922) foi um jornalista e um empresário inglês, fundador do Daily Mail e do Daily Mirror. Em 1905 foi feito Lord Northcliffe. Revolucionou o jornalismo britânico tornando o jornal um produto acessível a todos, de baixo custo, impresso em grandes tiragens, com artigos claros e explícitos.

Answers[editar | editar código-fonte]

O primeiro jornal de Alfred surgiu em 1888 (Alfred tinha 22 anos de idade). Chamou-se "Answers". Em outubro de 1889 o Answers organizou um concurso que se tornou um golpe publicitário sem precedentes. O prémio: uma libra por semana até ao fim da vida. A pergunta: quantas moedas de ouro possui o banco de Inglaterra a 4 de Dezembro? Cerca de 700.000 cartas chegaram à redação. O vencedor acabou por ser um soldado, que faleceu 8 anos depois. A sua viúva recebeu 50 Libras e o custo total do prémio cifrou-se em 500 libras, uma soma modesta para um dos golpes publicitários mais bem sucedidos de todos os tempos.

O Answers tornou-se um jornal de sucesso, sua tiragem ultrapassando um milhão de exemplares em 1892.

Evening News[editar | editar código-fonte]

Em 1894, Harmsworth comprou o Evening News, um jornal mal gerido e deficitário. Investiu 25.000 libras nele, remodelou-o totalmente, dando-lhe um aspecto americano, com grandes cabeçalhos. Tornou-se um jornal lucrativo em pouco tempo.

Daily Mail[editar | editar código-fonte]

O objectivo seguinte de Harmsworth era o de criar o seu primeiro jornal diário nacional. O conceito foi revolucionário: o jornal deve esclarecer, iluminar, simplificar e isso em cada parágrafo. Longas e aborrecidas passagens deveriam dar lugar a notícias compactas e precisas. O historiador A. J. P. Taylor chamou a esta inovação de "o maior progresso da comunicação desde a abolição do Latim e a introdução do Inglês". Foram compradas as impressoras mais modernas, o papel usado era de qualidade inovadora, a tiragem era massiva e o preço muito baixo. O Daily Mail tinha nascido, na manhã de 4 de Maio de 1896 com uma tiragem de 397.215 exemplares. Três anos depois ultrapassaria a marca de um milhão. Ao contrário do Times, o Daily Mail tinha artigos de interesse para todos, incluindo temas de interesse humano, desporto, receitas de cozinha e moda.

Daily Mirror[editar | editar código-fonte]

O próximo projecto de Harmsworth era o de um "jornal diário para a mulher". Em 1903 surgiu o Daily Mirror, com uma tiragem de 256.000 exemplares. Foi um fracasso. Um ano depois a tiragem era apenas de 25.000 exemplares. Em breve se assistiu no jornal ao triste espetáculo da necessidade de despedir as jornalistas, muito tristes, que choravam pelos corredores e rogavam para que pudessem ficar.

Hamilton Fyffe escreveu: "elas faziam-me lembrar gatos afogados". Harmsworth disse, em jeito de conclusão tirada após esta aventura: "as mulheres não sabem escrever e não querem ler".