Algés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Algés  
—  Freguesia  —
Algés
Algés
Brasão de armas de Algés
Brasão de armas
Algés está localizado em: Portugal Continental
Algés
Localização de Algés em Portugal
38° 42' N 9° 14' O
País  Portugal
Concelho OER.png Oeiras
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 1,92 km²
População (2011)
 - Total 22 273
    • Densidade 11 600,5/km2 
Código postal 1495
Orago Nossa Senhora das Graças
Sítio www.jf-alges.pt/jfa

Algés é uma freguesia portuguesa do concelho de Oeiras, com 1,92 km² de área e 22 273 habitantes (2011). Densidade: 11 600,5 hab/km².

Algés foi elevada a vila em 16 de Agosto de 1991, tendo a freguesia sido oficialmente criada em 11 de Junho de 1993, por desmembramento da freguesia de Carnaxide. Não obstante, é lugar antiquíssimo, como se demonstra pela sua etimologia árabe (al-geis, «o giz», demonstrando a existência de jazidas onde se procedia à extracção de giz no tempo da ocupação muçulmana da Península Ibérica e em períodos anteriores).

Faz fronteira, a Leste com o concelho de Lisboa (freguesia de Santa Maria de Belém a Sudeste e de São Francisco Xavier a Nordeste); a Norte com Carnaxide, a Noroeste com Linda-a-Velha, a Sudoeste com a Cruz Quebrada - Dafundo, e a Sul limita com o Rio Tejo.

Os edifícios desta vila encontram-se construídos sobre uma ribeira, a ribeira de Algés, cuja existência pode ser comprovada pelas frequentes inundações que ocorrem em Algés quando se verificam chuvas violentas.

Na freguesia, encontra-se também a Estação Ferroviária de Algés, pertencente à linha de Cascais. Esta linha separa Algés do rio Tejo. Apenas é possível alcançar o rio, a pé, atravessando o túnel, muito pouco acolhedor, que passa por baixo da estação e da linha, acesso altamente desaconselhado no período nocturno. No fundo, apesar de ser uma localidade ribeirinha, a população de Algés vive completamente isolada do rio.

Com uma população essencialmente envelhecida, a autarquia tende a não preocupar-se em atrair ou fixar habitantes mais jovens, o que tem levado à crescente ocupação de habitações por parte de emigrantes.

Sendo usada como via de entrada em Lisboa alternativa à muito saturada Estrada Marginal, Algés é uma das localidades portuguesas com o trânsito mais caótico, devido às inúmeras deficiências na gestão do tráfego local, principalmente em termos de sinalética e fiscalização. Mais gritante ainda é a situação em termos de estacionamento, havendo muitas vias nas quais os passeios se encontram completamente repletos de viaturas, obrigando os peões a circular na via de rodagem. Tal deve-se essencialmente à total desresponsabilização e ineficácia das autoridades policiais, mais concretamente da Polícia Municipal, que, ao que se suspeita devido a pressões da autarquia, muito raramente é vista a exercer as suas competências nessa área. Aliás, é extremamente frequente observar-se viaturas, devidamente estacionadas nos locais designados e portanto sem causar qualquer incómodo ao trânsito, mas que por falta de pagamento foram bloqueadas pela empresa responsável pela gestão dos parquímetros quando, a poucos metros, se encontram inúmeras viaturas estacionadas em situação irregular, fora dos locais demarcados (em segunda fila, em cima dos passeios ou até sobre as passagens de peões), mas, como tal se encontra fora da jurisdição da mesma empresa, livres de qualquer sanção.

Património[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Algés