Aliates

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Aliates (? - 560 a.C.) foi o quarto rei da Lídia da dinastia Mermnada. O seu reinado durou aproximadamente de 600 a.C. até 560 a.C.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Depois de Giges da Lídia, Ardis e Sadiates II, Aliates foi o quarto rei da Lídia. Embora não se saiba com toda a certeza a origem do seu nome, supõem-se que o mesmo deriva da palavra lídia "walwi" (Leão). O pai e também o avô de Aliates haviam consolidado o reino no que hoje corresponde à Turquia ocidental, de modo que Aliates se sentiu seguro para embarcar numa política de conquistas. Em honra da verdade, as campanhas anuais contra Mileto já tinham começado anos antes de ele ser elevado a rei. A história desconhece se foi Aliates enquanto príncipe ou se foi seu pai que deram inicio a estas guerras.

Política exterior a oeste[editar | editar código-fonte]

Segundo o historiador grego Heródoto de Halicarnasso, Aliates atacava o territorio de Mileto ano após ano, mas apenas se limitava a saquear campos e produtos facilmente transportáveis. Sabia que era praticamente inútil o assédio a Mileto visto o grande dominio do mar que esta cidade tinha. Durante as suas campanhas deixava intactas as casas das localidades por onde passava, para que os habitantes não sentissem necessidade de abandonar as suas terras, até porque Aliates necessitava dos produtos agrícolas e se os agricultores se deslocassem ficava sem poder obter os mesmos no ano seguinte.

Durante a quinta campanha militar as duas partas selaram um acordo de paz. Os térmites exactos deste tratado são incertos, no entanto Mileto permaneceu independente e os lídios ofereceram-se para reconstruir um dos templos de Milo.

Também se desconhece o que terá ganho Aliates com este tratado, mas é claro que teve de receber alguma coisa em troca da paz.

As suas campanhas anuais tinham sido muito fáceis e a guerra no seu conjunto era barata. Provavelmente terá recebido algo como uma concessão de comércio, ou uma aliança militar. Talvez Aliates necessita-se apenas de uma fronteira a Ocidente segura, visto que estava para dar início a uma nova guerra, desta vez contra os povos Medos.

Independentemente dos acordos que tenham sido assinados, Aliates enviou grandes oferendas ao Oráculo de Delfos.

As campanhas militares de Aliates haviam tido êxito onde as do seu bisavô Giges tinham fracassado: Os lídios capturaram Esmirna (confirmado por arqueólogos). Apesar de um ataque posterior a Clazómenes, que não teve o resultado esperado. Os lídios controlavam os portos de Esmirna e Colofón, e exerciam grande influencia sobre Mileto. Isto significa que controlavam os rios Meandro, Caistro e Hermos. Também eram os amos de Tróade.

Política exterior a este[editar | editar código-fonte]

A Este Aliates conquistou a antiga capital do reino frígio, Górdio, onde construiu uma fortaleza.

A expansão do Reino da Lídia rapidamente alcançou a zona actualmente correspondente à Turquia central, onde foi encontrar novos problemas. Foi o exemplo dos cimérios, que no passado tinham invadido a Frígia e que ainda permaneciam activos, oferecendo uma ameaça a ter em conta. Aliates, no entanto foi capaz de os derrotar, no entanto a sua victória não foi tão espectacular como era pretendido.

Com as suas primeiras incursões, as tribos, ainda nómadas geralmente assentavam e por consequência perdiam muita da sua agressividade. Provavelmente os cimérios ter-se-iam tornado sedentários já por aquelas alturas, pelo que Aliates não teve grandes dificuldades na sua conquista.

Os povos medos foram outro inimigo. No ano 612 a.C. estes tinham derrotado os Assírios em aliança com os Babilónios. A cidade de Nínive tinha sido saqueada e os medos e babilónios dividiram entre si o império até ali tinha unificado por completo o Próximo Oriente.

Mais tarde o rei medo Ciáxares entrou na Ásia Menor a partir do Este, através da Arménia, invadindo a Capadócia. Durante cinco anos lutaram os medos e lídios repartindo-se mais ou menos as vitórias sem que houvesse um resultado definitivo.

Segundo Heródoto, durante o decurso de uma batalha, no dia 28 de Maio de 585 a.C. aconteceu um eclipse total do sol (já previsto por Tales de Mileto e pelos Jônicos). Quando o eclipse acabou ambos os exércitos decidiram assinar a paz, a qual foi negociada por Siennesis, rei da Cilícia, e por Labineto da Babilónia (este Labineto é provavelmente o mesmo homem que posteriormente se converteria no último rei da Babilónia, Nabonido). Para legitimar o tratado, Arienis, filha de Aliates, foi dada em casamento ao filho de Ciáxares, Astiages.

A fronteira entre a Lídia e o Império Medo foi estabelecida tendo por fronteira o rio Halys. Heródoto deixou-nos uma lista das nações que estavam submetidas ao dominio do filho de Aliates, Creso: e elas são todas as nações para Ocidente do rio Halys, que foram conquistadas pelos Lídios: Frígios, Mísios, Mariandinos, Cálibes, Paflagónios, Trácios, Tínios e Bitínios, como também os Cários, Jónios, Dórios, Eólios e Panfílios.

A pesar desta lista se referir a situação em 550 a.C., é provável que a maior parte destas tribos fossem conquistadas por Aliates.

Os Mísios, Mariandinos, Cálibes, Paflagónios, Trácios, Tínios e Bitínios viviam na região de Tróade e ao redor das orlas meridionais do Mar Negro e estavam sujeitos por tanto às conquistas e domínio de Aliates.

Os Dórios, Jónios e Eólios eram de origem grega e localizavam-se na Ásia Menor. Os Cários tinham sido aliados dos Lídios, pelo que é provável que tenham aceite a jurisdição lídia negociada com um casamento diplomático (a mãe de Creso era de origen Cária). Resta os Panfílios como para uma nova conquista. Os Quizás foram dominados por Creso. O longo reinado de Aliates, que durou 40 anos, teve margem suficiente para todas estas conquistas e ainda para sua ultima aquisição, a Panfília.

Descendentes[editar | editar código-fonte]

Aliates teve pelo menos 2 esposas: uma de origem Cária que foi a mãe de Arienis e Creso (sucessor de Aliates no reino) e uma outra esposa de origem grega que foi a mãe de Pantaleón. Quando Aliates faleceu, ainda não estava claro quem o deveria suceder e o resultado por uma guerra civil os irmãos.

Da mesma maneira que o restantes reis da família, Aliates fui enterrado no cemitério real de Bin Tepe, nas proximidades de Sardes.

Foi precedido por Sadiates II e sucedido por Creso.

Fontes externas[editar | editar código-fonte]