Alimento de origem animal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Queijo Dunlop produzido na Escócia, exemplo de allimentos de origem animal.

Allimentos de origem animal são todos os alimentos de origem direta ou indireta dos animais. Inclui nesse grupo alimentos como mel, leite, ovos, carnes, queijo entre outros. Atualmente, muitas pessoas que são adeptas as atividades de vegetarianismo, i-tal, veganismo, entre outros, não consomem esse tipo de alimento, seja por questões ideológicas, pessoais ou de saúde.[1]

Nutrição[editar | editar código-fonte]

Salvo a vitamina A, vitamina B12 e a vitamina D, todas vitaminas encontrada em alimentos de origem animal, podem ser encontradas e substituídas por fontes derivadas dos vegetais. Exemplo do tofu para substituir a carne (ambos contém proteínas em quantidades suficientes), e algas e vegetais, respectivamente kombu e o kale podem substituir o leite (ambos contém cálcio em quantidades suficientes). Há alguns nutrientes que são raro encontra em quantidade suficiente em alimentos baseados em plantas. Um exemplo pode ser o zinco, encontrado na semente de abóbora, que possui excelentes propriedades digestivas. O crescimento das fibras nesta alimentação pode trazer certas dificuldades de absorção. Algumas deficiências são possíveis se o vegetarianos não tomar cuidado na disposição de ingerir quantidades suficientes dessas plantas. Uma boa maneira de encontrar esses alimento e efetuar suas substituições para um bom equilíbrio dos nutrientes, são as tabelas de análises efetuadas por algumas organização, a exemplo de nutritiondata.com.

A maior parte dos humanos são onívoros ainda que algumas civilizações possuem dieta estritamente animal. Embora uma dieta saudável seja formada por absorção de todos nutrientes essenciais, é possível conseguir esse quadro consumindo apenas plantas (com reposição de vitamina B12 caso a fonte vegetal não a apresente), algumas populações são incapazes de consumir quantidades adequadas dessa variedades de plantas que contenha quantidade significativa dos nutriente com concentração adequada.[1] [2] Frequentemente, a maior parte da população vulnerável para consumo de macro e micronutriente são mulheres grávidas, criança e adolescente de países em desenvolvimento. No anos 80 a organização Nutrition Collaborative Research Support Program (NCRSP) notou que seis micronutrientes estavam muito baixo na maior parte da dieta de crianças em áreas do Egito, Máxico, e Kenia.[1] Esses seis nutrientes são vitamina A, vitamina B12, riboflavina, cálcio, ferro e zinco.[1] Alimentos de origem animal são as únicas fontes de Vitamina B12.[3]

Impactos na saúde por deficiência de micronutrientes[editar | editar código-fonte]

Estes seis micronutriente encontrado em abundâncias em alimentos de origem animal possuem um papel fundamental no desenvolvimento e crescimento de crianças.[1] [4] A reposição inadequada desses micronutrientes, resultam em inadequada obsorção de outras fontes de nutriente para o organismo humano, e esta associado com deficiências no crescimento, anemias, disenterias, raquitismo, cegueira noturna, cognição prejudicada, deficiências neuro-muscular, redução na capacidade de trabalho, desordem psiquiátricas e em alguns casos, leva a morte.[1] Alguns desses efeitos como desenvolvimento cognitivo prejudicado pela deficiência de ferro, são irreversível.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Murphy SP, Allen LH. (2003) Nutritional Importance of Animal Source Foods. J. Nutr. 133: 3932S-3935S. (em inglês)
  2. Dwyer JT. (1994) Vegetarian eating patterns: science, values, and food choices- where do we go from here? Am. J. Clin. Nutr. 59:1255S-1262S. (em inglês)
  3. Stabler SP, Allen RH. (2004) Vitamin B12 Deficiency as a Worldwide Problem. Annu. Rev. Nutr. 24: 299-326. (em inglês)
  4. Black, MM. (2003) Micronutrient Deficiencies and Cognitive Functioning. J. Nutr. 133: 3927S-3931S. (em inglês)