Alma Gêmea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alma Gêmea
Soul Mate (Título Internacional)
Alma Gemela (Título Espanhol) (PT)
Alma Gêmea (BR)
Logotipo da telenovela
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Comédia
Suspense
Duração 50 minutos
Criador(es) Walcyr Carrasco
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Jorge Fernando[1]
Elenco Eduardo Moscovis
Priscila Fantin
Flávia Alessandra
Malvino Salvador
Ana Lúcia Torre
Drica Moraes
Elizabeth Savalla
Marcelo Faria
Sidney Sampaio
Liliana Castro
Fernanda Souza
Luigi Baricelli
Fernanda Machado
Rita Guedes
ver mais
Tema de abertura "Alma Gêmea" - Fábio Júnior
Tema de
encerramento
"Alma Gêmea" - Fábio Júnior
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 20 de junho de 2005 - 10 de março de 2006
N.º de episódios 227 (original)
150 (versão internacional)
145 (reprise)
Cronologia
Último
Último
Como uma Onda
Sinhá Moça
Próximo
Próximo
Programas relacionados O Cravo e a Rosa
Chocolate com Pimenta

Alma Gêmea é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 18 horas, entre 20 de junho de 2005 e 10 de março de 2006, em 227 capítulos,[2] substituindo Como uma Onda e sendo substituída por Sinhá Moça.

Foi escrita por Walcyr Carrasco com colaboração de Thelma Guedes, direção de Fred Mayrink e Pedro Vasconcelos, direção geral e núcleo de Jorge Fernando.

Contou com Eduardo Moscovis, Priscila Fantin, Flávia Alessandra, Malvino Salvador, Ana Lúcia Torre, Drica Moraes, Elizabeth Savalla, Marcelo Faria, Sidney Sampaio, Liliana Castro, Fernanda Souza, Luigi Baricelli, Fernanda Machado e Rita Guedes nos papéis principais.

Foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 24 de agosto de 2009 e 12 de março de 2010, em 145 capítulos, substituindo Senhora do Destino e sendo substituída pela mesma sucessora original Sinhá Moça.[3] [4] [5]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Trama principal[editar | editar código-fonte]

Alma Gêmea conta a história do amor eterno de um homem e uma mulher tragicamente separados e que, cerca de 20 anos depois, voltam a se encontrar quando ela reencarna em um novo corpo. Além do tema central, a trama tem tons de comédia neorrealista italiana na abordagem dos conflitos familiares, e também enfoca o resgate de valores, as relações afetivas e o misticismo.

A novela está dividida em duas fases. No início da década de 1920, o botânico Rafael (Eduardo Moscovis) e a bailarina Luna (Liliana Castro) apaixonam-se à primeira vista e, em pouco tempo, casam-se e têm um filho. Esse amor é invejado pela amargurada Cristina (Flávia Alessandra), a governanta do casal, que se acha injustiçada porque sua prima Luna, além de rica e casada com Rafael, a quem sempre desejou, também herda as joias da avó, Adelaide (Walderez de Barros). O amor de Rafael por Luna é tão grande que ele cria uma rosa branca em sua homenagem, à qual dá o nome da esposa. Revoltada com a felicidade da prima, Cristina arma uma trama com seu admirador Guto (Alexandre Barillari) para que ele roube as joias, usadas por Luna no dia de sua primeira apresentação como bailarina principal no Teatro Municipal de São Paulo. À saída do espetáculo, Rafael e Luna são surpreendidos por dois bandidos, e o botânico reage ao assalto, sendo salvo pela esposa, que se coloca a sua frente e leva o tiro disparado pela arma de Guto, um dos assaltantes. Ela é levada para o hospital, mas não resiste ao ferimento.

No instante em que Rafael se desespera com a morte confirmada de Luna, em um distante casebre a índia Jacira (Luciana Rigueira) dá à luz uma menina, que ganha o nome de Serena. A criança é filha da índia com um garimpeiro, e cresce na aldeia indígena seguindo os valores e costumes de sua tribo. Já uma moça feita, Serena (Priscila Fantin) às vezes vê uma rosa branca refletida nas águas de um lago e, em outros momentos, desenha casas grandes que não existem na região. O mistério chama a atenção da professora da aldeia, Cleyde (Júlia Lemmertz), e do pajé (Francisco Carvalho), que explica à mestiça que ela tem um sonho e terá de buscá-lo. Serena é pedida em casamento pelo índio José Aristides (André Gonçalves), mas, após a morte da mãe e a invasão e destruição da aldeia por garimpeiros – sendo que um deles é seu pai –, ela parte atrás de seu sonho. Leva apenas uma trouxa, algum dinheiro dado por Cleyde e uma carta de recomendação, com o endereço de uma prima da professora que mora em São Paulo.

Serena corre vários riscos até chegar a São Paulo, onde conhece Terê (David Lucas), um menino de rua que rouba sua trouxa em busca de dinheiro. A mestiça enfrenta um grupo de garotos para defender a vida dele, os dois ficam amigos e viajam para a cidade de Roseiral em companhia do vira-lata Joli. Durante toda a trama, Serena protege Terê, tornando-se uma das responsáveis pela educação do menino.

A morte de Luna transformou Rafael em um homem amargurado, taciturno e rude. Desleixado até na aparência, não se interessa por nada que não sejam suas rosas, e mantém um relacionamento distante até com o filho, o tímido e amedrontado Felipe (Sidney Sampaio). Cristina se aproveitou dessa situação para, ao longo dos anos, apossar-se da administração da casa, com a desculpa de ajudar Rafael a criar o filho. Ela se finge de delicada e bondosa, mas não hesita em prejudicar os que atrapalham seu objetivo: casar-se com o botânico. Para isso, conta com a ajuda do comparsa Guto; da mãe – a ardilosa Débora (Ana Lúcia Torre); do inescrupuloso Raul (Luigi Baricelli) e de sua amante, Dalila (Fernanda Machado), alpinista social que tem vergonha da família humilde; e de Ivan (Thiago Luciano), irmão da empregada Zulmira (Carla Daniel) e motorista da casa, a quem ela seduz para realizar seus planos.

Serena vai trabalhar como empregada na casa de Rafael. A jovem sente uma estranha emoção assim que chega ao casarão, que aumenta quando ela se depara com a rosa branca de suas visões. Felipe provoca nela impulsos de mãe e, ao ver Rafael, ela tem a sensação de que já o conhece, mas não consegue explicar seus sentimentos. O botânico também se perturba com a presença da jovem, que protagoniza estranhos fenômenos, como tocar ao piano a música preferida de Luna – Clair de Lune, de Claude Debussy (1862-1918) –, embora nunca tenha aprendido a tocar o instrumento; dançar exatamente como a bailarina, apesar de nunca ter feito balé; e ver-se refletida no espelho com a imagem de Luna. Além disso, com a chegada de Serena à casa, a roseira de Luna volta a florescer. Adelaide, a avó de Luna e Cristina, fica convencida de que a falecida neta voltou, principalmente após confirmar que Serena tem um sinal de nascença no mesmo lugar onde Luna levou o tiro que a matou. Já a descrente Agnes (Elizabeth Savala), mãe de Luna e filha de Adelaide, acha que Serena é uma golpista. Agnes é “envenenada” pela irmã, Débora, e a sobrinha Cristina, que fazem de tudo para desacreditar a moça. Com sua sinceridade e inocência, porém, Serena faz muitos amigos, sempre ajudando as pessoas de forma indiscriminada e desprendida. Ela se aproxima de Vera (Bia Seidl), irmã de Rafael; ajuda Felipe em seu namoro com a jovem Mirella (Cecília Dassi) e torna-se confidente de Olívia (Drica Moraes), antiga melhor amiga de Luna.

Rafael se encanta com Serena e se convence de seu amor ao acreditar que a mestiça é mesmo a reencarnação da amada Luna. Sua vida se transforma e ele cria uma rosa azul em homenagem à empregada, a quem pede em casamento. Desesperada, Cristina arma um plano com a colaboração de Guto e Ivan, e faz Rafael acreditar que Serena o trai com Guto. O botânico fica transtornado e não dá chances à noiva de se defender. Ela, indignada com a desconfiança, rompe o noivado. No mesmo dia, seguindo conselhos da mãe, Cristina oferece a Rafael uma poção de ervas que o faz olhar para ela e ver Serena, caindo na armadilha da vilã. Dias depois, pressionado pelas encenações da governanta, que se diz ultrajada por ser rejeitada após os dois terem passado uma noite juntos, Rafael a pede em casamento e, fragilizado, fica em suas mãos. Cristina ainda simula uma gravidez para efetivar o casamento. Quem faz o exame em seu lugar, porém, é Dalila, que está grávida de Raul. Cristina, finalmente, consegue casar-se com Rafael, mas como é rejeitada pelo marido, continua a fazer maldades para se vingar, ao mesmo tempo em que faz tudo para manter Rafael longe de Serena. Mais tarde, inventa que perdeu o bebê.

No decorrer da trama, Guto morre envenenado por Débora – antes de revelar a todos que Cristina foi responsável pela morte da prima. Como espírito, ele passa a perturbar Alexandra (Nívea Stelmann) para que ela encontre as joias de Luna, que ele roubou de Cristina e guardou em um esconderijo, após dar-se conta de que estava sendo novamente enganado pela vilã. Ele, que havia sido perdoado por Serena antes de sua morte na prisão, volta ainda como fantasma para aterrorizar Cristina: a vilã passa a ver e ouvir o antigo comparsa, levando as pessoas a acharem que está ficando louca. Guto só recupera a paz depois que Alexandra consegue encontrar as joias e devolvê-las à sua verdadeira dona. Alexandra é ajudada pelo terapeuta Julian (Felipe Carmago), que também trata de Serena e, através de regressões, tenta ajudá-la a entender sua missão e descobrir a razão da dor no peito que volta e meia a acomete.

A discussão sobre misticismo também é enfocada na trama através do embate entre o estudioso espiritualista Elias (Umberto Magnani) e a incrédula Agnes (Elizabeth Savala). Elias é o porta-voz dos que acreditam em reencarnação, e dá várias explicações sobre o espiritismo ao longo da trama. Agnes, por sua vez, só se convence de que Serena é Luna depois que a mestiça revela a ela um segredo do passado: Luna respondeu a um inquérito policial por ter ferido um namorado de Agnes que tentara aproximar-se dela. Arrasada pelas lembranças, Agnes confessa que sempre se culpou por ter se envolvido com um homem que causou tanto sofrimento à filha, e que sua mudança para Roseiral foi para que tudo ficasse esquecido. Serena, para consolar a mãe da bailarina, diz que a alma de Luna nunca a culpou, e Agnes a abraça, chamando-a de filha.

Mesmo após todos terem certeza de que Serena é mesmo Luna reencarnada, ela continua a sofrer por amor a Rafael. Casado com Cristina, ele não pode assumir um compromisso com Serena. Enfurecida por continuar sendo desprezada pelo marido, Cristina põe fogo no ateliê que era de Luna. Rafael, atingido por um lustre, cai desacordado e sofre várias queimaduras, ficando entre a vida e a morte. O índio José Aristides que, a essa altura, reencontrou Serena em Roseiral, salva a vida do botânico com ervas e um ritual aprendido em sua tribo. Rafael volta para a casa, mas é obrigado a ficar sob os cuidados de Cristina, que faz pose de esposa devotada. Em estado catatônico e incapaz de fazer qualquer movimento, Rafael sofre nas mãos da mulher, que aproveita para maltratá-lo o quanto pode, dificultando sua recuperação. Certa de que ele não pode vê-la nem ouvi-la, Cristina beija o motorista Ivan em sua frente e confessa que está envolvida na morte de Luna.Com a ajuda dos amigos, Serena consegue resgatar o amado e escondê-lo no sítio de Bernardo (Emiliano Queiroz), onde passa a cuidar dele com todo o seu amor. Rafael, então, consegue recuperar-se, lembra tudo o que Cristina fez e a expulsa do casarão. Mesmo sem a separação oficial, ele e Serena se casam em uma cerimônia simbólica e passam a viver juntos na casa. Débora, então, tenta envenenar o ex-genro, para que Cristina herde sua fortuna antes de assinar um acordo de separação, mas é ela quem bebe o refresco com o veneno, morrendo em seguida. Enlouquecida, Cristina promete uma nova vingança. No último capítulo, após ter sequestrado a rival, a vilã acaba atingindo Rafael com um tiro no peito, depois que ele se coloca à frente de Serena para protegê-la. No instante em que está socorrendo o amado, Serena tem um infarto fulminante e entende sua missão. Os dois se beijam antes de morrer e percebem que estarão unidos por toda a eternidade. Em uma sucessão de imagens, Rafael e Serena aparecem com feições diferentes, vestidos de acordo com a época de suas vidas passadas. O casarão pega fogo, e Cristina, usando as joias de Luna, é envolta em sombras e atraída para dentro de um espelho, onde só há trevas.

Há muitas uniões no fim da novela. Felipe termina com Mirella; Agnes assume o romance com Ciro (Michel Bercovitch), que havia sido contratado por Rafael para investigar a morte de Luna. Julian se casa com Vera, que fica curada de um tumor no cérebro. Hélio descobre que sua ligação com Serena vem de outras vidas – ele foi seu irmão em outra encarnação – e acaba se casando com Sabina (Aisha Jambo).

Há uma passagem de 15 anos no último capítulo, e todos que ainda estão vivos se reencontram, com seus filhos e netos, no lançamento do livro de Terê (Ângelo Paes Leme). A última cena da novela se passa em 2006, quando um menino chamado Rafael conhece uma menina chamada Serena.

Pensão da Divina[editar | editar código-fonte]

Serena (Priscila Fantin) vai parar em um dos núcleos mais bem-humorados da trama, a pensão do sapateiro Osvaldo (Fulvio Stefanini) e de sua mulher, Divina (Neusa Maria Faro). O casal mora com os filhos Hélio (Erik Marmo), Dalila (Fernanda Machado), Nina (Tammy Di Calafiori) e Vitório (Malvino Salvador), e a rabugenta sogra de Osvaldo, Ofélia (Nicette Bruno), que implica o tempo todo com o genro. A mestiça é recebida de braços abertos por Divina, mulher de bom coração que não é nenhum prodígio de beleza, mas se acha linda. Seu marido também acha, e provoca várias confusões por ciúmes da esposa.

Na pensão também moram o nordestino Alaor (Marcelo Barros), que vive correndo o risco de ser expulso por estar sempre desempregado; a cafona Terezinha (Andrea Avancini); o simplório Roberval (Rodrigo Phavanello), que é apaixonado por Dalila; e o orgulhoso Jorge (Marcelo Faria), que tenta ser elegante escondendo os remendos de suas roupas – o personagem entra por volta do capítulo 50. Alguns meses antes do fim da novela, o marido falecido de Ofélia reaparece, interpretado por Ankito, um dos grandes nomes da comédia brasileira nos anos 1950. Ofélia fazia todos acreditarem que ele havia morrido para não admitir que fora abandonada. O “falecido” traz ainda mais humor à novela.

A pensão vira a nova casa de Serena, que logo desperta o interesse de Hélio. O rapaz, encantado, ajuda-a na adaptação à língua e aos costumes de sua nova sociedade. Já a ambiciosa Dalila, irritada por ter de dividir o quarto com a nova moradora, é quem a indica para trabalhar como empregada na casa de Rafael, pois Zulmira (Carla Daniel) e o copeiro Eurico (Ernesto Piccolo), lá há muitos anos, estão precisando de uma ajudante.

Sob a influência de espíritos[editar | editar código-fonte]

O misticismo está presente na novela não só nos fenômenos que ocorrem com Serena (Priscila Fantin), mas também através da personagem Alexandra (Nívea Stelmann), esposa do médico Eduardo (Ângelo Antônio). Ela sofre de esquizofrenia e chega a Roseiral acompanhada pela enfermeira Nair (Rosane Gofman), após receber alta do hospital onde estava internada. Com a orientação do terapeuta Julian (Felipe Camargo) e de sua assistente Sabina (Aisha Jambo), Alexandra descobre que seu problema é espiritual: a voz que a manda praticar agressões e suas premonições estão relacionadas à aproximação de espíritos. O tratamento com Julian ajuda Alexandra a voltar a ser feliz, o que salva seu casamento com Eduardo – antes de sua volta a Roseiral, o médico havia tido um envolvimento com Vera (Bia Seidl), a irmã de Rafael.

Irmãos caipiras[editar | editar código-fonte]

Um dos pontos altos da novela é o núcleo dos irmãos caipiras Crispim (Emilio Orciollo Netto) e Mirna (Fernanda Souza). Os dois moram com o tio Bernardo (Emiliano Queiroz) em um sítio localizado junto à plantação de rosas de Rafael (Eduardo Moscovis). Enquanto o irmão e o tio trabalham no roseiral, a romântica Mirna cuida da casa, sonhando arranjar um noivo para casar. Crispim, porém, morre de ciúmes da irmã e não deixa que nenhum pretendente se aproxime, botando todos para correr, entre eles Pedro Charreteiro (Francisco Fortes), Roberval (Rodrigo Phavanello) e o policial Arthur (Adilson Girardi). Uma de suas marcas é jogar o pretendente no chiqueiro.

Desolada por não arranjar um marido, Mirna faz confidências à sua pata Doralice, para a qual arruma até um casamento na trama, com direito a bolo e marcha nupcial. Crispim também conversa de igual para igual com seu burrico, e é com ele que desabafa quando se apaixona perdidamente pela estonteante Kátia (Rita Guedes), a quem passa a chamar de “anja”, depois que ela o salva de se afogar na piscina do clube da cidade. Kátia é filha de Elias (Umberto Magnani), mãe solteira da menina Rita (Caroline Smith), e sonha casar-se com um homem rico. A personagem vive momentos cômicos quando vai morar por uns tempos no sítio e é obrigada a tirar leite de vaca e dar comida aos porcos. É ela, no entanto, que frustra uma das tentativas de Mirna de arrumar um marido. No dia do casamento da caipira com Jorge (Marcelo Faria), Kátia não resiste às investidas sedutoras do rapaz, e os dois são surpreendidos por Crispim aos beijos. Mirna ainda perde Alaor (Marcelo Barros) para a madrinha Doralice (Louise Cardoso). No fim da novela, porém, tudo se resolve: a caipira se casa com Zacarias Príncipe (Rodrigo Faro), rapaz que aparece montado em um cavalo branco; e Crispim se casa com Kátia, depois que ela descobre que Jorge tem três mulheres e uma penca de filhos.

Dama de sangue azul[editar | editar código-fonte]

A novela tem muitos núcleos de humor. Além do ambiente da pensão, tem destaque a trama de Olívia (Drica Moraes), esposa de Raul (Luigi Baricelli) e mãe de Mirella (Cecília Dassi) e Carlito (Renan Ribeiro). Após descobrir que o marido possui uma amante, ela se separa, vende suas joias e vai viver com os filhos em um sobradinho alugado, ao lado da pensão de Divina (Neusa Maria Faro). A ex-madame sai de uma vida de elegância para uma vida de pobreza, o suficiente para a vilã Cristina (Flávia Alessandra) interferir no namoro de sua filha Mirella com Felipe (Sidney Sampaio), o filho de Rafael (Eduardo Moscovis). Carlito, o caçula mimado, perde a boa vida de antes, mas faz novos amigos, como Nina (Tammy Di Calafiori), a filha mais nova de Osvaldo (Fulvio Stefanini) e Divina, e Paulina (Pamella Rodrigues), filha de Abílio (Ronnie Marruda) e Clarice (Mariah da Penha), que também moram na vila da pensão. Olívia se apaixona por Vitório (Malvino Salvador), e os dois vivem um romance de idas e voltas, em cenas de muito humor, já que ela se considera uma “dama de sangue azul” e não pode assumir um caso com um pobretão. Depois de vender praticamente tudo o que tinha para sobreviver, inclusive boa parte de seus vestidos, Olívia pede socorro a Rafael, que a ajuda a montar um restaurante, onde Vitório é empregado como cozinheiro-chefe. Após muitas brigas, os dois terminam juntos.

Raul, por sua vez, revela-se um mau-caráter e não dá um tostão à ex-mulher, mais interessado em viver suas aventuras amorosas e em roubar dinheiro da empresa de Rafael, da qual é diretor. Como fez com Dalila (Fernanda Machado), ele também tenta iludir a astuta Kátia (Rita Guedes) e a modista Madalena (Bruna Di Tullio), e acaba seus dias preso, tendo de suportar as visitas de Terezinha (Andrea Avancini), a quem seduziu em determinado momento da novela só para atingir seus objetivos.

Dalila e Roberval[editar | editar código-fonte]

A ambiciosa Dalila (Fernanda Machado) chega ao fim da trama com Roberval (Rodrigo Phavanello), com quem foi obrigada a se casar após inventar que ele era o pai da criança que esperava. Ela dá à luz uma menina, e Roberval assume a criança. Com a convivência, a moça aprende a gostar de sua nova família. De ex-assistente de barbeiro, Roberval vira milionário após receber uma herança do avô, o rico fazendeiro Romeu (Luis Gustavo), que chega à cidade em busca da identidade do neto.

Elenco[editar | editar código-fonte]

em ordem da abertura
Ator/Atriz Personagem
Eduardo Moscovis Rafael Souza
Priscila Fantin Serena Anauê Souza Dias
Flávia Alessandra Cristina Ávilla Saboya
Malvino Salvador Vitório Santini
Ana Lúcia Torre Débora Ávilla Saboya
Drica Moraes Olívia Médici
Elizabeth Savalla Agnes Ávilla Blanco
Marcelo Faria Jorge
Sidney Sampaio Felipe Ávilla Blanco Dias
Liliana Castro Luna Ávilla Blanco Dias
Fernanda Souza Mirna dos Santos
Nívea Stelmann Alexandra
Fúlvio Stefanini Osvaldo Santini
Nicette Bruno Ofélia
Walderez de Barros Adelaide Ávilla
Umberto Magnani Elias
Ângelo Antônio Dr. Eduardo
Neusa Maria Faro Divina Santini
Bruna di Tullio Madalena
Bia Seidl Vera Dias Enck
Luigi Baricelli Raul de Carvalho Siqueira
Rodrigo Phavanello Roberval da Silva
Emiliano Queiroz Bernardo dos Santos (Tio Nardo)
Emílio Orciollo Netto Crispim dos Santos
Erik Marmo Hélio Santini
Kayky Brito Gumercindo
Cecília Dassi Mirella de Médici Siqueira Dias
Fernanda Machado Dalila Santini da Silva
Rita Guedes Kátia
Carla Daniel Zulmira
Lady Francisco Generosa
Mariah da Penha Clarice
Ronnie Marruda Abílio
Carlos Gregório Sr. Rodriguez
Andréa Avancini Terezinha
Michel Bercovitch Ciro
Ernesto Piccolo Eurico
Alexandre Barillari Guto
Hilda Rebello Dona Filó
Luciano Vianna Xavier
Marcelo Barros Alaor
Thiago Luciano Ivan
Tammy di Calafiori Nina Santini
Keruse Bongiolo Judith
Francisco Fortes Pedro Charreteiro
Renan Ribeiro Carlito de Médici Siqueira
David Lucas Terê Dias
Pamella Rodrigues Paulina
Caroline Smith Ritinha

Audiência[editar | editar código-fonte]

Sua estréia, em 20 de junho de 2005, substituindo Como uma Onda, obteve 36 pontos (com picos de 38).[6] O segundo capítulo da trama repetiu o sucesso da estréia, apresentando 36 pontos com picos de 39.[6]

No capítulo final da história, Alma Gêmea conquistou a maior média de fim de novela das 18 horas desde Mulheres de Areia, em 1993 : 52 pontos com picos de 56, índice de novela das 20h.[7] Seu capítulo final (que mostra as seqüências do casamento de Mirna, o final feliz de Olívia e Vitório, a morte da vilã Cristina e Rafael e Serena morrendo juntos) bateu Belíssima, então trama do horário nobre na época.[8]

Teve média geral de 39 pontos, a maior audiência do horário na década de 2000, seguida de Chocolate com Pimenta com 36 pontos, e Cabocla, com 34 pontos, e O Cravo e a Rosa com 31 pontos.[9] [10]

Os 53 pontos atingidos em seu último capítulo foi a maior audiência de um último capítulo da história dos últimos anos, sendo superada apenas pelo remake de Mulheres de Areia.

Reprise[editar | editar código-fonte]

Foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo, entre 24 de agosto de 2009 e 12 de março de 2010, em 145 capítulos, substituindo Senhora do Destino e sendo substituída pela mesma sucessora original Sinhá Moça. Foi a última novela a ser exibida pelo Vale a Pena Ver de Novo na década de 2000.[11] [12] [13] [14]

Sua reprise foi ao ar garantindo liderança com 18 pontos e 20 de pico. Os capítulos seguintes da trama foi surpreendente, até mesmo superando alguns da antecessora, Senhora do Destino.

No dia 20 de janeiro de 2010, segundo dados consolidados do ibope. Alma Gêmea no Vale a Pena Ver de Novo marcou média de 22 pontos no intervalo em que foi exibida, entre 14h36 e 15h51. Cama de Gato (exibida entre 18h10 e 18h57) e Tempos Modernos (exibida entre 19h22 e 20h14) marcaram 21 pontos cada.[15]

No último capítulo, como em sua exibição original e sua reprise, atingiu pico de 33 pontos e uma média de 30 pontos no Ibope, com 65% de participação. Nos momentos mais emocionantes, o folhetim de Walcyr Carrasco chegou a bater os 40 pontos de audiência, um índice muito raro para o horário em que o Vale a Pena Ver de Novo vai ao ar. Durante toda reprise, Alma gêmea teve ótimo desempenho, ultrapassando até Cama de Gato, Tempos Modernos e Malhação.[16]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Alma Gêmea obteve a maior audiência do horário das 18 horas em toda a história da teledramaturgia da emissora. Em setembro de 2005, já era o segundo programa mais assistido do Brasil. Por conta disso, a trama ganhou mais 25 capítulos, e a novela teve mais um intervalo comercial, além dos três tradicionais.
  • Para dar vida à vilã Cristina, Flávia Alessandra assistia a filmes de terror, suspense, obsessão e loucura, em busca de inspiração para compor as diversas fases da personagem. A atriz também dispensava os dublês nas cenas mais difíceis.[17]
  • Nívea Stelmann entrou na novela 2 meses depois da estréia. Na trama ela interpretou Alexandra, a principal médium da cidade. Junto com ela também entrou a atriz Rosane Gofman. As primeiras cenas delas foram ao ar no dia 22 de agosto de 2005.[18]
  • As cenas da morte do vilão Guto (Alexandre Barillari) foram exibidas a partir do capítulo 130, que foi ao ar em 17 de novembro de 2005. Mas o ator não saiu da novela. Ele continuou na trama, dessa vez como espírito que assombrava a vilã Cristina (Flávia Alessandra). A última cena do personagem foi ao ar no capítulo 220, exibido em 2 de março de 2006.[19]
  • A vilã Débora (Ana Lúcia Torre) teve seu desfecho antes do fim da história. Na trama, ela morreu envenenada, depois de planejar o envenenamento de Rafael (Eduardo Moscovis). Curiosamente o feitiço se voltou contra o feiticeiro. Essa sequência de cenas foram exibidas a partir do capítulo 208, em 16 de fevereiro de 2006.[20]
  • A reta final da trama contou com várias participações especiais, entre elas Louise Cardoso, que interpretou Doralice, a tia de Mirna. Ela chega ao sítio do dia do casamento, e consequentemente roubou o noivo da sobrinha. As cenas da atriz foram ao ar no dia 7 de março de 2006. Betty Faria também participou da reta final da trama.[21]
  • Rodrigo Faro fez uma participação no último capítulo da novela. Ele interpretou Zacarias, um homem rico que se casa com Mirna (Fernanda Souza).[22]
  • Walcyr Carrasco foi acusado de plágio pelo escritor Carlos de Andrade, autor do livro Chuva de Novembro. Ele entrou com um processo, exigindo 10% do faturamento da novela e alegando que ela era plágio do seu livro. Chuva de Novembro conta a história do músico Caio, que se apaixona por Caressa, a quem dá uma rosa amarela. E a prima Regina fica enciumada e arma um plano para matar Caressa, e fazendo Caio viver uma vida solitária. Na novela, os personagens seriam Rafael (Eduardo Moscovis), Luna (Liliana Castro) e Cristina (Flávia Alessandra).[23]
  • A escritora Shirley Costa também acusou o Walcyr Carrasco de plágio. Segundo ela, alguns detalhe de cenas e da história da novela, foram copiadas do seu livro Rosácea. A escritora garantiu que o livro chegou às mãos do autor. Um primeiro laudo confirmou a ação de plágio.[24]
  • Em abril de 2009, Walcyr Carrasco foi absolvido da acusação. O perito identificou 185 pontos em comum nas duas obras, mas alegou não poder afirmar que seja plágio.[25]
  • Em setembro do mesmo ano, alguns dias após o início da reprise da trama, a escritora recorreu da decisão e o processo foi reaberto.[26] Porém em janeiro de 2010, o autor foi novamente absolvido pela Justiça. O juiz concluiu que "não houve plágio algum, posto que os textos comparados não apresentam pontos de identidade, características originais de enredo ou técnica de criação". Ele ainda diz que "os pontos semelhantes podem ser encontrados em diversas outras obras como mitologia grega, romances trovadorescos, contos nibelingos, literatura infanto-juvenil e nas próprias telenovelas".[27]
  • Foi a última novela a ser exibida pelo Vale a Pena Ver de Novo na década de 2000.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

Trilha Nacional
Capa: Eduardo Moscovis
Trilha sonora
Gravação 2005
Gênero(s) Vários
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Download Digital
Gravadora(s) Rede Globo
Cronologia de
Último
Último
Internacional
(2005)
Próximo
Próximo
N.º Título Música Personagem Duração
1. "Índia"   Roberto Carlos Serena 03:45
2. "Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor"   Milton Nascimento Hélio 04:02
3. "Um Segredo e Um Amor"   Sandy Mirela 04:37
4. "Margarida"   Roupa Nova Mirna 03:40
5. "Alma Gêmea"   Fábio Júnior Tema de abertura 04:46
6. "Eterno Amor"   Cídia & Dan Filipe 02:45
7. "Uma Vez Mais"   Ivo Pessoa Rafael e Serena 03:26
8. "Diz Nos Meus Olhos"   Zélia Duncan Cristina 04:01
9. "Eu Não Existo Sem Você"   Maria Bethânia Agnes e Ciro 05:06
10. "Linda Flor"   Gal Costa Olívia 04:39
11. "A Vida Que a Gente Leva"   Leila Pinheiro Dalila 03:32
12. "Estrada Do Sertão"   Elba Ramalho Crispim e Mirna 04:48
13. "Tudo Seu Querer"   Fragner Olívio e Vitório 02:49
14. "Um Sonho de Verão"   Jussara Silveira Kátia 03:46
15. "Acidente De Amor"   Gino & Geno Crispim 03:50
16. "Suíte dos Índios"   Mú Carvalho Núcleo dos Índios 04:18

Internacional[editar | editar código-fonte]

Trilha Internacional
Capa: Fernanda Souza e Emílio Orciollo Netto
Trilha sonora
Lançamento 2005
Gênero(s) Vários
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Download Digital
Gravadora(s) Rede Globo
Cronologia de
Último
Último
Nacional
(2005)
Próximo
Próximo
N.º Título Música Personagem Duração
1. "My Funny Valentine"   Rod Stewart Rafael e Serena 02:50
2. "Moonlight Serenade"   Carly Simon Hélio e Sabina 04:32
3. "Mr.Lonely"   Fabianno Tema de Locação - Roseiral 02:39
4. "La Vie En Rose"   Stringe Orchestra Tema de Locação - Roseiral 03:06
5. "Amapola"   The Royal Phillarmonic Orchestra Tema de Locação - Roseiral 03:57
6. "Al Di Lá"   Paolo Vitório e Olívia 02:53
7. "Fly Me To The Moon"   Frank Sinatra Raul e Dalila 02:38
8. "Blue Moon"   SNZ Olívia
Intervalo comercial
02:41
9. "Mitsy"   Ivo Pessoa Tema de Locação - Roseiral 03:57
10. "The Lover"   John K. Steffen Tema de Locação - Roseiral 03:56
11. "At Last"   Kenny G featuring Artur Sandoval Zulmira e Eurico 04:08
12. "Sway"   Dean Martin Geral 02:46
13. "Frenesí"   Montserrat Geral 03:09
14. "Mambo Nº 8"   Mambo Project Núcleo da Pensão da Divina 03:53

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Troféu Leão Lobo (2005)

Prêmio Contigo (2005)

APCA (2005)

Melhores do Ano - Domingão do Faustão (2005)

Prêmio Qualidade Brasil (2006)

Prêmio Top of Business (2005)

Prêmio Comigo Ninguém Pode (2005)

  • Emílio Orciollo Neto

PopTv (2005)

  • Melhor Novela

Exibição Internacional[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Memória Globo. Alma Gêmea - Trama Principal (em português). Visitado em 18 de janeiro de 2014.
  2. Memória Globo. Alma Gêmea - Ficha Técnica. Visitado em 21 de dezembro de 2008.
  3. Vale a Pena Ver de Novo: Alma Gêmea está de volta a partir de agosto Rede Globo (27 de julho de 2009). Visitado em 13 de novembro de 2014.
  4. Alma Gêmea estreia na segunda, dia 24, no Vale a Pena Ver de Novo Rede Globo (18 de agosto de 2009). Visitado em 13 de novembro de 2014.
  5. Conheça quem é quem em Alma Gêmea, que estreia no Vale a Pena Ver de Novo Rede Globo (23 de agosto de 2009). Visitado em 13 de novembro de 2014.
  6. a b Swerts, Flávia (25 de junho de 2005). Alma Gêmea recupera audiência das 18h para Globo (em português) Terra Tecnologia. Visitado em julho de 2010.
  7. Redação Terra (13 de março de 2006). Ibope de "Alma Gêmea" ultrapassa o do BBB6 (em português) Terra Gente & Tv. Visitado em julho de 2010.
  8. Redação Estadão Online (10 de março de 2006). Chega ao fim a novela global Alma Gêmea (em português) O Estado de S. Paulo. Visitado em julho de 2010.
  9. Feltrin, Ricardo (18 de setembro de 2008). Ibope de novelas desaba na Globo (em português) Uol Notícias. Visitado em julho de 2010.
  10. Redação Terra (10 de março de 2006). Último capítulo de "Alma Gêmea" tem audiência de novela das oito (em português) Terra Gente & Tv. Visitado em julho de 2010.
  11. Alma Gêmea estreia na segunda, dia 24, no Vale a Pena Ver de Novo Rede Globo (27 de julho de 2009).
  12. Vale a pena ver de novo Mirna e Crispim de Alma Gêmea juntos. Dupla é sucesso! Rede Globo (28 de setembro de 2009).
  13. Conheça quem é quem em Alma Gêmea, que estreia no Vale a Pena Ver de Novo Rede Globo (23 de agosto de 2009).
  14. Alma Gêmea estreia na segunda, dia 24, no Vale a Pena Ver de Novo Rede Globo (18 de agosto de 2009).
  15. Reprise de "Alma Gêmea" tem audiência maior que novelas das 18h e 19h Folha de S. Paulo (21 de janeiro de 2010).
  16. 'Alma gêmea' tem média de 33 pontos no Ibope no último capítulo Extra - Alma Gêmea (12 de março de 2010).
  17. Papel de vilã em Alma Gêmea consagra Flávia Alessandra Gazeta Digital (6 de março de 2006).
  18. Nívea Stelmann entra em Alma Gêmea Gazeta Digital (21 de agosto de 2005).
  19. Alma Gêmea: Débora impede que Guto revele a verdade O Fuxico (14 de novembro de 2005).
  20. Alma Gêmea: Débora morre vítima do próprio veneno Área Vip (13 de fevereiro de 2006).
  21. Participações especiais marcarão o final de Alma Gêmea Clickpb (7 de março de 2006).
  22. Rodrigo Faro pode entrar no final de Alma Gêmea O Fuxico (27 de fevereiro de 2006).
  23. Justiça: Alma Gêmea acusado de plágio por escritor Estrelando (25 de outubro de 2005).
  24. Walcyr Carrasco é acusado de plagiar livro em novela UOL (26 de dezembro de 2007).
  25. Alma Gêmea: Walcyr Carrasco se livra de acusação de plágio 180 graus (3 de abril de 2009).
  26. Três autores acusam novela da Globo de plágio, diz coluna Área Vip (8 de setembro de 2009).
  27. Walcyr Carrasco é absolvido novamente em acusação de plágio Diário do Grande ABC (26 de janeiro de 2010).
  28. Redação APCA (2005). [http://www.apca.org.br/premiados.asp Os Melhores da APCA - Premiados de 2005] (em português) Associação Paulista de Críticos de Artes. Visitado em julho de 2010.
  29. Redação Associação Prêmio Qualidade Brasil (2006). Prêmio Qualidade Brasil 2006 – São Paulo (em português) Associação Prêmio Qualidade Brasil. Visitado em julho de 2010.
  30. Alma Gêmea - Curiosidades Memória Globo Globo.com. Visitado em 12 de julho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]