Alqueidão (Figueira da Foz)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Alqueidão  
—  Freguesia  —
Freguesia do Alqueião
Freguesia do Alqueião
Bandeira de Alqueidão
Bandeira
Brasão de armas de Alqueidão
Brasão de armas
Alqueidão está localizado em: Portugal Continental
Alqueidão
Localização de Alqueidão em Portugal
40° 05' 57" N 8° 46' 23" O
País  Portugal
Região Centro
Distrito Coimbra
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Miguel Bento
Área
 - Total 19,67 km²
População (2011)
 - Total 1 752
    • Densidade 89,1/km2 
Gentílico: Alqueidanense
Código postal 3090-431 Alqueidão, Figueira da Foz
Orago Nossa Senhora da Saúde
Capela da Nossa Senhora da Saúde
Campos de Arroz vistos do Alqueidão

O Alqueidão é uma freguesia portuguesa situada a sul do concelho da Figueira da Foz, no distrito de Coimbra, banhada pelo Rio Pranto. Passou a ser considerada Freguesia através do decreto lei de 30 de Março de 1928, sendo Miguel Bento (PS) o atual Presidente da Freguesia de Alqueidão.

A Freguesia[editar | editar código-fonte]

A freguesia do Alqueidão tem 19,67 km² de área e 1 752 habitantes (2011), possuindo uma densidade de 89,1 hab/km².

Situada na margem esquerda do Mondego, delimitada a Sul pela freguesia da Borda do Campo, a Oeste pela freguesia do Paião e a Norte pela freguesia de Vila Verde, faz também fronteira com o Concelho de Soure, sendo que a freguesia que lhe faz fronteira é a freguesia de Samuel.

São parte integrante da sua paisagem os belos Campos de Arroz, o Moinho de Marés, localizado à margem direita do rio Pranto, e a Ponte Romana sob o Rio Pranto.

Em tempos o Alqueidão foi conhecido como terra do vinho, tendo como principais actividades económicas:

  • Agricultura
  • Explorações agro-pecuárias
  • Cultura do arroz
  • Descasque de arroz
  • Milho

Situa-se na Freguesia a mais antiga indústria de arroz em Portugal, a Ernesto Morgado, fundada em 1920, pertencendo à mesma familia há 3 gerações.

Largo Capitão Argel de Melo
Largo Capitão Argel de Melo

História[editar | editar código-fonte]

Alqueidão, segundo o "Álbum Figueirense", é uma palavra árabe que significa passagem estreita, sendo hoje uma pitoresca freguesia, situada num morro que domina os campos férteis do sul do Mondego.

Neste local viveu D. Abade João, que no decorrer de investidos ataques árabes, deixaram bem presentes as suas marcas,em que por consequente acabaram por ser perseguidos e expulsos pelos cristãos, por altura da reconquista (séculos IX - XII).

Os combates decisivos ter-se-ão registado próximo da Ribeira de Seiça. A partir daqui terminou o domínio por parte dos mouros, consolidando-se o poder cristão. Tal só foi possível graças à preciosa ajuda não só dos guerreiros de Montemor-o-Velho como também de D. Afonso Henriques.

Conta-se que D. Afonso Henriques andava à caça nas Matas de Seiça quando um seu criado caiu do cavalo e morreu.

Existindo ali perto uma ermida levaram para lá o corpo do jovem cavaleiro, mas quando já preparavam o seu enterro, eis que o nobre rapaz abre os olhos e revive.

Tal milagre foi logo atribuído a Nossa Senhora de Seiça e para demonstrar o seu profundo agradecimento, mandou edificar, por meados do século XII, o Mosteiro de Santa Maria de Seiça, deixando que os monges beneditinos de Lorvão tomassem conta das suas obras.

Painel de Azulejos, pintado por Conceição Ruivo

As Localidades[editar | editar código-fonte]

São constituintes da freguesia do Alqueidão as seguintes localidades:

  • Alqueidão , Amieira , Asseiçó
  • Barroqueira , Barra
  • Casal Verde , Calvete , Negrote
  • Pipelo , Portela

No entanto, as localidades de Asseiçó e Casal Verde são divididas pelas freguesias do Alqueidão e do Paião.

Património[editar | editar código-fonte]

Ponte Romana sob o Rio Pranto

No Alqueidão existem alguns monumentos que se destacam, tais como a Igreja Paroquial da Nossa Senhora da Saúde, inaugurada a 29 de Agosto de 1965 sendo em algumas partes da sua construção uma imitação do estilo gótico, a Capela da Nossa Senhora da Saúde, situada no Largo da Feira (actualmente funciona como casa mortuária), a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, situada na localidade de Barra, fundada nos séculos XVIII/XIX, e sujeita a alterações neste último século. O seu altar-mor foi transferido da Quinta do Canal, por vontade do povo. Também aqui existe uma alminha para devoção popular, a ponte romana situada sobre o Rio Pranto e o Moinho das Marés.

Jardim Alfredo Marques
Igreja Paroquial da Nossa Senhora da Saúde, Alqueidão
Moinho das Marés

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

A tradição gastronómica está em relação directa com a cultura do arroz. Nos pratos confeccionados para ocasiões especiais como os casamentos, estava sempre presente este cereal.

Nas bodas, que duravam mais de dois dias, era igualmente presença obrigatória a carne de carneiro. Hoje em dia, devido aos gostos alimentares tenderem a mudar, os pratos tradicionais vão desaparecendo.

Da ementa tradicional refira-se:

* Arroz Doce
* Morcelas de Sangue
* Bolo de Moado

Festas e Romarias[editar | editar código-fonte]

Na freguesia as festividades realizam-se com um cunho religioso, mas também profano. Assim, no Alqueidão, festeja-se a Nossa Senhora da Saúde, no último domingo de Agosto. São também comemoradas as Festa de Santo António, o Enterro do Bacalhau, o fim da Quaresma e as Festas de São João.

Festas em Honra da Nossa Senhora da saúde

Tradições Populares[editar | editar código-fonte]

Dentre as tradições populares, pode-se salientar a caqueirada. As pessoas juntam uma porção de cacos e atiram-nos às casas de persona non grata, envolvidos em substâncias fétidas, gritando: - “Aí vai o presente!”.

Existe também o costume das fogaças de St.º António. Consiste em oferecer a St.º António bens alimentícios. Numa espécie de andor. Depois de leiloados, os fundos conseguidos eram em favor da Igreja.

Tradicional nesta freguesia é também o pedido para as almas, o qual tem como finalidade recolher para fins devotos. Esta recolha faz-se de porta em porta, anunciando-se com um sino e entre cânticos religiosos. Todos estes costumes se realizam no entrudo.

Faz-se também o enterro do bacalhau na Sexta Feira Santa. Caracteriza-se pela circunstância de as pessoas se juntarem a fim de assinalar o fim da Quaresma e dar as boas vindas à Páscoa. Daí, neste dia, ser obrigatório comer peixe e não carne.

A sesta constituiu outro dos costumes locais. Com início na segunda-feira de Pascoela e final a 15 de Agosto, tem como objectivo o repouso das pessoas após o almoço, a fim de fugirem à hora de maior calor.

Também relacionado com os direitos dos trabalhadores rurais, é o costume da merenda, que tem início a 25 de Março e termina a 8 de Setembro.

Refira-se por fim outro costume, não menos importante: o das fogueiras pelo Natal, Ano Novo e S. João.

Piscina do Alqueidão

Desporto[editar | editar código-fonte]

Esta freguesia teve equipa de futebol militante no INATEL. Foi já várias vezes campeã distrital desta divisão e foi-o de novo no ano de 2006-2007. A freguesia tem ainda uma piscina inaugurada em 2001 pelo Ex-Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alqueidão (Figueira da Foz)