Altay Veloso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Altay Veloso
Informação geral
Nome completo Altay Veloso da Silva
Nascimento 26 de fevereiro de 1951 (63 anos)
Local de nascimento São Gonçalo, Rio de Janeiro
 Brasil
Gênero(s) Samba, MPB
Instrumento(s) Vocal, guitarra
Período em atividade 1980 - presente

Altay Veloso da Silva (São Gonçalo, 26 de fevereiro de 1951) é um cantor compositor e guitarrista brasileiro. É neto de acordeonista, filho de jongueiro capixaba com sacerdotisa de religião de matriz africana.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Aos vinte e um anos faz suas primeiras composições e graças a elas é convidado a integrar algumas das bandas de grande prestígio do Rio de Janeiro, entre elas, “O Rancho” de onde saíram vários músicos que hoje integram o elenco que acompanha notáveis intérpretes da MPB e a “Bando do Bando”, que deu origem à notória banda formada por músicos do primeiro escalão "Black Rio".

Na convivência com esses primorosos instrumentistas, Altay aprimora seu oficio de compor até que, em 1980, participa do MPB Shell e, produzido pelo guitarrista e compositor Durval Ferreira, grava pela RCA (hoje BMG) seu primeiro disco autoral, “O cantador”. O segundo e o terceiro disco vêm em 1983 e 1985, respectivamente, pela extinta Polygram, (hoje Universal) em 1987 e 1988, o disco “Sedução” e “Paixão de d'Artagnan” pela Warner Continental.

Durante esse tempo tem algumas de suas canções fazendo parte das trilhas sonoras de telenovelas da Rede Globo, é convidado por três anos consecutivos a tocar no festival de jazz de Montreal, tendo a honra de contar como integrante de sua banda formada por músicos brasileiros, o saxofonista de jazz mais importante do Canadá, Jean Pierre Zanella.

Composições[editar | editar código-fonte]

No ano de 1994 Altay, estrategicamente, devido às imposições do mercado fonográfico, interrompe temporariamente sua carreira de cantor para se dedicar por tempo integral à sua vitoriosa carreira de compositor.

O gosto pela diversidade de formas, como é seu temperamento, o espírito aberto às mais diversas influências musicais contribuem decisivamente para que Altay Veloso possa escrever músicas para conceituados intérpretes da MPB de tendências distintas, entre eles: Elba Ramalho, Vanusa, Daniel Camilo, Nana Caymmi, Roberto Carlos, Exaltasamba, Zizi Possi, Leonardo, Selma Reis, Jorge Aragão, Wando, Alcione, Fat Family, Elymar Santos, Wanderléia, Emilio Santiago, Jorge Vercillo, Belo, Alexandre Pires, Billy & Junny, Christian & Ralph, Netinho de Paula, Fagner, entre tantos outros, num total de mais de 450 músicas.

Estúdio[editar | editar código-fonte]

Em 1998, Altay Veloso monta seu próprio selo e estúdio de gravação e retorna ao cenário artístico como cantor gravando o disco “Nascido em 22 de abril”. Nesse disco com todas as canções dedicadas ao Brasil, Altay Veloso é o único arranjador e instrumentista em todas as canções.

No ano 2000, sem interromper seu trabalho de composição e com os recursos adquiridos através dele, Altay inicia suas viagens de pesquisa para realizar o sonho ao qual, silenciosamente, se dedica há mais de duas décadas, escrever, em poesia, a saga do africano de Daomé que conheceu Jesus Cristo, Ogundana, O Alabê de Jerusalém.

Investe com paixão nessa sua primeira empreitada no universo da literatura indo a Israel por duas vezes, ao território de Ifé na Nigéria, Angola, Bahia e buscando contatos com líderes religiosos das diversas influências presentes na obra e termina o livro que tem bases no tripé afro-judaico-cristão, onde, baseado num fato histórico, A Vida de Jesus Cristo, Altay mergulha na humanidade de alguns personagens bíblicos e cria outros tantos contemporâneos de Jesus, revelando, pela ótica de um homem africano, o lado mais pessoal e íntimo de cada um, em “Ogundana, O Alabê de Jerusalém”.

O Alabê de Jerusalém[editar | editar código-fonte]

Entre 2002 e 2006, ao mesmo tempo em que integra o corpo de jurados do Prêmio Sharp e Tim, compõe para vários artistas, faz vinhetas para publicidade, trilhas sonoras para curtas-metragens, Altay encontra tempo para extrair do livro “Ogundana, O Alabê de Jerusalém” uma bela e inspirada construção musical, a ópera “O Alabê de Jerusalém”, onde consegue unir todas as influências populares e eruditas que apreendeu no seu exercício com a música, ao que lhe foi dado, ainda no berço, o legado trazido pelos sons dos tambores da África, pois a ópera “O Alabê de Jerusalém” trata da história do africano Ogundana, que viveu há mais de 2000 anos, contada em nossos dias por ele mesmo, que hoje é uma entidade espiritual chamada “Alabê de Jerusalém” e que, num dia de festa, num templo de religião de matriz africana, retorna à Terra para contar sua história.

Altay achou por bem, antes de realizar a ópera em espetáculo cênico, dado que seu melhor trânsito é pelos caminhos da música, registrá-la em CD e em DVD as gravações feitas em estúdio, o que fez com esmerado capricho e eloquência.

Gravou nos melhores estúdios do Rio de Janeiro, São Paulo e Montreal a ópera “O Alabê de Jerusalém”, com bases tocadas por grandes músicos da MPB, a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro regida pelo maestro Leonardo Bruno, cantada e narrada por conceituados intérpretes da MPB e renomados atores brasileiros como: Bibi Ferreira, Leny Andrade, Ronnie Marruda, Elba Ramalho, Lenine, José Tobias, Alcione, Jorge Vercilo, Margareth Menezes, Marku Ribas, Wando, Fafá de Belém, Carlos Dafé, Lucinha Lins, Watusi, Luiz Vieira, Talma de Freitas, Silvio César, Adriana Lessa, Ivan Lins, Claudio Cartier, Cris Delanno, Ruth de Souza, Pery Ribeiro, Isabel Filardis, Selma Reis, entre outros artistas integrantes de uma ficha técnica de mais de 150 nomes.

Essa obra de Altay Veloso, “O Alabê de Jerusalém” tem tido, com unanimidade, o honroso apoio de todos os setores da comunidade artística brasileira, das instituições que trabalham para a efetiva inclusão social daqueles a quem, historicamente, tem sido negada uma participação digna na vida do país e por conta do seu conteúdo, que busca o mais profundo sentimento de amor, respeito e tolerância entre as diferentes culturas, tem recebido um afetuoso abraço de entidades como a Unesco “Além de ser uma celebração cultural de alto nível, se propõe a emocionar e provocar uma reflexão sobre os temas da tolerância e da convivência pacífica entre as diferentes crenças e raças...”. Esta obra levou mais de 20 anos de pesquisa, inclusive com viagens a Jerusalém, à Nigéria, a Angola e à Bahia[2] .

Referências