Alternância de gerações

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.
Alternância das gerações.

A metagênese ou alternância de gerações é uma forma de reprodução encontrada em todas as plantas e nos celenterados/cnidários. Nesses organismos ocorre uma reprodução por via assexuada (não ocorre troca de gametas) e uma fase sexuada (ocorre troca de gametas). Os celenterados sofrem metagênese, mas são haplobiontes diplontes, ou seja sempre diplóides e somente os gametas são haplóides.

Em botânica chama-se alternância de gerações ao ciclo de vida de muitas plantas e algas que apresentam duas formas multicelulares diferentes para a fase haplóide, o gametófito, e para a fase diplóide, o esporófito. Utiliza-se aqui o termo "plantas" no sentido da taxonomia de Lineu, ou seja, incluindo as plantas verdes, os fungos e as algas.

Nos fetos e nas algas vermelhas, estas duas fases correspondem a indivíduos com vida independente, mas noutros grupos, como os musgos e as espermatófitas, uma destas fases pode ser "parasita" da outra[1] .

Ambas as "gerações" produzem esporos como produtos reprodutivos, mas no gametófito, os esporos têm o nome de gâmetas - esporos haplóides, que se conjugam para dar origem a um zigoto.

As estruturas onde são produzidos os esporos chamam-se esporângios. Quando os esporos têm tamanhos - e funções - diferentes, os gâmetas normalmente tomam o nome de micrósporo (o mais pequeno, geralmente o masculino) e megásporo (o maior, geralmente imóvel - o óvulo). Por essa razão, os esporângios que produzem micrósporos tomam o nome de microsporângios e os que produzem megásporos são os megasporângios.

Nas espermatófitas, e principalmente nas coníferas, estes esporângios correspondem a folhas especializadas dos cones ou pinhas e tomam os nomes de microsporófilos e megasporófilos.

Nas "plantas" que não apresentam alternância de gerações, o zigoto - o produto da união ou conjugação de dois gâmetas - ou se desenvolve numa planta diplóide que, quando adulta, produz novos gâmetas, ou sofre imediatamente meiose, produzindo esporos haplóides que dão origem a novas plantas que produzem gâmetas. Ou seja, a planta adulta é sempre um gametófito.

Os fungos adultos são sempre haplóides, produzindo esporos também haplóides. Quando duas hifas se conjugam, formam um "indivíduo" cujas células possuem dois núcleos, ou seja, a conjugação é apenas plasmática. A certa altura, pode haver cariogamia (conjugação dos núcleos), dando origem a uma estrutura onde, por meiose, se vão produzir novos esporos haplóides.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.