Altinópolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Altinópolis
""Cidade Natureza""
Vista da cidade a partir da Praça das Esculturas

Vista da cidade a partir da Praça das Esculturas
Bandeira de Altinópolis
Brasão de Altinópolis
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 9 de março
Fundação 9 de março de 1919
Gentílico altinopolense
Lema LABOR OMNIA VINCITE IMPROBUS
"O Trabalho Perseverante Vence Todos Os Obstáculos"
Prefeito(a) Marco Ernani Hyssa Luiz (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Altinópolis
Localização de Altinópolis em São Paulo
Altinópolis está localizado em: Brasil
Altinópolis
Localização de Altinópolis no Brasil
21° 01' 33" S 47° 22' 26" O21° 01' 33" S 47° 22' 26" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Ribeirão Preto IBGE/2008[1]
Microrregião Batatais IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Patrocínio Paulista, Batatais, Serrana, Santo Antônio da Alegria, Brodowski
Distância até a capital 346 km
Características geográficas
Área 929,426 km² [2]
População 15 609 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 16,79 hab./km²
Clima Tropical de Altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,823 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 286 814,059 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 18 432,78 IBGE/2008[5]
Página oficial

Altinópolis é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 21º01' sul e a uma longitude 47º22' oeste. Sua população estimada em 2010 era de 15.609 habitantes. Possui uma área de 929,426 km². Dista 346 km da capital estadual. A cidade é conhecida pelas suas atrações turísticas, como as esculturas de Bassano Vaccarini e as inúmeras cachoeiras e grutas. O clima ameno e agradável também é uma de suas características.

História[editar | editar código-fonte]

Pode-se dizer que a história da cidade de Altinópolis teve início com Diogo Garcia da Cruz e seus filhos Joaquim, Antônio (Major Garcia) e João por volta da década de 1820[carece de fontes?], quando adquiriram terras da região chamada de São Bom Jesus da Cana Verde, atrelada ao município de Batatais e ali fundaram as fazendas Jaborandi, Fortaleza e Congonhal.

Antônio Garcia de Figueiredo, também conhecido como Major Garcia, proprietário da fazenda Fortaleza e sua esposa e sobrinha, Maria Teresa Figueiredo Garcia, construíram em seus domínios uma capela em homenagem à Nossa Senhora da Piedade. A construção da capela foi, inclusive, relatada por Visconde de Taunay em seu livro Marcha das Forças. Por volta do ano de 1885 as primeiras casas já surgiam em volta da capela. Esse fato levou Major Garcia a doar 42 alqueires de sua fazenda Fortaleza à capela, dando início ao povoado do Arraial de Nossa Senhora da Piedade.

Em 1875 o povoamento teve seus limites demarcados e foi elevado a Distrito de Paz, ou seja, teve reconhecida pelo poder público a fase inicial da formação de um núcleo urbano, passando a se chamar Freguesia de Nossa Senhora da Piedade de Mato Grosso de Batatais, entretanto, ficou mais conhecido apenas como Mato Grosso de Batatais. No ano de 1909 foi construída a Estrada de Ferro São Paulo e Minas cuja finalidade era passar nas fazendas cafeeiras da região e interligar cidades paulistas e mineiras.

Com o crescimento da cidade, a chegada de imigrantes italianos, portugueses, sírios e libaneses, além da plantação de café e a pecuária[6] , começaram a surgir as primeiras ideias da independência do Distrito em relação à cidade de Batatais. Os jornais tiveram grande importância no papel da emancipação, destacando-se Simplício Ferreira que coordenava o jornal O Progresso, Sylvio Ribeiro da Silva de O Imparcial e José Cândido Júnior de A Evolução. Com o clamor popular, Coronel Honório Palma tomou a frente e iniciou a luta política para emancipação do Distrito.

Em 1918 apresentou-se o projeto de elevação do Distrito de Mato Grosso de Batatais a município. Coronel Antônio Justino de Figueiredo e Capitão José Esteves Júnior destacaram-se na delimitação das fronteiras do novo município. Em seguida, tomou lugar um plebiscito que definiria o nome da cidade. Os nomes concorrentes eram: Jetirana, que era defendido por Simplício Ferreira, José Cândido Júnior e Professor Antônio Barreiros. E Altinópolis, liderado pelo Coronel Honório Palma, José Esteves Júnior e Capitão José Pio. Foi escolhido o nome de Altinópolis que homenageia o presidente do estado da época, Dr. Altino Arantes.

No dia 9 de março de 1919 foi instalada a primeira câmara municipal de Altinópolis, simbolizando esta data a fundação da cidade. Finalmente, em 25 de abril de 1965, instalou-se a comarca de Altinópolis, sinalizando completa independência e autonomia do município.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Altinópolis oferece tanto o eco-turismo quanto um turismo cultural. A riqueza de sua natureza se traduz nos rios, cachoeiras, grutas e imensa área verde. De outro lado, sua importância cultural se mostra nas obras do artista plástico Bassano Vaccarini, que estão espalhadas por toda a cidade. Em Altinópolis cinco rios nos dão 35 quedas d'água. São cachoeiras e cascatas para todos os gostos. E uma delas tem 72 metros de altura. Oito grutas devidamente catalogadas fazem parte do seu roteiro turístico, destacando-se a Gruta do Itambé, que oferece uma fachada de 28 metros de altura e uns 350 metros de galerias. A Secretaria do Turismo dá aos visitantes suporte de informações necessárias e, o estande do município fez sucesso no último Salão São Paulo de Turismo. Mas o deleite para os olhos são as obras de Bassano Vaccarini, em especial a Praça das Esculturas. Do mirante do Morro do Parque Municipal, a 1.200m de altitude, tem-se uma visão de 360º e pode-se avistar 16 municípios ao seu redor[carece de fontes?], localizado no parque da Santa Cruz.

Cachoeira do Itambé em Altinópolis

Esculturas de Vaccarini[editar | editar código-fonte]

O município de Altinópolis possui um dos três únicos museus a céu aberto de todo o mundo[carece de fontes?], isto é, em Altinópolis estão espalhadas as belas esculturas do mestre Bassano Vaccarini. Destaca-se a Praça das Esculturas que reúne grande parte das obras do artista. Ele nasceu na Itália (Milão) e chegou ao Brasil após a Segunda Guerra Mundial, escolhendo Altinópolis como seu grande atelier.

Além de professor de Artes Plásticas da FAU-USP (em São Paulo) e Unaerp (em Ribeirão Preto, onde morou), ele foi figurinista, cenógrafo, diretor do Teatro Brasileiro de Comédia, pintor e escultor notável.

Festas tradicionais[editar | editar código-fonte]

Altinópolis possui algumas festas tradicionais em seu calendário anual. Destacam-se a Festa de Santos Reis, a Expoal e a Quermesse.

Festa de Santos Reis[editar | editar código-fonte]

As festas em homenagem aos Três Reis Magos, realizadas no mês de janeiro, ocorrem há várias décadas nas cercanias de Altinópolis. A peregrinação de fiéis, a encenação e os cantos ainda se mantêm como um forte costume nas áreas rurais, tanto em Altinópolis quanto em Santo Antônio da Alegria. A festa realizada em Altinópolis tem como seu principal expoente Antônio (Tonico) Frighetto[7] . Em 1971 seu objetivo de reunir em um só dia e em um só local todas as folias (conjuntos) de Santos Reis tornou-se realidade e perpetua-se até os dias de hoje. No mês de janeiro a Praça da Matriz recebe, por três dias, um palco onde folias de Reis de todo o Brasil se apresentam. Ao redor da praça instalam-se pequenas barracas de comércio e de alimentação, além de um parque recreativo.

Expoal[editar | editar código-fonte]

A Expoal - Feira de Exposição Agropecuária de Altinópolis - realiza-se no Parque da Santa Cruz geralmente nos meses de março ou abril e tem duração de uma semana. Realizada há mais de 30 anos, a Expoal reúne exposição de animais, shows e opções de alimentação. Há exposição de gado, vacas leiteiras, cavalos, além de animais de pequeno porte. As competições, como prova do tambor e rodeios são realizados durante a semana da festa. Todas as noites há shows de duplas sertanejas ou conjuntos de música popular. Durante a semana ocorre o festival de calouros, momento em que jovens cantores e bandas de Altinópolis e região mostram seu potencial. O evento ainda possui um parque de diversões montado especialmente na época da festa. No quesito alimentação, destacam-se as tendas que vendem comida típica. Destaca-se o caráter voluntário dos trabalhadores da área de alimentação e a arrecadação com fins filantrópicos. No Parque da Santa Cruz localiza-se o mirante da cidade, local onde é possível avistar toda a cidade e suas vizinhas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População Total: 15.609

(Fonte: [[IBGE].]DATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Altinópolis recebe a cobertura de diversas rádios e TV's regionais canal aberto, como: EPTV, CLUBE, SBT Ribeirão Preto Rede Record, Rede Vida, Cultura e entre outras. Instaladas na cidade existem duas rádios: Sociedade Rádio CLUB AM 1480 e a Rádio Comunitária "ALT FM" 105,9 FM. O jornal impresso que circula na cidade é o "A Tribuna Altinópolis", e o Portal de internet o Site "Altinópolis Online".

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. A História e as Estórias de Minha Cidade. Desdêmona Zuccolotto Moura. 1985.
  7. "O Povo Que Faz Minha Terra", de Oldemar Brondi. 2005. Volume I

Ligações externas[editar | editar código-fonte]