Amarantina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Amarantina é um distrito de Ouro Preto, município brasileiro Minas Gerais. Localiza-se na latitude 20º18'41" Sul e longitude 43º42'39" Oeste e altitude média de 950 metros. Fica situado na rodovia dos Inconfidentes, entre a sede do município (23 km) e Belo Horizonte (67 km).

História[editar | editar código-fonte]

Amarantina, surgiu após a crise de fome, que acometeu a população de Vila Rica por volta de 1700. Foi assim que surgiu Cachoeira do Campo e Amarantina, um pequeno povoado então denominado de Tijuco (nome indígena p/ locais onde ocorrem alagamentos), por causa das enchentes do Rio Maracujá que transbordava na época das chuvas, transformando as suas margens num brejo. Sendo São Gonçalo, um santo da devoção portuguesa trazido por Antônio Alves, fazendeiro português, ergue uma ermida em homenagem ao santo em suas terras no Tijuco. E pela aparência do local com a região de Amarante em Portugal, os viajantes principalmente lusitanos, começaram a chamar a região de São Gonçalo do Amarante. Em 1726 a região é elevada à categoria de freguesia de São Gonçalo do Tijuco, filiada à matriz de Nossa Senhora de Nazaré de Cachoeira do Campo.

Inicia-se em 1943 a produção de café e hortifrutigranjeiros para comercialização e foi exatamente nesta época que o distrito passou a se chamar Amarantina.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Uma importante tradição é a Festa de São Gonçalo e Cavalhadas de Amarantina, o ponto alto da festa do padroeiro, realizada no mês de setembro e de origem Portuguesa. É uma representação teatral dividida em três atos: mouros e cristãos lutam pela disputa da mão da princesa Florípedes. Com toda a indumentária, os participantes interpretam Carlos Magno e outros personagens.

A localidade possui, dentre outros atrativos, o Museu das Reduções, único no mundo onde réplicas em miniatura de grandes construções históricas do Brasil são expostas com detalhes impressionantes seguindo fielmente às medidas reais com as devidas adaptações para o tamanho reduzido. Fundado no distrito por uma família com incríveis habilidades manuais, cujo trabalho visa a preservação da memória arquitetônica nacional, pela difusão da arte e da cultura e pelo desenvolvimento humano e social.

A Casa de Pedra também constitui o patrimônio edificado do distrito. Segundo a tradição popular, o monumento foi construído pelos primeiros bandeirantes que ali chegaram entre os séculos XVII e XVIII. O edifício foi tombado pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1963 e caracteriza-se como casa setecentista ou bandeirista por possuir características específicas deste tipo de edificação.[1]

População[editar | editar código-fonte]

De acordo com Censo demográfico no Brasil em 2000, realizado pelo IBGE:

  • Zona urbana:
    • Homens: 947 habitantes.
    • Mulheres: 968 habitantes.
    • Total: 1915 habitantes.
  • Zona rural:
    • Homens: 748 habitantes.
    • Mulheres: 753 habitantes.
    • Total: 1501 habitantes.
  • Total geral:
    • Homens: 1476 habitantes.
    • Mulheres: 1464 habitantes.
    • Total: 2940 habitantes.