Amarildo Tavares da Silveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Amarildo
Informações pessoais
Nome completo Amarildo Tavares Silveira
Data de nasc. 29 de Julho de 1940 (74 anos)
Local de nasc. Campos dos Goytacazes, Brasil
Apelido Possesso
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1956-1957
1958
1958-1963
1963-1967
1967-1971
1971-1972
1973-1974
Brasil Goytacaz
Brasil Flamengo
Brasil Botafogo
Itália Milan
Itália Fiorentina
Itália Roma
Brasil Vasco
(19)
(6)
231 (135)
107 (32)
62 (16)
33 (10)
8[1] (-)[2]
Seleção nacional
1961-1966 Brasil Brasil 24 (9)
Times que treinou
2008 Brasil América 1

Amarildo Tavares Silveira, mais conhecido como Amarildo (Campos dos Goytacazes, 29 de julho de 1940[3] [4] ) é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Futebolista de muito habilidade, artilheiro, ponta-esquerda, ele foi figura muito importante na Copa do Mundo de 1962, na qual substituiu Pelé, contundido, participando de quatro jogos e marcando três gols: dois diante da Espanha e um contra a Tchecoslováquia, na final da Copa.

Em 1963 foi negociado com o AC Milan, da Itália, onde fez sucesso, jogando até 1967. Jogou ainda na Fiorentina (de 1967 a 1971) e na AS Roma (de 1971 até 1972). Voltou ao Brasil em 1973, para defender o Vasco, time no qual encerrou a carreira em 1974.

No Botafogo foi "eternizado" como titular do maior ataque do Glorioso em todos os tempos: Didi, Garrincha, Quarentinha, Zagallo e Amarildo. Considera-se que Amarildo e Garrincha ganharam "sozinhos" a Copa do Chile para o Brasil. No Milan, na decisão do Mundial de Clubes contra o Santos em 1963, ele integrou o célebre ataque rubro-negro ao lado de Mora, Lodetti, Mazzola e Gianni Rivera.

Por pouco não jogou futebol. Foi dispensado dos aspirantes do Flamengo. Resolveu servir ao exército, até que o jogador Paulistinha o convenceu a fazer teste no Botafogo. Acabou aprovado. No alvinegro carioca fez 238 partidas e 135 gols, sendo Bicampeão Carioca (1961/1962), Campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1962 e da Copa Intercontinental de Clubes da França 1963.

Recebeu o apelido de "Possesso" depois da excelente participação na Copa do Mundo de 1962. Pela Seleção Brasileira de Futebol fez 24 jogos marcando 9 gols.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira

- Copa do Mundo de 1962

Botafogo

Títulos Individuais[editar | editar código-fonte]

Referências