Amate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte do Códice de Huexotzinco, feito em amate.

Amate (do náuatle āmatl através do espanhol amate ou papel amate) é um tipo de papel que era fabricado na Mesoamérica pré-colombiana. Era produzido cozendo a parte interna da casca de algumas espécies de árvores (particularmente do género Ficus) como Ficus cotinifolia e Ficus padifolia.[1] O material fibroso resultante era moído com uma pedra dando origem a um papel um tanto delicado, de cor castanha clara com linhas corrugadas.

O seu uso na Mesoamérica data provavelmente pelo menos do período pré-clássico inicial mesoamericano, no início do primeiro milénio a.C.. A iconografia (em pedra) datada desse período, contém representações de itens que se supõe serem papel. Por exemplo, o Monumento 52 do sítio olmeca de San Lorenzo Tenochtitlán mostra uma pessoa cujas orelhas estão adornadas com pendentes de papel dobrado.[1]

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

Apesar do seu fabrico e uso serem comuns entre as culturas mesoamericanas, este material é geral e contemporaneamente designado com base na sua designação em língua náuatle amatl.[2]

A palavra espanhola amate deriva directamente do termo náuatle. Tanto em maia iucateco do século XVI como no maia iucateco actual, o termo equivalente é kopo. Na língua maia clássica, a principal língua das inscrições maias, o termo equivalente parece ter sido huun (ou hun), que tinha também os significados de "livro" e "casca".

Usos[editar | editar código-fonte]

O papel amate tinha usos reiligiosos e seculares, e era pintado com pincel e enrolado ou dobrado para poder ser guardado. Foi usado como um material básico por várias culturas mesoamericanas na produção de livros dobrados em acordeão, incluindo os códices maias e os códices astecas.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b Miller and Taube (1993, p.131)
  2. A língua náuatle era falada pelos astecas, entre outros povos. Por altura da conquista espanhola do México no século XVI, o náuatle clássico funcionava como uma língua franca em grande parte do México central e regiões circundantes, e os termos náuatles tornaram-se ainda mais disseminados e popularizados pelas subsequentes expedições dos conquistadores.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]