Ambrosiastro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ambrosiastro ou Ambrosiaster é o nome dado ao escritor de um comentário das epístolas de São Paulo, "breve nas palavras, mas importantes na matéria", e valioso por sua crítica à versão latina do Novo Testamento. Este comentário foi erroenamente atribuído por muito tempo à Santo Ambrósio.

História[editar | editar código-fonte]

O comentário em si foi escrito durante o papado de Dâmaso I, ou seja, entre 366 e 384 dC, e é considerado um importante documento da versão latina do texto de Paulo antes da Vulgata de Jerónimo e também da interpretação de Paulo antes de Santo Agostinho.[1]

Em 1527, Erasmo lançou dúvidas sobre a acuracidade da atribuição deste documento à Ambrósio. A partir de então, o autor da obra é geralmente chamado de Ambrosiaster (ou Ambrosiastro) ou pseudo-Ambrósio.[1] Por ter sido citado por Agostinho em seu comentário sobre a Epístola aos Romanos como tendo sido escrito por Sanctus Hilarius, ela já foi atribuída também por diversos críticos à quase todos os Hilários existentes. Germain Morin avançou mais a discussão ao sugerir, em 1899, que o escrito tenha sido Isaac[2] , um judeu convertido e autor de um tratado sobre a Trindade e sobre a Encarnação, que estava exilado na Hispânia em 378-380 dC e que posteriormente recaíu de volta ao Judaísmo. Posteriormente, Morin abandonou sua teoria sobre a autoria da obra em favor de Decimus Hilarianus Hilarius, procônsul da África do Norte em 377 dC.

Com esta atribuição, Alexander Souter concorda.[3] Não há quase nada a ser dito sobre a possibilidade de Ambrósio ter escrito o livro antes de ter se tornado bispo e, posteriormente, ter acrescentado os comentários de Hilário de Poitiers sobre Romanos. A melhor apresentação do caso defendendo a autoria de Ambrósio foi feita por P. A. Ballerini em sua edição completa das obras de Ambrósio.

Diversas outras obras menores foram atribuídas a este mesmo autor. Há também a Quaestiones Veteris et Novi Testamenti, cujos manuscritos tem sido tradicionalmente atribuídos à Agostinho. A maior parte dos estudiosos considera esta obra como sendo de pseudo-Ambrósio também.[1]

Referências

  1. a b c Kinzig, Wolfram. Oxford Classical Dictionary: Ambrosiaster (em <código de língua não-reconhecido>). 3ª. ed. Oxford: Oxford University Press, 1996. ISBN 0-19-521693-8.
  2. Morin, Germain. Rev. d'hist. et de litt. religieuses (em <código de língua não-reconhecido>). [S.l.: s.n.]. p. 97 f.. vol. iv.
  3. Souter, Alexander. Study of Ambrosiaster (em <código de língua não-reconhecido>). [S.l.]: Cambridge Univ. Press, 1905.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Textos[editar | editar código-fonte]

  • Heinrich Joseph Vogels, Vinzenz Bulhart, and Rudolf Hanslik. 1966. Ambrosiastri qui dicitur Commentarius in Epistulas Paulinas. Corpus scriptorum ecclesiasticorum Latinorum vol. 81, pt. 1-3. Vindobonae: Hoelder-Pichler-Tempsky (em latim).
  • Isaac Judaeus, Isacis Judaei Quae supersunt, ed. A. Hoste, CCL 9 (Turnhout: Brepols, 1957), pp. 331–48 (em inglês). As questões eram, nesta época, endereçadas à Isaac, o judeu. Atualmente à Ambrosiastro.

Estudos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]