American Idiot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
American Idiot
Álbum de estúdio de Green Day
Lançamento 21 de Setembro de 2004
Gravação 2003 - 2004
Gênero(s) Rock alternativo
Punk rock
Ópera rock
Duração 57 m 16 s
Gravadora(s) Warner Bros. Records
Produção Green Day, Rob Cavallo
Cronologia de Green Day
Último
Último
Shenanigans
(2002)
Bullet in a Bible
(2005)
Próximo
Próximo
Singles de American Idiot
  1. "American Idiot"
    Lançamento: 14 de Setembro de 2004
  2. "Boulevard of Broken Dreams"
    Lançamento: 29 de Novembro de 2004
  3. "Holiday"
    Lançamento: 28 de Março de 2005
  4. "Wake Me Up When September Ends"
    Lançamento: 13 de Junho de 2005
  5. "Jesus of Suburbia"
    Lançamento: 25 de Outubro de 2005


American Idiot é o sétimo álbum de estúdio da banda Green Day, lançado em 21 de Setembro de 2004 pela Warner Bros. Records.

A intenção do CD é de ser similar a outros álbuns como The Wall do Pink Floyd, Close to the edge dos Yes, The lamb lies down on broadway dos Genesis ou Tommy do The Who, ou seja, uma ópera rock, mas inovando, com a criticismo da sociedade actual. O disco foi adaptado para um musical em exibição na Broadway. American Idiot - O musical, conta com a participação de um grande elenco que protagoniza o contexto das músicas apresentadas no álbum. Como aconteceu com The Wall, fala-se de intenções de um dia adaptá-lo em um filme. Muitas das canções do álbum tratam da oposição à administração de George W. Bush em particular, e também à sociedade americana contemporânea em geral. As letras de Holiday incluem, "Pulverizem a Torre Eiffel/Que criticaram seu governo" que pode ser facilmente ligado ao criticismo da França e outras nações contra a guerra do Iraque. As letras da primeira faixa, American Idiot, dizem "Bem, talvez eu seja um americano idiota/Não faço parte de uma agenda preconceituosa", relacionando a rejeição da banda pelas atitudes de George W. Bush. O Green Day já disse em várias ocasiões que eles não acreditavam que a política da administração de Bush os representava ou ao interesse geral dos americanos. O vocalista e guitarrista Billie Joe Armstrong e o resto da banda concordam que escrever este álbum é uma atitude clássica americana: protestar e comentar. O álbum foi nominado para sete prêmios Grammy e ganhou o de Melhor Álbum de Rock.

Ironicamente, o álbum poderia não ter saído: na verdade, o Green Day estava trabalhando em uma seqüência para Warning, mas as fitas master desta foram roubadas.

O álbum ficou em sétimo lugar nos "Top 100 Albums of 2004" e na posição 833 de todos os tempos pela Rate Your Music. No Brasil, o álbum ganhou a certificação de Ouro (mais de 20 000 cópias vendidas).[1] Já nos EUA, o álbum recebeu cinco certificações de Platina (mais de 5 000 000 exemplares vendidos). As vendas mundiais superam 14 milhões de cópias. O álbum ficou em 225 na lista da revista Rolling Stone dos 500 melhores álbuns de todos os tempos.[2] Está também na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame.[3]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em meados de 2003, a banda se reuniu no Studio 880, em Oakland, Califórnia. A foram escritas e gravadas cerca de 20 músicas para o álbum intitulado Cigarettes and Valentines. Mas as faixas foram roubadas.Dois dias depois do que aconteceu, virou-se para o produtor Rob Cavallo para perguntar se eles devem voltar a gravar as músicas. Cavallo disse a eles para perguntar a si mesmos e ver se eles haviam criado faixas que representam o melhor trabalho da banda. O vocalista e guitarrista Billie Joe Armstrong disse: "Francamente, nós podemos olhar para nós mesmos e dizer:" Essa foi a melhor que já fizemos. "Então decidimos ir em frente e fazer algo completamente novo. "Os membros da banda concordaram em passar os próximos três meses escrevendo material novo.

A primeira canção que o Green Day escreveu foi American Idiot. Depois de sua criação, a banda teve um momento difícil para avançar. Um dia, Mike Dirnt estava no estúdio e gravou 30 segundos de uma música para ele mesmo. Armstrong decidiu que queria fazer o mesmo, e o baterista Tré Cool decidiu seguir o exemplo. Armstrong recordou, "Ele começou a se tornar mais grave, tentaram superar uns aos outros. Nós unimos estas peças pequenas de 30 segundos até que finalmente temos algo. "Este conjunto de faixas tornaram-se "Homecoming", mais tarde a banda decidiu escrever um outro conjunto, esta canção tornou-se "Jesus of Suburbia". A banda foi inspirada nos álbuns conceituais do The Who, e no musical West Side Story e Jesus Cristo Superstar. Durante as sessões que estavam no Studio 880, os membros do Green Day dedicou seus dias para escrever material para o álbum, e eles ficaram até tarde bebendo e discutindo música.

Com as demos concluída, os membros do Green Day foi a Los Angeles para continuar a trabalhar no álbum. Eles gravaram no Ocean Way Recording, em seguida, mudou-se para Capitol Studios para completar o álbum. Armstrong disse que "Como compositor, me sinto profundamente o que eu escrevo, é como se eu tivesse que mover a boca para escrever sobre isso." Eles disseram que tinham tido várias partidas, em Los Angeles, por isso tivemos de adiar a data de gravação, em seguida, Armstrong comentou que "Pela primeira vez, estamos inteiramente de aceitar o fato de que somos estrelas do rock."

Música[editar | editar código-fonte]

American Idiot é um álbum conceitual que conta a história de um personagem central chamado Jesus of Suburbia. O álbum foi um ponto de partida de como o Green Day escreveu a música. Armstrong disse: "Como abandonar o" verso-refrão-verso-refrão-ponte "[estrutura de música] ... ele abre a sua mente para esta forma diferente de escrever, o que realmente não há regras." Ele disse que tentou ser ambicioso, que ele acredita que muitas bandas de rock contemporâneas não eram.

Durante a criação do álbum, a banda favorecia os riffs de guitarra alto, Armstrong disse: "Nós apenas estamos indo para ir" bolas-fora "no som da guitarra, as Les Pauls estão conectados e os Marshalls e balançá-lo. Toco mais guitarra nesse álbum, do que em qualquer outro álbum anterior. Ele também acrescentou faixas de guitarra acústica através do álbum de aumentar os seus ritmos de guitarra, criando um som dissonante.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[4]
Mojo 4.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar half.svg[5]
Austin Chronicle 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[6]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar half.svgStar empty.svg[7]
IGN 10 de 10 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[8]
Q 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[9]
Slant Magazine 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[10]
Pitchfork Media 7.2 de 10 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar half.svgStar empty.svgStar empty.svg[11]
Entertainment Weekly B+[12]
NME 8/10[13]

American Idiot recebeu avaliações bastante positivas da crítica especializada. De acordo com a revisão do site agregador Metacritic, o álbum obteve 79 pontos em 100, baseados em 26 críticas. [14] Stephen Thomas Erlewine do AllMusic elogiou o álbum como "uma coleção de grandes canções" ou como um todo, escrevendo que, "narrativa politicamente carrengada, é uma obra-prima". [15] Pitchfork Media elogiou-o como "ambicioso" e bem sucedido em passar a sua mensagem. [16] NME caracterizou-a como "um ataque de músicas variadas e maravilhosamente bem apresentado de uma forma inesperadamente". [17] Q chamou o álbum de "Um poderoso trabalho, nobre em intenção e execução.[18] O New York Times elogiou o Green Day, "qualquer pretensão com melodia e puro fevor".

Entertainment Weekly disse que apesar de ser baseado em um conceito de teatro musical "que periodicamente faz sentido", o Green Day, "faz uma viagem divertida o suficiente". Descreve algumas das canções como esquecível, embora, discutir o álbum enfoca mais letras do que música. [19] A revista Rolling Stone disse que o álbum poderia ter sido, uma confusão, mas que o "músicas individuais são resistentes e incisivo o suficiente para trabalhar por conta própria".[20] Slant Magazine descreveu como uma "simplesmente pomposa, exagerada e, um álbum conceitual glorioso." [21]

História[editar | editar código-fonte]

O protagonista do álbum St. Jimmy surgiu a partir de Armstrong se perguntando que tipo de pessoa ele significava em American Idiot. Armstrong descreveu o personagem como um "anti-herói", um "homem comum" impotente insensível por uma "dieta de refrigerante e Ritalina". Jesus of Suburbia odeia a sua cidade e as pessoas próximas a ele, então, sai da cidade. Enquanto o álbum progride os personagens St. Jimmy e Whatsername são introduzidos. St. Jimmy é um combatente da liberdade do punk rock. Whatsername inspirado em Bikini Kill da música "Rebel Girl" é uma "mãe da revolução" personagem que Armstrong descreveu como "uma espécie de inimiga de St. Jimmy, em muitos aspectos." Ambos os personagens ilustram a "raiva contra o amor" é o tema do álbum, em que "você pode ir com a rebelião cego de auto-destruição. Mas há outra faceta movido pelo amor que está a seguir suas crenças e ética. E é aí que Jesus of Suburbia realmente onde quer ir ", diz Armstrong. Perto do fim da história, St. Jimmy metaforicamente se suicida. Enquanto Armstrong não quis dar os detalhes da resolução da história, disse que a intenção é que o ouvinte a perceber que, em última análise, Jesus of Suburbia é realmente St. Jimmy,"faz parte do personagem principal que quase morreu, ou seja St.Jimmy era uma parte do personagem Jesus of Suburbia e o personagem consegue se livrar dessa sua parte auto-destruitiva. "Na última canção do álbum "Whatsername" Jesus of Suburbia também perde a sua ligação com Whatsername.

Publicação Elogio Posição
NARM Top 200 Álbuns de Todos os Tempos[22] 61
Rolling Stone Os 100 Melhores Álbuns da Década[23] [24] 22
Rolling Stone (Escolha dos leitores) Os 100 Melhores Álbuns da Década[25] 1
Rolling Stone 500 melhores álbuns de sempre[26] 225
Kerrang 100 Maiores Álbuns de rock de todos os tempos[27] 13
NME Os 100 Melhores Álbuns da Década [28] 60
NPR As 50 gravações mais importantes da década[29] *
Robert Dimery 1001 discos para ouvir antes de morrer[30] *
Rhapsody Os 100 Melhores Álbuns Pop da Década[31] 6
Entertainment Weekly Os 100 melhores álbuns de 1983-2008[32] 6
IGN Os 25 melhores álbuns de rock da última década[33] *

Premiações[editar | editar código-fonte]

Cerimonia Prêmio Ano Resultado
American Music Awards Álbum favorito de Pop/Rock 2005 Venceu
Billboard Music Awards Álbum do ano 2005 Indicado
BRIT Awards Melhor Álbum Internacional 2006 Venceu
Grammy Awards Melhor Álbum de Rock 2005 Venceu
Grammy Awards Álbum do Ano 2005 Indicado
Japan Gold Disc Awards 10 Melhores Álbuns Internacionais de Rock & Pop do Ano 2005 Venceu
Juno Awards Melhor Álbum Internacional do Ano 2005 Venceu
MTV Europe Music Awards Melhor Álbum 2005 Venceu
NME Awards Melhor Álbum 2005 Indicado
Teen Choice Awards Álbum de Música 2005 Indicado

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "American Idiot" - 2:54
  2. "Jesus of Suburbia" - 9:08
  3. "Holiday" - 3:52
  4. "Boulevard of Broken Dreams" - 4:20
  5. "Are We The Waiting" - 2:42
  6. "Saint Jimmy" - 2:55
  7. "Give Me Novacaine" - 3:25
  8. "She's A Rebel" - 2:00
  9. "Extraordinary Girl" - 3:33
  10. "Letterbomb" - 4:06
  11. "Wake Me Up When September Ends" - 4:45
  12. "Homecoming" - 9:18
    • "The Death Of Saint Jimmy"
    • "East 12th St"
    • "Nobody's Likes You"
    • "Rock'n Roll Girlfriend"
    • "We're coming Home Again"
  13. "Whatsername" - 4:12

Pessoal[editar | editar código-fonte]

Banda

Músicos adicionais

Produção

Paradas[editar | editar código-fonte]

Nota: para todas as certificações ver: Certificações

Referências

  1. http://www.abpd.org.br/certificados_interna.asp
  2. 500 greatest albums of all time (em inglês) timepieces (2011). Visitado em 24/10/2012.
  3. 2007 National Association of Recording Merchandisers (em inglês) timepieces (2007). Visitado em 24/05/2010.
  4. Erlewine, Stephen Thomas. American Idiot: Overview AllMusic. Visitado em July 23, 2008.
  5. [1] Mojo (22 de Agosto de 2005). Visitado em 18 de janeiro de 2015.
  6. {{cite web|url=http://www.austinchronicle.com/music/2004-10-15/233314/%7Ctitle=American Idiot Review|publisher=[[Austin Chronicle]|author= Christopher Gray|date=15 de Outubro de 2004|accessdate=18 de janeiro de 2015}}
  7. Rob Sheffield (30 de Setembro de 2004). Review: American Idiot Review Rolling Stone.
  8. JR (21 de Setembro de 2004). So it's come to this -- a punk-rock opera (and quite possibly Green Day's piece d' resistance). IGN. Visitado em 18 de janeiro de 2015.
  9. McLean, Craig (Setembro de 2004). American Idiot Green Day Review Q. Visitado em 22 de Agosto de 2011.
  10. Sal Cinquemani (21 de Setembro de 2004). [2] Slant Magazine. Visitado em 20 de abril de 2011.
  11. http://pitchfork.com/reviews/albums/3568-american-idiot/
  12. David Browne (05 de Setembro de 2008). [3] Entertainment Weekly.
  13. {{cite web|url=http://www.nme.com/
  14. American Idiot (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 18/01/2015.
  15. [4] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 18/01/2015.
  16. [5] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 11/11/2013.
  17. [6] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 21/09/2012.
  18. [7] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 30/01/2013.
  19. [8] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 18/01/2015.
  20. [9] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 18/01/2015.
  21. [10] (em inglês) timepieces (2004). Visitado em 18/01/2015.
  22. The Definitive 200: Top Albums Of All =March 7, 2007. Visitado em July 13, 2010. Cópia arquivada em June 7, 2008.
  23. 100 Best Albums Of The Decade.[ligação inativa]
  24. Rolling Stone’s 100 Best Albums, Songs Of The ’00s Stereogum. Visitado em 2011-07-28.
  25. The Decade End: Readers Poll Your Favorite Album, Song and Artist of the 2000s.[ligação inativa]
  26. 500 Greatest Albums of All Time.[ligação inativa]
  27. GNR Top Kerrang's 100 Greatest Album List GNR Daily (November 10, 2009). Visitado em July 13, 2010. Cópia arquivada em 22 August 2010.
  28. The Top 100 Greatest Albums Of The Decade NME. Visitado em July 13, 2010.
  29. Boilen, Bob. The Decade's 50 Most Important Recordings NPR. Visitado em July 13, 2010. Cópia arquivada em 18 August 2010.
  30. Dimery, Robert - 1001 Albums You Must Hear Before You Die
  31. 100 Best Pop Albums Of The Decade.
  32. {{http://www.ew.com/ew/article/0,,20207337,00.html
  33. 25 Best Rock Albums Of The Last Decade.
  34. Australia
  35. a b c d e f g h i j k l m n o p American Idiot Chart positions australian-charts.com. Visitado em 2008-06-24.
  36. Austria
  37. [11]
  38. a b Billboard Billboard. Visitado em 2008-06-24.
  39. CRIA Certifications Canadian Recording Industry Association. Visitado em 2008-06-24.
  40. Ireland
  41. Sweden
  42. Switzerland
  43. United Kingdom
  44. British Albums Chart Chart Stats. Visitado em 2008-06-24.
  45. RIAA Certifications Recording Industry Association of America. Visitado em 2008-06-24.
  46. New Zealand
  47. Germany
  48. Denmark
  49. Netherlands
  50. Belgium