Amina bint Wahab

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Amina bint Wahab (em árabe: آمنة بنت وهب) (? — ca. 577) foi a mãe de Maomé (Muhammad), profeta do Islão.

O seu pai era Wahab ibn Abd al-Manaf do clã de Zuhra [1] da tribo dos Coraixitas, e a sua mãe, Barra bint Abd al-Uzza, pertencia ao clã de Abd al-Dar.

Foi casada com Abd Allah ibn Abd al-Muttalib,[1] mas de acordo com um costume da época permaneceu com a sua família, sendo visitada pelo marido. Com ele teve apenas um filho, Muhammad. O seu marido faleceu pouco tempo antes,[1] [2] quando tinha vinte e cinco anos de idade,[1] ou depois do nascimento de Maomé. O seu filho passou algum tempo com uma ama de leite beduína,[2] seguindo um costume da época segundo o qual uma criança teria desta forma maior saúde.

A concepção de Muhammad deu azo a uma série de relatos fantásticos, que possuem pouco rigor histórico. Segundo um deles, Abd Allah, o pai de Maomé, encontrava-se a trabalhar com argila na casa de outra esposa, tendo desejado manter relações sexuais com ela, mas foi rejeitado pelo facto de ter ficado sujo com a argila. Depois de se lavar, partiu para a casa de Amina, mas pelo caminho encontrou uma mulher que lhe fez um convite sexual, tendo Abd Allah rejeitado a proposta. Quando chegou à casa de Amina manteve relações sexuais com a esposa, acto do qual resultou a concepção de Muhammad. Ao passar pela rua encontrou a mulher do convite anterior e perguntou-lhe se este ainda permanecia de pé, mas esta afirmou que não, fazendo referência à existência de uma misteriosa luz branca nos seus olhos, que Amina tinha retirado após o encontro amoroso. Em outro relato popular, Amina teria visto uma grande luz que saiu de si no momento da concepção e que iluminou os palácios de Bosra na Síria.

Amina morreu quando Maomé tinha cinco anos de idade,[1] em Al-Abwa, quando regressava de uma viagem de Medina para Meca, em cerca de 577. Maomé passou seus primeiros oito anos de vida na casa do seu avô paterno, Abdul Muttalib.[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Muhammad the Trustworthy [em linha]
  2. a b The Biography of Prophet Muhammad (PBUH) [em linha]