Amintas da Galácia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Moeda gálata mostrando Amintas.

Amintas (em grego: Ἀμύντας; ? — 25 a.C.), Tetrarca dos Trocmnos, foi rei da Galácia e de diversos países adjacentes entre 36 e 25 a.C., mencionado por Estrabão[1] como um contemporâneo seu. Filho de Brogitarix, rei da Galácia, sua primeira conquista parece ter sido a Licaônia, onde mantinha mais de 300 rebanhos.[2] Em seguida conquistou o território de Derbe após assassinar o príncipe local, Antípatro de Derbe, amigo de Cícero,[3] e a Isáuria e Capadócia, por influência romana. Originalmente secretário (γραμματευς, grammateus) do rei da Capadócia, Deiotaro, assumiu o cargo de general (στρατηγoς) das tropas auxiliares gálatas enviadas para ajudar Bruto e Cássio contra os triúnviros, porém desertou para o lado de Marco Antônio pouco antes da Batalha de Filipos, em 42 a.C.

Após a morte de Deiotaro[4] assumiu o trono da Capadócia, em 37 a.C., como soberano-cliente de Marco Antônio; Plutarco o lista entre os seguidores de Marco Antônio na Batalha de Ácio, em 31 a.C., desertando para o lado de Otaviano pouco antes do início do combate.[5]

Ao dar sequência a seus planos de expansão, e visando derrotar as tribos rebeldes que habitavam as montanhas ao redor de seu território, Amintas conquistou o país de Homonada[4] ou Hoinona,[6] e assassinou o príncipe local; sua morte, no entanto, foi vingada por sua viúva, e Amintas foi vítima de uma emboscada em 25 a.C.[4] Após sua morte, a Galácia se tornou uma província romana.

Seu filho foi Artemidoro dos trocmnos, um nobre gálata que se casou com uma princesa dos tectósagos, a filha de Amintas, tetrarca dos tectósagos; ambos foram pais de Caio Júlio Severo, um nobre de Acmônia, na Galácia, que por sua vez era pai de Caio Júlio Basso, procônsul da Bitínia e Ponto em 98 d.C., e de Caio Júlio Severo, tribuno da Legio VI Ferrata.

Referências

  1. Estrabão, Geographia, xii
  2. Ibid.
  3. Cícero, Ad Familiares, xiii. 73
  4. a b c Strabo, ibid.
  5. Plutarco, Vidas Paralelas, "Mark Anthony", 61, 63 (em inglês)
  6. Plínio, Naturalis Historia, v. 23 (em inglês)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Este artigo contém texto do Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology (em domínio público), de William Smith (1870).