Amor e Ódio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amor e Ódio
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Duração 60 minutos
Criador(es) Inés Rodena
(obra original)
Henrique Zambelli
(adaptação)
Ecila Pedroso
(supervisão de texto)
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Antonino Seabra
Jacques Lagôa
Henrique Martins
Elenco Suzy Rêgo
Daniel Boaventura
Viétia Rocha
Jonas Mello
Edson Fieschi
Cléo Ventura
Genézio de Barros
Maximira Figueiredo (ver mais)
Tema de abertura "Na Rua, na Chuva, na Fazenda", Chrystian & Ralf
Tema de
encerramento
"Na Rua, na Chuva, na Fazenda", Chrystian & Ralf
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil SBT
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 10 de dezembro de 200116 de abril de 2001
N.º de episódios 110
Cronologia
Último
Último
Pícara Sonhadora
(2001)
Marisol
(2002)
Próximo
Próximo
Programas relacionados La doña (1972)
Doménica Montero (1978)
Amanda Sabater (1989)
La dueña (1995)
El desafío (1995)
Soy tu dueña (2010)

Amor e Ódio é uma telenovela brasileira produzida pelo SBT e exibida entre 10 de dezembro de 2001 e 16 de abril de 2002, em 110 capítulos,[1] substituindo Pícara Sonhadora, e sendo substituída por Marisol.

Baseada no texto original de Inés Rodena e sendo um remake da telenovela mexicana La dueña, foi adaptada por Henrique Zambelli, com supervisão de texto de Ecila Pedroso e dirigida por Antonino Seabra, Jacques Lagôa e direção geral de Henrique Martins.[1] [2]

Suzy Rêgo interpreta a personagem principal Regina Villa Real, uma mulher boa que se torna dura e amarga quando descobre que seu noivo a traí com sua prima.[2] Na versão mexicana, a personagem principal foi vivida por Angélica Rivera. Daniel Boaventura vive José Maria Cortês, par romântico de Regina, que foi vivido por Francisco Gattorno na versão mexicana. Viétia Rocha e Jonas Mello interpretam os antagonistas Laura Castro e Macário Gomes, respectivamente. Edson Fieschi, Cléo Ventura, Genézio de Barros e Maximira Figueiredo interpretam os demais papéis principais da história.

Foi a 2ª adaptação feita pelo SBT em parceria com a Televisa.[3] Nunca foi reapresentada na grade da emissora, apesar de ter registrando excelentes índices de audiência, a trama acabou sendo esquecida pela direção do SBT. A trama obteve a média de 16 pontos,[3] enquanto a expectativa era fazer 14 pontos,[3] e conseguindo chegar a 18 pontos enfrentando O Clone.[3] Pouco antes da sua estreia, o Ministério da Justiça fez a classificação indicativa da telenovela como imprópria para menores de 14 anos por ter conteúdo de "tensão, violência e conflitos", segundo o governo.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1995, María del Carmen Peña escreveu La dueña, refilmagem da telenovela homônima de 1972 de Inés Rodena. O drama mexicano foi protagonizado por Angélica Rivera e Francisco Gattorno, tendo sido produzida pela Televisa e exibido pelo El Canal de las Estrellas entre 22 de maio a 29 de setembro de 1995 em 95 capítulos. Após o fim do folhetim Brasileiras e Brasileiros em 1991, o SBT só voltou a produzir novelas três anos depois com Éramos Seis, adaptação do texto original de Maria José Dupré.[5] Simultaneamente a esta, foram exibidas sete obras originais na emissora, com Chiquititas se tornando o primeiro remake de texto estrangeiro da emissora, em 1997.[6] Logo após, a argentina Pérola Negra foi refilmada pelo SBT.[7] O SBT assinou um contrato de cinco anos com a Televisa em abril de 2001 que faria o SBT desembolar cerca de US$ 200 milhões em compras de textos e dublagens de novelas mexicanas.[8] Pícara Sonhadora foi a primeira adaptação e Amor e Ódio foi sua substituta.[2]

Produção[editar | editar código-fonte]

Suzy Rêgo interpretou Regina Villa Real, a protagonista.

A primeira atriz cotada para interpretar a protagonista Regina Villa Real foi Patrícia de Sabrit, que havia sido a protagonista de Pérola Negra, exibida pelo SBT entre 1998 e 1999. Patrícia gravou cenas da novela, mas a atriz era jovem demais para a personagem e Suzy Rego a substituiu.[9]

Inicialmente a trama se chamaria Entre o Amor e o Ódio, La Dueña e A Dona, ficando por ser Amor e Ódio,[10] este último título escolhido foi também o título inicialmente escolhido para a telenovela Meu Bem Meu Mal, da Rede Globo, em 1990.[9]

Ao contrário da sua antecessora Pícara Sonhadora, uma trama mais leve, Amor e Ódio foi anunciada com cenas de repleta traições, beijos ardentes, banhos de cachoeira e cenas de amor nos estábulos das fazendas "É uma novela adulta, um mundo de angústias, amores frustados e infidelidade. A novela tem 99% de sofrimento. As interpretações são mais fortes. Os atores não falam, eles demonstram os sentimentos". afirma o diretor Jacques Lagôa.[11]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Regina Villa Real é uma moça bonita, educada e têm uma grande fortuna. Seus pais morreram em um acidente quando ela era pequena. Desde então, mora com sua tia Berenice, que a ama como se fosse sua mãe, e com sua prima Laura Castro.[2] As primas têm a mesma idade e cresceram juntas. Regina ama Laura, que não tem esse sentimento pela prima. Fria e calculista, Laura sente muita inveja da prima. A única que percebe essa rivalidade é Martinha, a Bá, que trabalha para elas. Ela acompanhou as primas desde o nascimento, ama Regina e a trata como uma filha.

Regina está de casamento marcado com Maurício Padilha, por quem está apaixonada. Oportunista, o noivo só quer se aproveitar do dinheiro dela. Para piorar, ainda mantém um romance secreto com Laura. A ideia dele é pegar o dinheiro de Regina e fugir com a amante, mas a tentativa de fuga é em vão. Maurício tenta demitir Anselmo, administrador dos bens de Regina, para controlar a fortuna da futura Sra. Padilha, mas é desmascarado. Depois, surgem na mente de Maurício alguns mistérios do passado, o que faz com que os planos dele sejam um fracasso. Então, acuado, ele termina seu romance secreto com Laura e abandona Regina no altar.[2]

Magoada e humilhada, Regina torna-se uma mulher fria e autoritária[2] , abandona tudo e se muda para a Fazenda Cascavel, herança de seus pais, em Santa Rita da Esperança, uma pequena cidade interiorana. Berenice, Laura e Martinha vão junto, bem como Patrícia, a melhor amiga de Regina. O capataz da fazenda, Macário, é um homem inescrupuloso, rude, mentiroso, capaz de fazer qualquer coisa, até mesmo de matar. Logo que conhece Regina, entra em conflito com ela, mas aos poucos acaba se apaixonando pela "Dona" e se tornando seu grande protetor.

Mas uma nova surpresa na vida de Regina ainda vem aí: na fazenda, Regina conhece José Maria Cortes, herdeiro da Fazenda Carvalhais, vizinha de suas terras. Ela quer comprar a fazenda dele e vários conflitos acontecem entre os dois. Ele se apaixonará por ela, que tentará resistir, já que seu coração está fechado para o amor. Laura também se interessará por José Maria, ocorrendo mais uma rivalidade. Ema Cortes, mulher dominadora e mãe de José Maria, alia-se a Laura para evitar que Regina e o rapaz tenham um romance.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Suzy Rêgo Regina Villa Real[2]
Daniel Boaventura José Maria Cortês
Viétia Rocha Laura Castro[2]
Jonas Mello Macário Gomes
Edson Fieschi Maurício Padilha[2]
Cléo Ventura Berenice Castro
Genézio de Barros Anselmo Moraes
Maximira Figueiredo Martinha (Bá)
Rogério Márcico Juvêncio (Juca)
Luiz Baccelli Severiano Cortes
Denis Derkian Leandro Rodrigues
Gésio Amadeu Padre Abel
Malu Rocha Ema Cortes
Alexandra Marques Patrícia
Ernando Tiago Otávio Costa
Ângela Correa Consuelo
Viviane Porto Brenda
Sônia Lima Silvia Hernandes
Régis Monteiro Manuel Hernandes
Patrícia Ermel Fabíola Hernandes
Neusa Maria Faro Gilda
Márcia Maria Rosinha
Geisa Gama Margareth
Raymundo de Souza Fortunato
Lugui Palhares Ismael
Cláudio Curi delegado Salazar
Felipe Donavan detetive Reis
Marcelo Várzea Lúcio
Flávia Pucci Aurélia
Tadeu Menezes Omar
Vera Mancini Arminda
André Schaeter Jacinto
Raphal Molina Padre João
Tainara Toná Lolita
Caio Romei Chuí
Sophia Bisilliat Carla
Hylka Maria empregada de Regina
Ana Arcuri Julieta (esposa de Leandro)
Luciane Damaso Sueli
Valter Santos Ezequiel
Hélio Cícero Artur

Elenco de apoio[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Amor e Ódio
Capa: Suzy Rêgo
Trilha sonora de vários artistas
Lançamento 2001
Gênero(s) Romântico
Gravadora(s) SBT Music
Cronologia de vários artistas
Último
Último
Pícara Sonhadora
Marisol
Próximo
Próximo
  1. "Na rua, na chuva, na fazenda" (Casinha de sapê) - Chrystian & Ralf
  2. "Cristal quebrado" - Leonardo
  3. "Suave é a noite" - Sylvinha Araújo
  4. "Passou da conta" - Bruno e Marrone
  5. "Fecha a porta" - Erasmo Carlos
  6. "Fique com a saudade" - Falamansa
  7. "Tá difícil esquecer" - Roberta Miranda
  8. "Sempre comigo" - Luiz Melodia
  9. "Prenda" (Tô feito um bode) - Frank Aguiar
  10. "Saindo de mim" - Tânia Alves
  11. "Somos iguais" - Altemar Dutra Júnior
  12. "Teu olhar" - Carla Hassett
  13. "Moço bonito" - Cibelle

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Amor e Ódio Teledramaturgia. Página visitada em 19 de junho de 2014.
  2. a b c d e f g h i Marina Monzillo (2002). Amor e Ódio ISTOÉ Gente Online. Página visitada em 28 de dezembro de 2011.
  3. a b c d SBT diz que agora terá uma produção contínua Folha de São Paulo. UOL (17 de março de 2002). Página visitada em 19 de junho de 2014.
  4. Daniel Castro (23 de novembro de 2001). Ministério veta "Casa dos Artistas" antes das 21h Folha de São Paulo. UOL. Página visitada em 19 de junho de 2014.
  5. Magelhães, Simone (17 de janeiro de 1994). Um 'remake' em horário alternativo (em português) O Globo. Página visitada em 18 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013.
  6. SBT lança hoje sua nova programação (em português) Folha de S. Paulo. (28 de julho de 1997). Página visitada em 30 de julho de 2013. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013.
  7. Pobre órfã descobre uma mina de ouro em 'Pérola negra', do SBT (em português) O Globo (4 de janeiro de 1998). Página visitada em 19 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013.
  8. Castro, Daniel (5 de maio de 2001). SBT volta a produzir telenovelas em julho (em português) Folha de São Paulo. Página visitada em 20 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013.
  9. a b Amor e Ódio Teledramaturgia. Página visitada em 19 de junho de 2014.
  10. Daniel Castro (15 de novembro de 2001). Nizan Guanaes negocia compra de TV na Bahia Folha de São Paulo. UOL. Página visitada em 19 de junho de 2014.
  11. Carolina Camargo (10 de dezembro de 2001). SBT estréia "Amor e Ódio", mais um dramalhão no estilo mexicano Folha de São Paulo. UOL. Página visitada em 19 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]